7.12.04

FÁBIO MACHADO DE MATOS

Doces figuras, um acidente estúpido, como são os acidentes, levou embora ontem, pra sempre, um grande parceiro meu, Fabinho.

Conheci o malandro há muitos anos, nós dois procurando estágio, fomos de cara um com a cara do outro, o Flamengo nos serviu de amálgama, no tempo em que o Flamengo era um time vencedor.

E fizemos tantas merdas juntos, numa equação que misturava o futebol e as mulheres, mas tanta merda, que nem 100 anos serão capazes de apagar o sorriso do cara de dentro de mim.

Não é possível não citar o Aldir, nem é possível não dizer de novo que é ele, Aldir, meu porta-voz numa porrada de coisas: é na saudade que tudo o que amei sobrevive.

Fabinho casou, teve dois filhos, tornou-se um vencedor no mercado de trabalho, e tudo isso era tão incompatível com os roteiros que vivemos juntos, que estávamos afastados fazia tempo.

Nos limitávamos a alguns telefonemas e emails, com as nossas histórias sempre como pano de fundo. E ríamos muito, e nos divertíamos muito nesses poucos momentos.

Eternizados em mim.

Sou eu me acumulando de saudades. Um beijo, malandro.

Um comentário:

Xampa disse...

Grande Fábio.
Brother de várias merdas.
Um lutador.
PQP !!!
Era um zé na escola, vagabundo mor.
Mas, no terceiro ano começou a estudar que nem um louco e daí foi.
Saudade desse puto.
ABS !