28.6.06

BRASIL 3 X 0 GANA

"E não me venham com o papo de que agora-contra-Gana-é-que-são-elas que a seleção de Gana é inocente demais, bobinha demais, para que tenhamos essas cerimônias todas."

Foi o que escrevi aqui depois da vitória sobre o Japão. A despeito do meu pesadelo africano, confessado ontem, eu não tinha mesmo qualquer dúvida quanto ao êxito da seleção brasileira contra os ganenses. Nem a conservadora escalação do Parreira foi capaz de impedir a mais larga vitória nas oitavas de final dessa Copa do Mundo. Os demais sete países (Alemanha, Argentina, Itália, Ucrânia, Inglaterra, Portugal e França) passaram para a fase seguinte num sufoco que desconhecemos. Levíssimo pigarro e vamos em frente.

camisa do Vidal

Às dez da manhã estava eu no Estephanio´s. Tive o prazer - nada como ter amigos que comungam dos mesmos credos - de dar de cara com Dalton, Flavinho e duas tulipas de chope. Timidamente tomei meu café da manhã (pão com mortadela e um refrigerante) e em questão de minutos eram três as tulipas sobre a mesa. Anotem o exército que foi chegando: Vidal, Fefê, Isaac, Miguel, Maria Paula, Guerreira, Kaká, Zé Colméia, Duda, minha Sorriso Maracanã, Brinco, Yasmim, Mariazinha, Índio, Mauro, Manguaça, Sônia, Fernanda, Ruivinha, Itamar, Alex Justo, Paulo Brasa Denizot, e muito mais gente que nos três primeiro jogos, o que só prova o quanto aquele furdunço, naquela esquina, dá certo.

Três gols por acaso. Três amigos. Foi essa a cara que o final do jogo passou a ter. A celebração do amor que une três homens, três amigos, três irmãos, e quando um quarto entrou em campo um dos três saiu de campo quase que apenas - o acaso - para que se mantivesse o número três a reger o dia. Quando três por acaso amigos se encontram... Vou explicar e vai tudo fazer sentido.

eu e Dalton no Estephanio´s, foto de Paulo Barbosa

Final do jogo e o Dalton cochicha:

- Vamos almoçar no Adonis. Só nós.

Foi no Adonis, há exatos quatro anos, que nasceu a idéia da Confraria S.E.M.P.R.E.. Lá estávamos eu, Vidal e Dalton, em 2002, bebendo numa das mesas daquele bar, também numa esquina, quando o gerente apresentou-se:

- Quero dar os parabéns a vocês. Há muito tempo não vejo uma mesa beber tanto sem perder a categoria. - e nos estendeu uma gravura, até hoje comigo, contendo uma caricatura nossa feita por um artista seu amigo.

Nasceu a idéia.

Daí tomamos o rumo do Adonis, eu, Dalton, Vidal e Dani. A idéia era que a Confraria fosse lá celebrar a data, mas o Fefê precisava ficar no Estephanio´s trabalhando, o Szegeri estava em São Paulo, o Flavinho na casa do Celso e o Márcio Branco na Alemanha. Vidal ainda sem a Gláucia (trabalhando), Dalton sozinho e fomos os quatro então. Mas éramos três, os amigos. Eis o mistério da fé. Seguindo.

No Adonis, mais um capítulo para as lendas que cercam a Confraria.

Estava lá, vazia, no mesmo lugar, a mesmíssima mesa de 2002. Sentamos. E tome brinde. E tome chope, e o chope do Adonis é um dos melhores - na opinião do Fefê é o melhor - do Rio. E tome bolinho de bacalhau. E almoçamos, e brindamos de novo, e choramos por dentro (garanto), e foi tão bonito estar com a minha garota ali, naquele lugar que tornou-se - guardem as proporções, cáspite! - sagrado para nós que dentro de mim o dia era ainda mais bonito.

Vidal, eu e Dalton no Adonis

Tínhamos que ser breves. Havia, ainda, França e Espanha. Voltamos ao Estephanio´s. Encontramos a mesma festa com um pouco mais de porre no ar. Chegou a Gláucia e meu irmão Vidal foi um homem feliz. E tome jogo. E tome gol da França. E desenhava-se o que de fato desenhado está: teremos, no sábado, Brasil e França pelas quartas-de-final. Como diz aquele locutor imbecil da TV Globo, haja coração.

Dalton, eu e Vidal no Estephanio´s, foto de Paulo Barbosa

Daí bateu a fome mais uma vez.

- Vamos ao Huan Lian? - disse a Dani.

Rearrumamos a mesa imaginária, o Dalton não quis ir e fomos os seis, eu e Dani, Vidal e Gláucia, Fefê e Brinco, em direção ao escondidíssimo mas fabuloso restaurante chinês comandado pelo Lin, numa ruela da minha mais-que-amada Tijuca.

Éramos, de novo, três.

Quando partimos os seis, como sardinhas dentro do carro do Vidal, decidimos eu e Dani ficar no Rio-Brasília pra uma saideira.

Foi, de longe, o mais bonito momento do dia.

Beber ali, de pé no balcão, eu e minha garota - mais linda que nunca - foi de um prazer inexprimível.

Todas as fotos do quarto jogo do Brasil, no Estephanio´s, estão aqui.

Até.

6 comentários:

Cesar Nascimento disse...

