12.7.06

O OLHAR NATIVO, AGORA SIM

Hoje eu vou contar o que lhes contaria ontem, não tivesse eu desviado no meio do caminho e tropeçado nesse engodo que é a Brasserie Rosário. Brevíssima pausa: ao escrever engodo senti agudíssima saudade do eterno Leonel de Moura Brizola, fazendo tanta falta ao país neste ano de eleições.

Mas vamos lá.

Não.

Antes quero chamar a atenção de vocês para dois pequenos fenômenos interessantes, ambos acontecendo no balcão do Buteco. O primeiro passa-se aqui, onde se discute a origem da palavra "queijo" para definir a plataforma, geralmente de madeira, onde ficam os destaques de uma escola de samba e as putas nos cabarés-não-família, para aproveitar uma expressão imunda citada na coluna igualmente imunda do Jota (que está de férias). O segundo passa-se aqui, onde a discussão tem ares quase que sagrados. Quase que discute-se o pão e o vinho. Quase. A discussão é sobre o pão e o chope, e estão todos convidados a dar palpites para tornar o balcão ainda mais tumultuado, instante ápice de qualquer buteco que se preza.

Mas então vamos lá.

Eu fui ao centro da cidade para comprar os pães na Brasserie Rosário, atendendo sugestão da Betinha, na manhã de um sábado, e lá cheguei às 9 horas. Dei de cara com um funcionário pernóstico (envenenado pelos proprietários da padaria) varrendo a calçada que me disse:

- A Brasserie Rosário abre apenas às 10 horas, senhor, com os melhores pães da cidade do Rio de Janeiro e será um prazer recebê-lo para que...

Dei as costas e segui em frente.

Eu tinha uma hora para andar, à toa, pelo Centro. É preciso lembrar que eu havia chegado há pouquíssimo de Portugal, onde andei quilômetros, embevecido com tudo o que vi. Daí pensei o que todos pensam n´alguma altura mas raramente põem em prática: é preciso ter, na nossa própria cidade, o olhar nativo que nos permitirá saber o que ver e ao mesmo tempo o olhar do imigrante, curioso, sem pressa, atento aos detalhes que nos escapam na correria do dia-a-dia. É preciso reduzir à metade a velocidade dos passos, é preciso olhar mais pra cima, é preciso estar atento a tudo, aos movimentos, à luz, às sombras, e eu tinha, ali, uma hora para tanto. E que manhã de sábado, e que manhã de sábado!

Centro do Rio, Rua do Rosário

Saí dali, daquele canto da Rua do Rosário, e tomei a direção da Rua do Ouvidor e, surpresa!, dei de cara com o Rodrigo Ferrari, que escreveu essa resenha sobre meu livro (nunca é demais uma propaganda) e que estava abrindo a Folha Seca, livraria que comanda com tremendo carinho. Nova pausa para mais uma propaganda: a Folha Seca é, de longe, a mais carioca das livrarias da cidade e, seguramente, a que tem o melhor acervo nas matérias que são a essência da minha mui amada cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Fica na Rua do Ouvidor 37, telefone 2507-7175 (nunca é demais uma propaganda). Papo rápido e segui caminho.

Tomei o caminho da Praça XV, atravessando o Arco do Teles, e tomei o rumo da feirinha de antigüidades que acontece ali, todos os sábados, debaixo do viaduto, bem em frente ao Paço Imperial.

Igreja da Ordem Terceira do Monte do Carmo, na Rua Primeiro de Março, centro do Rio de Janeiro
Paço Imperial

Munido da câmera (é impressionante como andar com uma nos faz mais atentos a tudo em volta) fui, como um turista (eis o agá da questão!), fazendo fotografias e me emocionando, de verdade, com o tanto de história que escorria diante de mim.

Percorri as barraquinhas da feira, sentei-me depois diante do Paço Imperial e fiz a indispensável viagem no tempo que monumentos históricos geralmente nos impõem, numa das mais doces imposições.

centro do Rio de Janeiro, Rua do Ouvidor
casario no Arco do Teles
Igreja de Nossa Senhora do Carmo

Uma hora depois, embevecido e comovido, amando ainda mais - como se possível fosse - a minha cidade, fui à tal padaria, a Brasserie Rosário.

Ansioso pelo pão, sofrendo a nostalgia do pão, como lhes contei ontem, deparei-me com uma grande mentira. A Brasserie Rosário não vale uma migalha.

Mas o Centro do Rio vale. E muito.

Até.

14 comentários:

Marcelo disse...

A parada na FOlha Seca para um "plá" com o Rodrigo é obrigatória quando a gente está flanando pela região. Aquela é uma das áreas mais belas do Centro mesmo. Outro lugar que me remete ao passado é o Morro da Conceição...

Cesar Nascimento disse...

