10.6.05

A PRAIA NOTURNA DA VILA


Eis o texto, na íntegra, da revista RioShow, d´O Globo de hoje, da coluna Pé-Sujo, do Juarez Becosa, que lotado de um orgulho heróico, reproduzo:

"O crédulo leitor passa pela primeira vez sob a porta do botequim, em Vila Isabel. Depara-se com o imenso busto barbado pairando sobre o salão, tal e qual um São Jorge. Coça a cabeça, pergunta quem é.

— É o deus grego da cerveja — conta alguém. — Ele deu nome ao bar.

O leitor, que nada entende de mitologia, acredita. Afinal, é plausível a versão. Senta-se, toma um chope e admira as nobres feições da divindade. Logo abaixo, um relógio de ponteiro marca as horas: está cedo. Outro chope, então.

Fora a bebida, que de fato estala na boca de nosso ingênuo personagem, nada mais nessa história é o que parece ser. Pois no Estephanio’s, um dos maiores sucessos etílicos-festivos-gastronômicos surgidos na Zona Norte nos últimos anos, é tudo assim: uma grande brincadeira.

O busto divino é na verdade de Aldir Blanc, padrinho e fã do estabelecimento, tocado há cinco anos por dois consultores de informática que abraçaram a causa botequinesca por prazer. O nome mítico não veio do Olimpo, mas do primeiro dono do bar, um empresário da noite que nos anos 80 ajudou Sargentelli a administrar as mulatas que não estavam no mapa. E o relógio, deliberadamente atrasado duas horas, é uma das muitas artimanhas a que os engenhosos sócios recorrem para deixar os fregueses mais tempo na casa. Como se precisasse.

Festivo, noturno e despojado, o Estephanio’s lembra um pub do interior, com direito a programação musical, transmissão de jogos na TV, concursos culturais e uma boa dose de galhofa. Por tudo isso, virou referência, ponto de encontro noturno na Vila, aberto sempre até o último cliente decidir ir embora.

Mas como nenhum bar é feito apenas de programação, o Estephanio’s também guarda na cozinha atrativos capazes de valer uma visita. Fartos caldos (R$ 4, cada um) encabeçam a lista de petiscos. Os croquetes são mesmo de carne-assada (R$ 10, a porção) e a carne-de-sol é um acinte de fartura. A carta de cachaças beira a centena de títulos e o chope escuro é de rara qualidade. Portanto, vá sem medo. E deixe o relógio em casa."

Até.

Posted by Hello

5 comentários:

Anônimo disse...

Quem é Estephudense sabe disso há 5 anos...
Beijocas, Guerreira

Zé Sergio disse...

Eu só fui uma vez e não me lembro se gostei porque comi e biritei tão bem que do resto esqueci. Deve di ser bão!

Betinha disse...

Ai, meu deus, agora o bar ficará ainda mais cheio... :(
Vocês merecem todos estes elogios e muito mais. Afinal de contas, o Estef é nada mais nada menos que o melhor bar do mundo!!!
Beijo grande!

Anônimo disse...

Quem vai uma vez, volta muitas, e muitas vezes....
Vira umm vício... Tem dias que saio de casa só para tomar um chopinho no estephanios, e olha que nem moro em Vila Isabel!
Acho que ja virei uma estephudense!!
Bjs...

Danielle Giorno

P.S. Com dois "e" e dois "l".

Anônimo disse...

Sempre achei o "Esteph" um pé sujo muito do apertado, e aquela rede de pesca aos domingos...

Mas não é que o "buteco" é bom mesmo, aquilo definitivamente não é um bar, está muito mais para uma confraria, um clube. O problema é que este clube não para de receber novos sócios, recentemente tornei-me um deles e se não apareço mais vezes por lá é só porque o meu juízo não me dá trégua.

Nota mil.