19.1.06

SUBURBANO CORAÇÃO


"A casa está bonita
A dona está demais..."

(Chico Buarque)




Ela tem viajado demais, conseqüências de mudanças no trabalho, e eu tenho, ô constatação boba, ficado sozinho demais. Mas vai que deu uma viração nesse começo de ano e ela tem ficado em casa durante a semana e a casa está muito mais bonita por isso.

Quando ela chega eu vento e tenho a ligeira impressão de que isso fica visível. Ela faz sempre festinha em mim, ainda de pé na porta, dá-me um beijo e acarinha meus cabelos. E eu, bobo, marejo os olhos.

Assim como eu, bobo, fico a fazer fotografias dela diante do espelho se pintando, dela acordando, dela dizendo bom dia, dela pedindo mais um "cadiquinho" de preguiça antes de se levantar, como, bobo, fiz-lhe uma surpresa na segunda-feira.

Sacumé. Semanas a fio sem a minha garota e o sol da segunda-feira parecia muito mais brilhante, o azul do céu ainda mais azul, só porque ela me dissera no domingo à noite, "essa semana eu não viajo...". Daí eu tô no centro da cidade, penso nela e me dá vontade de dar pulos, como disse o Pessoa num poema recitado pela Bethânia (lembrei-me dos versos na hora!). Seria ridículo. Entro num quiosque de flores e escolho as mais bonitas. Mando entregar em seu trabalho. Rápido. Paro pra tomar um café e fico, bobo (de novo), esperando o celular tocar.

Ele toca. E ela me diz coisas tão bonitas (tive a impressão de ouvi-la com a voz marejada) e eu choro no balcão sozinho, e eu prometo um jantar caprichado à noite, e ela sorri, diz que sim, que quer, e eu, bobo, fico zanzando pelos corredores do Forum a pensar no cardápio da minha menina.

E vou às compras e escolho cada ingrediente como se fosse preparar o primeiro jantar, para causar a primeira impressão, para impressionar pela primeira vez.

Chego em casa e a casa está muito mais bonita do que na semana passada pelo simples fato de que a expectativa de sua chegada é capaz de dar cores a tudo, enquanto que sua ausência me deixa andando pela casa na penumbra em busca do cheiro que o olfato mais aguçado há de perceber (deixei de fumar de novo).

Preparo a comida e lembro que não janto em casa quando ela não está. Acho graça disso. E fico de olho no relógio, e sinto que vento quando vem chegando a hora.

E quando ela chega à noite abraçada na braçada de rosas dá-me um abraço indizível e ficamos ali, os dois, na sala da casa que está tão bonita...

A dona está demais.

19 comentários:

∫nês disse...

Que liiiiiiiindo!
E quem fica com cara de bobo e olhos marejados somos nós, leitores.
Beijo gigante para te e para a Dani, casal Maravilhoso :)

Fumaça disse...

Texto tocante, como sempre você dá para o leitor aquele momento, o carinho todo. Muito lindo o amor de vocês, que espalha ao redor e faz a gente querer estar por perto. Saudades! Beijo.

Margarida Maria disse...

Vou fazer coro com Ines (é assim mesmo?) e Fumaça: que texto bonito e emocionante. Não conheço o casal maravilhoso (como disse a Ines) mas dá pra perceber que é lindo o amor de vocês (como disse a Fumaça). É muito difícil hoje em dia um homem ter a coragem de se expor assim desse jeito e ainda mais abrindo tanto a guarda dizendo-se dependente da mulher amada (ou interpretei mal?).

Edu, muito lindo mesmo.

É como disse a Fumaça, a gente quer sempre estar perto de gente assim.

Obrigada por colorir minha sexta-feira.

Luciana Souto (da Timbre) disse...

Quero te dizer que isso me deu tanta inspiração e tanta saudade de ouvir Suburbano Coração na voz do maravilhoso Chico Buarque que fiz isso. Pus o CD pra ouvir, ouvi bem alto o Chico cantando (a casa está bonita, a dona está demais, a última visita quanto tempo faz, balançam os cabides...) e li várias vezes até acabar a gravação. Quer saber o que aconteceu? Me acabei de chorar! kkkkk Mas foi muito bão! Beijo e brigada tá? E pra Dani também. Afinal né vocês são o casal maravilhoso kkkkkkk

Anônimo disse...

ô, laiá... quase cinco da tarde e eu boba chorando escondidinho na repartição... beijos, meu herói.
juliana

Patrícia M. disse...