Nossa Edu, que você escreve e pinta horrores eu já sabia mas que você também fotografa absurdamente bem é uma novidade. Quer dizer, nem é tanto porque as fotos que você sempre posta são muito lindas, só que essas do centro da cidade do Rio de Janeiro ainda mais com um discurso tão apaixonado como pano de fundo estão o máximo dos máximos. Sabia que tenho todo o Buteco impresso? Você escreve melhor a cada dia que passa. Não sei como ainda não te contrataram para crônicas diárias em jornais. Seria sem dúvida a delícia do dia. Parabéns e um abraço.

∫nês disse...

Impressionanate como, quando se julgava que já nada mais poderia tornar a Cidade Maravilhosa ainda mais Maravilhosa, o Rio consegue semrpe ser mais e mais Bonito.

Beijo e Saudade!

Ana Maria disse...

Querido Edu: o Centro mostrado por suas lentes, sensíveis como a sua alma, é é m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o.

Anônimo disse...

Edu, parabéns! Eu como um legítimo "Barra Fundense", que adoro as coisas antigas, também fiquei emocionado com o texto e as fotos. Ah, e não são somente os cariocas que reclamam do pão de sua terra. Os mineiros, goianos, paranaenses tbm reclamam dos seus... Bem, a um tempo atrás já cheguei a conclusão que o que há de melhor mesmo em Sampa é o pão! Quanto ao chope, o que o Szegeri disser também assino embaixo. De olhos fechados!!!!

Abração!
Arthur Tirone (Favela)

Anônimo disse...

O RIO DE JANEIRO CONTINUA LINDO
O RIO DE JANEIRO CONTINUA SENDO
O RIO DE JANEIRO FEVEREIRO E MARÇO
ALÔ ALÔ REALENGO
AQUELE ABRAÇO
ALÔ TORCIDA DO FLAMENGO
AQUELE ABRAÇO
BUTECO DO EDU TÁ MAIS MARAVILHOSO
O EDU TÁ ESCREVENDO A CADA DIA MAIS GOSTOSO
E A GENTE DELIRANDO LENDO ESSE BUTECO
ALÔ ALÔ EDUZINHO
AQUELE ABRAÇO

SEMÍRAMIS

Szegeri disse...

Eduzinho, acabaram as férias do teu pincel, cumpadre. Eles voltaram... Até desanima a gente de escrever algo que preste.

Favela, obrigado pelo "cheque em branco". A responsa é grande... Qualquer dia desses a gente faz um tur.

Szegeri disse...

Agora até dá gosto da gente escrever algo que preste:

"Deus desenhou meu coração
De um jeito igualzinho
Ao velho Centro do Rio
São tantos pontos de luz
Em direção à procissão
Da festa da Candelária..."

Êeeeita ferro...

Flávio disse...

Sem ciúmes: esse namoro de vocês está lindo.

Betinha disse...

Ana Maria e Semíramis não sabem o perigo que estão correndo... Hahaha!!!

Eduardo Goldenberg disse...

Marcelo: isso é um fato. Passar ali no finalzinho da Ouvidor, trocar uma idéia com o Rodrigo, e de preferência com um chope ao alcance da mão no português ali da esquina, é sempre muito bom.

Inês, querida: o Rio é, de verdade, uma surpresa a cada esquina, a cada rua, a cada instante.

Ana Maria: obrigado, mas é exagero seu.

Favela, meu caro, que bom que você se comoveu, meu velho. Faço de público a promessa e o convite: arme uma vinda ao Rio. Faço QUESTÃO de rodar o Centro da cidade contigo parando nos grandes bares, cheios de história, pra que tenhamos um dia daqueles. Aguardo notícias suas!

Semíramis: menos, querida, menos. Salvo engano meu é seu primeiro comentário. Começou mal. Perdoe a franqueza.

Pompinha: ignoremos os que merecem desprezo, Pompa! Beijo, querido.

Eduardo Goldenberg disse...

Szegeri, mano velho: foi a emoção, seguramente, que te fez esquecer de dizer que essa obra-prima aí é letra do Aldir Blanc pra música do Moacyr Luz, certo?

Flávio: o Pompa vai te responder.

Rodrigo disse...

Mais um pouco de Aldir, desta vez com João Bosco.(Da África à Sapucaí)

"...Já dancei
Lá da Praça Onze à Sapucaí,
Do Deixa Falar do Estácio ao Bafo do Catumbi
Samba é a voz que me guarda
Enquanto eu aguardo
A procissão se espraiar
De Santo Cristo a Oswaldo Cruz,
Esperando a vez do Morro
Se unir pra arrebentar"

Cesar Nascimento disse...

Edu, eu não escrevo nada aqui no Buteco há muito tempo. Só que hoje, lendo "O Olhar Nativo, Agora Sim" verifiquei orgulhoso que também deixei lá meu comentário. E reitero cada uma de minhas palavras. Você é coerente e comovente. Parabéns e um abraço. E desculpa se estou sendo inconveniente.