17.3.06

PÉ-SUJO FASHION?

"No tempo que Don Don jogava no Andaraí
Nossa vida era mais simples de viver
Não tinha tanto miserê,
nem tinha tanto tititi
No tempo que Don Don jogava no Andaraí..."

(Nei Lopes)

Depois dizem que eu sou radical quando digo com todas as letras que não piso num lixo como o Belmonte, gerido não por um dono de bar, mas por um investidor que joga contra uma das mais bonitas instituições cariocas, que é o buteco. Assim é o Belmonte, assim é o Informal, assim é o Manoel & Joaquim, dentre outros, e vejam que verdadeiro lixo a nota de hoje n´O Globo.

Até.

8 comentários:

Augusto Diniz disse...

Isso tá foda. Aqui na Vila Madalena essa praga continua se alastrando. O bonito é que a Mercearia São Pedro, o autêntico boteco localizado no mesmo bairro, continua com a casa cheia, todos os dias. Prossegue imune aos modismos.

Zé Sergio disse...

Pé-sujo fashion é a puta que pariu esse cidadão. Acho que o que ele quer é dar o rabo e não sabe ainda como fazer isso, daí inventou essa história de pé-sujo fêichion, o bosta!

Cesar Nascimento disse...

Edu e tão revoltante quanto isso de "pé-sujo-fashion" é a chamada para o "dono da rede de botecos Belmonte". REDE DE BOTECOS? Não te soa mal?

Roberto Romualdo disse...

Grande Edu, tinha que ser no Leblon não? Bairrinho fresco cheio de gente fresca (pra não dizer pior). Zé Sérgio, eu acho que concordamos pela primeira vez. Pra PQP esse dono de Belmonte!

Szegeri disse...

Não é esse que tem "um pastelzinho de carne..."???

Eduardo Goldenberg disse...

GUGU: haverá, sempre, os que resistem. E neles é que vamos beber, que nem o "seu" Osório (falarei dele mais à frente).

ZÉ SERGIO, MINHA DINDA: isso! isso! isso! Agora tu faz o seguinte... Vai na matriz do Belmonte (da Praia do Flamengo), onde havia um senhor buteco destruído por esse tal de Antônio Rodrigues, e grita isso lá no meio do salão. E avisa antes que eu vou fazer côro.

CESAR E ROBERTO: é um nojo mesmo, e a gente tem mais é que bater, bater, bater, enquanto bebemos num pé-sujo autêntico.

SZEGERI: é, sim, no Belmonte, onde tem pastel de carne, pastel de camarão, pastel de carne seca... Mas não tem gente feito "seu" Osório, como escreveu o Rodrigo Ferrari na resenha do JB, lembra?

Disse ele: "Mas é forçoso dizer que, embora determinados personagens sejam universais, têm mais facilidade de se criar nesse ambiente. Por exemplo: vai procurar o ''seu'' Osório no Belmonte. Não vai achar..."

O que se acha no Belmonte, então? E o que se achará nesse pé-sujo fashion? Hein?

Zé Sergio disse...

Edu, tenho uma idéia melhor. Vamos ao Belmonte juntos e, lá pelas tantas, tu entra no WC, volta minutos depois com o produto final ensacado e faz que nem tu fazia no tempo de guri, só que em vez de avisar dona Mariazinha, tu se dirige a mim; "Zé Sergio, acabei!!!". Aí joga o saco no ventilador mais próximo. Dali seguimos pro Jobi.

Marcão disse...

Zé Sérgio,

só se ele voltar a fumar, senão não haverá produto a ser jogado no ventilador