21.7.06

INACEITÁVEL

Quem lê o Buteco (cada vez mais gente, ainda bem), quem acompanha o que se passa aqui, sabe que eu há meses agarrei com unhas e dentes a defesa da causa do buteco pé-sujo, duas dentre as minhas paixões: defender aquilo em que acredito e o buteco, a mais carioca das instituições.

Quem lê o Buteco, quem acompanha a seção BARBARIDADES DO JOTA (links na coluna à direita do blog), sabe que a coluna cujo nome eu não repito exalta, freqüente e sistematicamente, o que há de pior em matéria de buteco (até porque não são butecos as merdas que a coluneta anuncia, e "anuncia" é de propósito, "anuncia" é cabível e "anuncia" é perfeito para o caso).

Mas hoje, meus poucos mas fiéis leitores, hoje essa coluneta (comandada por outro Jota, que o Jota mesmo está de férias) ultrapassou os limites do tolerável, como se isso fosse possível.

nota publicada no jornal O GLOBO de 21 de julho de 2006

(eu estou REALMENTE revoltado)

Notem o título da bosta da nota: "BOTECO CHIQUE".

Alguém precisa dizer a esses vendilhões dos templos ("Buteco é templo", escreveu um dia Aldir Blanc) o que é um BOTEQUIM, um BOTECO, uma BIROSCA. Como estou sem paciência, recorro ao Houaiss:

"botequim. estabelecimento comercial popular onde servem bebidas, lanches, tira-gostos e eventualmente alguns pratos simples; bar; boteco

boteco. pequena venda tosca onde servem bebidas, algum tira-gosto, fumo, cigarros, balas, alguns artigos de primeira necessidade etc. ger. situada na periferia das cidades ou à beira de estradas; birosca

birosca. pequena venda, de instalações simples, ger. estabelecida num bairro pobre ou numa favela e que é misto de mercearia e bar; bar ou botequim simples, sujo ou de mau aspecto; boteco"


Então, vendilhões dos templos, então, Jota e seus seguidores, parem com essa babaquice imunda e destrutiva! O Sr. Rogério Fasano, dono do restaurante mais caro da cidade do Rio de Janeiro, que vai abrir "uma espécie de night club sem pista de dança" chamado Londra (tudo como consta da nota imunda) no térreo do hotel de Phillipe Starck, na Avenida Vieira Souto, em Ipanema, NÃO VAI ABRIR BOTECO PORRA NENHUMA.

Pausa: nem seis mãos (Jan Theophilo, Cleo Guimarães e Melina Dalboni*) conseguiram escrever o nome de Philippe Starck corretamente. A grafia correta do nome é com dois "p" de putos e não com dois "l" de lacaios. Pigarros e em frente.

Esse lixo que "terá paredes em tijolos negros e uma enorme bandeira da Inglaterra, pintada com as cores da Itália", NUNCA SERÁ UM BUTECO (agora com "u", como deve ser).

Eu peço, de pé no banquinho de madeira diante do balcão imaginário do Buteco, ao lado de um monstro sagrado dos butecos cariocas, o seu Osório, que meus parceiros sentem a porrada nos comentários a mais essa nota imunda publicada na não menos imunda coluna de O GLOBO. Não querem comentar aqui? Escrevam, então, para os vendilhões dos templos, por aqui.

Mas não fiquem quietos, porra!

Estão matando, aos poucos, o buteco pé-sujo.

Por essas e outras eu tenho cada vez mais ojeriza ao lado de lá do túnel. Semana que vem me debruço sobre o tema.

Até.

* segundo informações obtidas no rodapé da coluna, os três jornalistas que a escrevem durante as férias do Jota.

3 comentários:

Roberto Romualdo disse...

Putz! Duas notas na mesma semana. Revoltante mesmo.

Elizete disse...

Edu.. O Fábio sempre comentava dos butecos do RJ, tenho acompanhado as "Barbaridades do Jota" e já estou detestando este cara..!!
Abraços..

Marcão disse...

Tijolos negros??? Bandeira da Inglaterra??? Cores da Itália??? Na Bandeira da Inglaterra??? Agora, realmente, todos os limites foram ultrapassados. Fazia alguns anos que eu não lia tamanha merda. Isso é de uma babaquice sem limite. Isso não é buteco, é hospício (peço desculpas aos loucos).

Como diria Plinio Marcos, quem vai num lugar desses fica naturalmente agressivo, porque sabe que tem que se defender de uma bosta dessas aí. Ou seja, isso é um antro de masoquistas. Estava me divertindo com a campanha do Edu, mas essa nota...