2.8.06

2 DO 8

Hoje, dois de agosto (daí o 2 do 8 do título), se viva fosse (e ela está viva, mas dentro de mim), a Pimentinha faria nove anos e tenho, nesse exato instante, enquanto afago com o pé direito o Pepperoni, que tem se mostrado um puta parceiro e que dorme ao meu lado, olímpica saudade da mais doce cocker-spaniel de que se tem notícia.

Pepperoni

Faz anos hoje, também, meu queridíssimo Augusto Diniz, a quem ergo o copo diante do balcão imaginário. Falei no Augusto e tenho que recomendar a vocês, leitores de São Paulo, um programaço para essa sexta-feira e para o sábado, 4 e 5 de agosto, a partir das 21h, no SESC Pompéia, na Choperia, na Rua Clélia 93, mais detalhes aqui. Dá uma vontade danada de ir a São Paulo ver o show e beber, in loco, com o Augusto, que inventou o furdunço, deu forma a ele e o troço acontece, lindo, nesse final de semana. Sem contar que a Juliana Amaral, minha também queridíssima Ju, vai cantar. Aí a certeza de que o troço acontece, lindo, nesse final de semana, triplica. No mínimo!, como diria o Fernando Vanucci (se você não entendeu esse "no mínimo!", aguarde que dia desses eu explico).

molho de tomate

Ontem, sem nada planejado previamente, o Mauro, meu irmão e cada vez mais meu irmão, esteve aqui em casa para jantar conosco. Ligou-me e convidou-se, como fazem os irmãos. E eu fui de uma franqueza rigorista:

- Não temos nada em casa, Mauro.

- Levo tudo, o vinho inclusive.

Vai daí que o Mauro trouxe seu molho de tomate, indescritível, preparou uma pasta deliciosa, chegou com um vinho nacional espetacular, o Rio Sol Syrah Reserva 2003, e atravessamos a noite sem senti-la pesar sobre as costas, ainda mais numa terça-feira, quando a noite pesa muito mais do que num final de semana, por exemplo.

penne com molho de tomate

Falei da noite de ontem e preciso fazer uma mínima confissão.

Ontem fez anos o Bruno Gaya. Hoje meu colega, competente advogado, parceiro de trabalho do Fraga, minha mais recente aquisição afetiva, sempre foi, pra mim, o Bruninho. Sobre ele eu posso dizer:

- Esse eu peguei no colo.

E eis aí, nessa frase tola - "esse eu peguei no colo" - o atestado da minha antigüidade.

O Bruno é daquele que, como o Tico, me arremessa ao passado com um simples olhar, ou mesmo com um "alô" pelo telefone. Sobre o Tico e sobre esses arremessos, escrevi aqui.

Basta eu dar de cara com o Bruninho, de terno e gravata, seríssimo, e é como se milhares de indicadores roçassem meu nariz com os gritos ao fundo:

- Velho! Caquético! Antigo! Matusalêmico! Múmia!

Ergui também, ontem à noite, - por isso falei dele agora - o copo à saúde do Bruninho.

E fechando o texto de hoje, buscando com isso elevar a audiência no Buteco, e conseqüentemente elevar a audiência do VQEB, excelente blog, uma foto do meu irmão e cada vez mais meu irmão, autor do dito blog.

O Mauro, que fique claro.

Mauro, primeiro de agosto de 2006

Até.

5 comentários:

Caio Vinícius disse...

Essas fotos estão uma covardia, cara.

9:40 da manhã, no trabalho, com a barriga já roncando, e dou de cara com um negócio desses, rs.

Mas tá bom também.

Abraços pra ti e pro Pepperoni e também pra Pimentinha.

Sei bem o que é a dor da perda de um amigo desses, em novembro passado faleceu meu cão de 11 anos, o Billy, e cara, sem remorso, chorei mais que em muito enterro de conhecidos.

É uma dor totalmente absurda, mas assim são as coisas.

Caio Vinícius

Cesar Nascimento disse...

Hummmmmmmmmmmm, concordo com o Caio, Edu.

Que fotos! Que fotos!

Eu disse: escreves bem demais, fotografas bem demais.

Anônimo disse...

Dudu,
Obrigado pelas sinceras e verdadeiras palavras.
Ergo também o copo, para comemorar nosso reencontro e nossa fraterna amizade.
O convite pra irmos a CADEG, comer febras, bolinho de bacalhau e beber umas geladas, está de pé!!
Abraços
Bruno Gaya

Anônimo disse...

O MAURO EH TUUUUUDOOOOO

PENA QUE ESSE MOLHO DE TOMATE ELE NÃO FEZ LÁ EM CASA

BEIJOS DE UMA DOIDINHA POR ELE QUE PREFERE NÃO SE IDENTIFICAR

Mauro Rebelo disse...

Dudu,

O molho parece mais bonito nas suas fotos!

Obrigado,

Beijo