19.7.06

JOTA DE FÉRIAS, MANTIDA A FÉRIA

Aqui mesmo no Buteco, no dia 14 de julho desse ano, eu avisei que o Jota estava de férias. O que não significa - isso eu não sabia - que a féria da coluneta foi cortada. Vejamos.

Eu digo "vejamos" e confesso que me impressiono com a coisa. E antes de dizer por que me impressiono vou lhes contar um troço rápido.

Indignado desde o dia em que descobri o asqueroso plágio da ACR (leia essa vergonha aqui), indignado semana após semana com o nível pífio dos jornalistas (na mais baixa caixa que o blog permite, para não ofender os verdadeiros jornalistas) que escrevem n´O GLOBO, decidi escrever um email para os Editores-Chefes do jornal, mais especificamente para Rodolfo Fernandes, Luiz Antônio Novaes, Ascânio Seleme e Orivaldo Perin, apontando o escandaloso plágio e anunciando meu eventual e iminente pedido de cancelamento de assinatura por não compactuar com a nojeira que é - não exagero - o plágio. Alguma resposta? Alguma espécie de retratação? Um mísero e tímido pedido de desculpas? Evidentemente que não. Vejam, por aí, como andam as redações. Dito isto, vamos em frente. Vou, na verdade, trazer mais uma prova evidente de que, além do salário, o pessoal que escreve ali (pelo que li, a coluneta de hoje foi escrita a seis mãos, e eu não sujo nem a boca nem os dedos digitando o nome da mesma) recebe um agrado dos empresários que faturam horrores construindo mentira em cima de mentira.

nota publicada no jornal O GLOBO de 19 de julho de 2006

Notem bem. Vamos aos fatos que devem ser destacados para que essa exegese (como disse outro dia, salvo engano, o leitor Roberto Romualdo, a quem agradeço desde já o elogio) faça cada vez mais sentido.

Em primeiro lugar: a nota dá destaque a uma loja de "hot dog gourmet" (pausa para vomitar) sem sequer citar seu nome, isso porque os empresários ali citados (curiosamente ex-sócios do Botequim Informal, um bar de merda, uma mentira olímpica que infesta a cidade) não tiveram ainda uma idéia brilhante para batizar o negócio. Mas mesmo sem ter nome, já é notícia. Vão me dizer que isso não é estranhíssimo e suspeito? Mas vamos seguindo. Antes de seguir quero fazer o registro das expressões nojentas que já emergiram dessa coluneta:

- pé-sujo fashion
- pé-sujo grifado
- Cordon Bleu da baixa-gastronomia

E a elas soma-se, agora:

- hot-dog gourmet

Vou explicar resumidamente o que deve ser um "hot dog gourmet". Num cachorro-quente aqui na Tijuca paga-se entre R$1,00 e R$3,00. Os podrões, então, os meus favoritos, costumam custar R$2,00 com direito a um refrigerante, ideal para as madrugadas. Pois bem. Um "hot dog gourmet" dessa loja-ainda-sem-nome dos ex-sócios do Botequim Informal deverá custar de R$10,00 para cima. E neguinho vai lamber os beiços soltando "ohs" e "ahs" por lá. Esperem. Mas, voltando.

Em segundo lugar: vou fazer a pergunta de praxe (e não pensem, vocês de fora do Rio, que não reconhecem os nomes das ruas, que é sacanagem minha):

Onde vai ficar a "primeira loja de hot dog gourmet da cidade"?

No Leblon!!!!!

Penso que por hoje está bom. Há apenas quatro meses eu marco a coluneta do Jota em cima. Com esse atentado de hoje, já são TREZE as citações suspeitas.

E faz-se silêncio nas redações.

Até.

2 comentários:

Roberto Romualdo disse...

Eu é que te agradeço Edu. E continua sentando o pau nesses caras. Quanto mais você fala mais ridículos eles ficam.

Anônimo disse...

BERLIM É AQUI? NO LEBLON? PUTA, OS CARAS ALÉM DE MAL INTENCIONADOS ESCREVENDO BESTEIRA EM TROCA DE DINHEIRO ESTÃO MALUCOS DE COMPARAR LEBLON COM BERLIM SÓ POR CAUSA DE NÃO SEI QUANTOS TIPOS DIFERENTES DE SALSICHA. SALSICHA NO RABO DELES TODOS ISSO SIM! AHUAHUAHUAHUAHU!