Brasil-sil-sil-sil!

Então você, o Vidal, o Dalton e o Fefê são o quadrado mágico da Copa do Mundo no Brasil!

:-)

Abraços.

Roberto Romualdo disse...

Edu lembre-se apenas que o Brasil venceu de 3 a zero mas não convenceu. O placar não reflete o sufoco que sofremos. Tanto que o Dida foi o melhor em campo na minha opinião ao lado do Zé Roberto. Quem diria! E que venham os franceses!

Ana Maria disse...

Como sempre romântico, né?

seu pai disse...

Eu e Mariazinha agradecemos o convite para ir ao Adonis e depois ao chinês; bem que depois de certo tempo do jogo terminado não vimos mais ninguém além do Fê e da Brinco no Estephanio´s; mas não tem nada não!!! Fica registrado o nosso agradecimento pelo convite.

aliki disse...

Tá um pouco longuinho e eu sem poder traduzir, mas vale a pena ler a piadinha que os proprios francêses andam espalhando nas bocas:
C'est juste avant le match Brésil-France. Ronaldinho arrive dans le
vestiaire et trouve tous les brésiliens en train de tirer la gueule.

"Qu'est-ce qui se passe ? " Il leur demande.

"Ben, on a de la peine à être motivé pour ce match. On sait que c'est
important, mais c'est seulement la France, ils sont vraiment trop nuls et on
a pas du tout envie de jouer contre des gens qui jouent avec le col en haut"

Ronaldinho les regarde et leur dit "OK, je suppose que je peux les battre
seul, ne vous inquiétez pas allez boire tranquillement une bibine au pub
pendant ce temps"

Ronaldinho sort donc seul affronter Zizou et ses cocoricos pendant que les
brésiliens vont se "désalterer" au pub.

Après quelques bières, ils se demandent quel peut bien être le score du
match et ils demandent au patron de leur mettre le TéléText. Un grand cri de
joie de tous les joueurs en voyant l'écran

"Brésil 1 - France 0 (Ronaldinho 10' minutes)".
Il bat les gaulois tout seul !

Plusieurs tournées plus tard, le match est oublié jusqu'à ce qu'un joueur le
rappele aux autres "Ca doit être fini maintenant, allons voir ce que fait
Roni"

Ils rallument la télé.

"Resultats final du match 'Brésil 1 (Ronaldinho 10' minutes) - France
1(Henry 89' minutes)."

Ils n'en croient pas leurs yeux. Cet enfoiré a réussi à faire match nul tout
seul. Quel talent.

Ils retournent au stade féliciter Ronaldinho. Ils le trouvent dans le
vestiaire, toujours pas douché, en train de se tenir les mains entre sa
tête.

Il refuse de se relever "je vous ai abandonné..., je vous ai laché ...."

"Arrête tes conneries. T'as réussi un match nul tout seul.

Et ils ont marqué seulement à la toute dernière minute!"

"Non, non, je vous ai abondonné ...

J'ai été expulsé après 12 minutes" !!!

Szegeri disse...

Ai, ai... Logo de manhã, e segue firme o clássico "Caçadores do pincel perdido". E tem piada em francês, também. Depois neguinho acha que é mole parar de beber. Ainda bem que já tomei uma lapada no bar anterior.

Vamos lá, Eduzinho. Concordo:

1) O locutor da Globo é realmente um imbecil, pelo que me lembro da última vez que parei para escutá-lo.
2) A tua garota tá cada dia mais linda, mesmo.
3) (com o Fefê) O chope do Adonis é o melhor do Rio.
4) Sobramos contra Gana como nenhuma outra seleção das oitavas, a despeito dos detratores de plantão, inimigos do povo brasileiro.

Discordo:

1) Gol por acaso é o caralho! Vai lá dentro vestir a amarelinha. Vai sentir o peso do estádio torcendo em massa contra o Brasil. Vai encarar uma imprensa vendida que faz TUDO para desestabilizar o time (se ganhar é: parabéns, NOSSA bela vitória; se perder: bem que avisamos que tava tudo errado!). Os caras foram lá, jogaram futebol e meteram três nas OITAVAS DE FINAL DA COPA DO MUNDO, e não num Olaria x Bonsucesso amistoso!

Ô, Romualdo, sabe por que o Brasil não convenceu? Porque não vai convencer NUNCA os que insistem em levar adiante a nossa prostração e complexo de inferioridade históricos, apesar de 50 anos de terapias rodrigueanas. Pode enfiar 8 a 0 na final contra a Argentina, que vão dizer: é claro, a Argentina estava muito mais desgastada pela chave que enfrentou... Não há solução, não há argumento que convença essa gente. O que eles (ou vocês, como preferir) querem é xouzinho com o time todo pra frente, mesmo classificado com o empate de 2 x 2, passezinho de trivela cruzando a área pra debochar da grossura dos cintura-dura. Porque aí sempre haverá um Paolo Rossi pra confirmar o que vocês (ou eles) teimam em determinar seja a sina do Brasil: a derrota.

Mas não desta vez. O povo brasileiro vai pras ruas comemorar o HEXA. Ou chorará a derrota - que faz parte, afinal! -, enquanto os leitorezinhos da Folha de S. Paulo ou d'O Globo vão fazer as suas devidas interpretações sócio-psicológicas, entre um e outro scotch.