6.2.06

A RABADA DE DOMINGO




"É comum a gente sonhar, eu sei,
quando vem o entardecer.
Pois eu também dei de sonhar
um sonho lindo de morrer."

(Toquinho - Vinicius)



Foi com essa vista, escancarada, que aconteceu a rabada que desde quinta-feira descansava na vinha d´alhos, no Alto da Boa Vista, na casa de papai e mamãe (e é preciso dizer que quem tem um pai, uma mãe, como Isaac & Mariazinha, não tem do que reclamar). O domingo prometia e às oito da manhã estava eu, de pé, já na feira, para comprar agrião, alho, cebola, coentro, manjericão e tomate. Tomei o rumo da casa de meus pais e contei com o auxílio luxuoso da Marina, que trabalha lá e deu expediente extra ontem, e de mamãe.

Papai recebeu-me com um abraço de tamanduá (estava feliz como pinto no lixo) e mostrou-me, orgulhosíssimo, a mesa que havia preparado com as bebidas, avisado que foi do potencial dos convidados.

Um portento. Uísque à vontade, rum, gim, cachaça, vodka, limões e todos os apetrechos possíveis e imaginários para que a calibragem de todos fosse garantida durante todo o tempo.

Saquem só o capricho!

Eu disse que o papai recebeu-me com um abraço de tamanduá mas mamãe não fez por menos. Estava visivelmente feliz com o furdunço e topou, no ato, quando propus que fossem buscar, às onze, a Sônia, que a Sônia ama os movimentos pré-almoço, a preparação de tudo, os cheiros, fica ali preparando suas caipirinhas e é um papo indispensável.

Quando Sônia chegou não decepcionou.

Abriu a bolsa de onde sacou um rocambole de chocolate, limões e muita lima-da-pérsia, e começou a bebericar (não parou mais).

(Sônia, Isaac e Mariazinha)

Eis o trio, e notem o tamanho do copo das duas!

Foram chegando, pela ordem, Vidal e Gláucia (que chegaram trazendo a Tijuca em estado bruto dentro de uma bolsinha térmica).

- O que é isso? - eu perguntei.

- O que sobrou de uma festinha lá em casa ontem à noite - disse a Gláucia sorrindo e exibindo azeitonas, pãezinhos, biscoitos, patês, pastinhas, um troço.

Depois chegaram Fefê e Brinco, Yayá e Zé Colméia (o Zé Colméia, quase dois metros e calçando 50, chegou suando de maneira olímpica bebendo uma casco escuro no gargalo!).

Dani e Maria Paula. Dalton e Manguaça. E estava completo o time.

Bebeu-se como nunca dantes. E eis o ápice da tarde.

Vidal pede silêncio em determinado momento.

Ergue o copo e anuncia, como um Dom Pedro na sacada do Paço Imperial:

- Queridos... (mareja os olhos)... eu e Gláucia vamos ter um filho!

Pronto. Instalou-se o caos emocional na casa.

Dalton chorou, eu chorei, Vidal chorou (acho que de pena de mim, tanto que eu o beijava), e lá fomos os três bater o telefone pro Szegeri a fim de dar a notícia ao meu irmão paulista.

Fiz mais, fiz mais!

Liguei emocionado pro Valmir, pai da Lenda, e o convoquei, às pressas, pra beber conosco. E foram ao nosso encontro os avós, Valmir e Heloísa (a certa altura tive pena dos dois, que chegaram sóbrios naquele bunker de bêbados).

A rabada foi quase-esquecida diante da alegria de todos. Eu disse "quase". Porque quando mamãe gritou "a rabada está servida" houve o ataque bárbaro. Arroz, rabada e polenta evaporaram em poucos minutos.

E ficamos ali, até umas dez da noite, bebendo e brindando à vida, ao encontro, à amizade, à saúde do bebê que está por vir, e confesso a vocês que ainda agora estou comovidíssimo com a notícia. Não é sempre que se tem um irmão esperando um filho.

Ergo o copo aos dois, Vidal e Gláucia, ela a mulher que efetivamente faz meu irmão, a Lenda, feliz ao extremo.

Mais fotos da rabada você pode ver aqui!

Até.


9 comentários:

Seu pai ! disse...

E não foi ainda dessa vez que voces me viram bebado.........

Dalton Cunha disse...

O que??? Isaac não tava bêbado?? O patriarca dos Goldenberg foi gigante tanto na recepção aos convidados quanto na quantidade colossal de álcool consumida.Tanto que nem viu a razia que fiz em sua despensa. Isaac, tem 05 garrafas de Red Label aqui em casa!!

Szegeri disse...

Pôde-se ontem dizer, como nunca: é assim que nascem as Lendas! Filho da Lenda, Lendinha é! Um grande beijo a ele e à Gláucia!

Roberta Cunha Valente disse...

Que furdunço, hein? Delícia! A melhor foto é aquela sua, a que vc não se lembra, ahahahahahhaha.
Mande muitos beijos de parabéns pra Lenda e pra Gláucia.

∫nês disse...

Que local lindo e que animação. Parabéns aos furtuos pais e obrigada por nos envolveres, leitores, no quentinho desses momentos vossos.
Aproveito também para agradecer o teres abraçado o "Casaco Amarelo" :)

Beijos.

Marcelo disse...

E o rapaz aqui, que anda louco pra comer uma rabada com agrião, vendo tudo isso e morrendo de inveja! Dia desses perambulei por uns bares de Botafogo atrás de uma dessas. Até consegui, mas tava na hora da xepa total. Agora, tô com uma incômoda hepatite. Ou seja, carnaval de bico seco e rabada só lá pro mês de maio...

Szegeri disse...

Inês, Marcelo, um grande abraço pra vocês! Que hoje não é terça, eu não tou de azul escuro e acordei de ótimo humor! Tá bom assim, Eduzinho?

Lu Guerreira disse...

Não consegui ver as fotos, aqui na roça é tudo mais difícil... Imagino como deve ter sido bom e como devem estar felizes Vidal e Glaucia, Beijos e Parabéns!!!

Flávio disse...

O Dalton inventou uma nova forma de gentileza, surrupiar garrafas de uísque na casa do anfitrião para prolongar o porre em outro dia. Parabéns, meu tijucano confrade.