Agora vai dar de fazer a gente chorar ao invés de rir é? Não sei quem tem mais sorte, se você ou ela. Liiiiiiiiiiiiindo demaisssss!

Maria Paula disse...

Edu, que texto maravilhoso! Sempre achei lindo o orgulho que vcs têm de estarem juntos. Olha que eu sou durona mas estou aqui, mais uma, com os olhos cheios de lágrimas... Quero ser mais parte deste mundo, porque vocês me fazem muito bem e são importantes demais. Beijos e saudades!

Monica Murga disse...

Sou sua leitora a partir do livro que foi indicado no Front do Rio. E o que li aqui e agora nada tem haver com o livro que é de humor e gostei muito. Mas isso é muito lindo de fazer a gente ficar com os olhos cheios dágua mesmo.

∫nês disse...

Edu querido!
Passei o dia sem conseguir esquecer as palavras lindas que escreveste, pelo que nao resisti em partilha-las com aqueles que me leiem. Tem destaque no meu blog.
Coisa bonita assim não pode ficar escondida não é? Tem que se espalhar aos 7 ventos!

Obrigada pelo teu comentário tão "poético". E viva o 72, hehehe!

Quanto a Fernando Pessoa, desconhecia que era de sua autoria... mas, sempre a aprender.

Um beijo grande e MUITAS saudades.

Betinha disse...

Lindo texto. A presença da Dani no Rio te trouxe alegria e doçura. Junto com estas, veio ainda mais inspiração.
Beijos com muito carinho para vocês!

P.S.: Curioso que só mulheres comentaram o texto. Prova de que os homens temem expor suas emoções?

Duda disse...

Lindo o seu texto!
Acho que todo mundo sonha com um amor assim...

Cesar Nascimento disse...

Betinha não acho que seja medo de exposição não, acho mesmo é que não é todo mundo que dá a sorte que parece que o Edu e a mulher dele deram.

Eu pelo menos não dei :-(

Juju disse...

Impressionantemente delicado, incrivelmente excitante, maravilhosamente amoroso, exuberantemente raro e capaz de dar na gente uma pontinha de inveja boa, não dela mas da coisa toda. Me comovi também. Parabéns pra vocês dois. Ah Edu eu vou por também um link no meu blog assim que começar a escrever coisa que prometo a mim mesmo há muito tempo. Acho que vou abrir com ele já que pretendo falar muito de amor por lá.

Lucia disse...

UAU!!!
Só uma vez li uma coisa tão bonita assim!
Foi um cara que conheço e admiro muito, renomado fotografo na decada de 70.
E curiosamente, o tema da semana era postar uma foto do seu bar preferido.
Ele postou a foto da ex-mulher, com um texto de arrancar suspiros, assim como o seu...
Vou procurar nos meus alfarrabios, se encontrar coloco o link aqui.

Casal de sorte, vocês!
E que assim continue!

Adriana Ninô disse...

UAU UAU UAU! :-) Concordo com cada uma que comentou. Texto belíssimo. Super emocionante e tocante. Se você teve vontade de dar pulos (risos) eu tive vontade é de ter alguém que me queira desse jeito! UAU! UAU! UAU!

CRis disse...

Edu,
li o livro, devorei em uma tarde, chorei de rir e tenho história para contar (as suas, é claro) para muitos botecos. Agora essa da Dani, tenhgo que confessar, pintopu uma inveja braba. Uma admiração por esse lance de vcs, tabm!
valeu por todas essas emoções!
salve!

Szegeri disse...

Isso aqui tá uma babação de ovo que me dá engulhos. Pelamordedeus... "Ai que lindo", "me acabei de chorar", "como escreve bem", "por que eu não tenho um amor assim?". Que nojo. Bem disse a Stê que em outros tempos esses comentários iriam todos parar num site que eu conheci, o tal Cartas Idiotas.
Sabe por que só mulher comentou? Tudo um bando de invejosas, mal amadas. Salve a Dani Sorriso Maracanã, que não se presta a esses papelões. A sorte de vocês todas é que meu irmãozinho parece que não é o mesmo de outros tempos se não já tinha mandado vocês todas pra casa do caralho! E se não manda ele, mando eu.

Betinha disse...

Hahahaha! Belo comentário, Szegeri! Essa unanimidade realmente enche o saco. Precisava mesmo de um homem para movimentar o buteco.
Saudade!
Beijos!

Roberta Cunha Valente disse...

Hummm, tô bege! Não sei o que me choca mais, se toda essa melação ou se a crise de ciúme do Fer ;-)