7.10.06

ELE SÓ PENSA NAQUILO

E cá estamos nós, abrindo o Buteco na manhã de sábado, que o Jota não dá descanso: ele só pensa naquilo. Sua coluneta de hoje, do início ao fim, fala sobre a entrega do Prêmio RioShow de Gastronomia, excrementoso concurso promovido pelo jornal O GLOBO sobre o qual falei, de leve, no dia de ontem, leia aqui.

O título da matéria é, justamente, "Eles só pensam naquilo". E a primeira fotografia que ilustra o troço, mostra Christophe Lidy, do Garcia & Rodrigues, no Leblon evidentemente, posando em frente a um outdoor da Academia da Cachaça, no Leblon evidentemente. Vocês ouvem daí o barulhinho da caixa registradora? Vamos em frente.

nota publicada no jornal O GLOBO de 07 de outubro de 2006

Vamos à análise desse palpitante depoimento de Roberta Sudbrack, a ex-cozinheira de FHC no Palácio do Planalto, autora de um impressionante livro de alta gastronomia canina (duvida? clique aqui!), e que cobra R$190,00 (cento e noventa reais), por pessoa, o jantar em seu restaurante, assim anunciado em seu site:

"Será muito bom ter você em nossa casa. O nosso objetivo é lhe proporcionar inesquecíveis experiências gustativas. Você irá apreciar uma cozinha autoral em ambiente de estilo e charme. A proposta não é de um restaurante - pelo menos no seu conceito tradicional - mas de algo mais, que certamente dará vida nova à velha concepção. Uma forma inventiva de fazer gastronomia. Um lugar de emoções e lembranças. Um pólo de atração culinária com serviços personalizados, trocas de conhecimentos e boa opção de compras de produtos. Se você aprecia o gosto e quer algo realmente especial, este é o lugar certo."

E é essa a mulher que, em depoimento à coluneta do Jota, diz que é pela simplicidade sempre. Ah, sim. E notem que no pé da nota, o incansável jornalista (tenho que rir sempre que a ele me refiro assim) consegue emplacar o nome de Alaíde Carneiro, do Bracarense, no Leblon evidentemente. Vamos em frente.

nota publicada no jornal O GLOBO de 07 de outubro de 2006

Vejamos agora essa notinha aí de cima. O Jota, achando que inventou uma piada daquelas imperdíveis, cita o Movimento FMI (fomos muito imitados). E diz, na imunda nota, que os sócios do Botequim Informal (olha o som da caixa registradora!), no Leblon evidentemente, acusam o Devassa (de novo! de novo!) de copiar seu mais famoso prato, o Mineirinho, que é feito de lascas (lascas?!?!?!?!?!) de filé com aipim frito, cebola e queijo derretido. E dá voz a dois sócios da rede. Diz Mariano Ferreira: "Fizeram igualzinho". E bate o pezinho o outro sócio, Gustavo Gill: "Ficamos lisonjeados deles copiarem nossos pratos, mas, sinceramente, é um pouco deselegante.". Ponto, parágrafo.

Deselegante? Mas quem são, meu São Sebastião do Rio de Janeiro, os sócios desse lixo para falarem em deselegância? E que barbaridade o Jota escrever um treco desses! Informal, Devassa, Conversa Fiada, esses bares de merda, todos, sem exceção, são cópias uns dos outros, e por sua vez são todos filhotes dos bares paulistas que vêm invadindo a cidade do Rio de Janeiro de maneira olímpica! E pra fechar... Inventivos os sócios do Botequim Informal, hein?! Há quantos anos, São Sebastião, há quantos anos se faz filé aperitivo com aipim, cebola e queijo derretido por cima????? A única novidade que há no tal do Mineirinho sabem qual é? A palavra "lascas". Vamos em frente que tem mais.

nota publicada no jornal O GLOBO de 07 de outubro de 2006

Fechando, então, vamos prestar um bocadinho de atenção ao que disse à coluneta Verônica Dobal. Diz o Jota que ela adora vinhos, mas tem pavor dos enochatos, chamados de "insuportáveis" pela pernóstica.

Eu pergunto daqui, com o cotovelo apoiado no balcão imaginário do Buteco, bebendo cerveja e comendo um filezinho aperitivo: quem são os responsáveis - aliás, os únicos responsáveis! - pela multiplicação dos enochatos? É tão evidente, mas tão evidente, que eu me recuso a responder.

E quer dizer que quem exalta "cozinhas autorais" não é chato? E quer dizer que quem serve "lascas de filé" não é chato? E quer dizer que quem vive de vender vinhos e fica, por aí, chamando seu cliente de "enochato" não é chato?

Tá bom, então.

Bom sábado pra todos.

Até.

2 comentários:

L.A.Simas disse...

Edu, diante dessas merdas todas que o globo(com minúscula, por favor) conseguiu publicar em menos de 24 horas, o que me chamou a atenção foi o seguinte: você notou o tamanho dos pratos? Esse pessoal tá de sacanagem.Cada titica que não mata a fome de ninguém, cacete.
Quanto ao Jota, confesso que foi com grande felicidade que li a coluna dele hoje: nós não nos equivocamos...ele continua escrevendo as mesmas cagadas de sempre. No fim das contas, o bom é que ontem me refastelei com a carne assada com coradas do Rio-Brasília sem que nenhum desses estrupícios aparecesse para encher o saco. Estavam ocupados demais com essa festa de merda.
Beijo (ah...e a nova moda dos consultores gastronômicos? Quanta babaquice.)Não passarão.

Caio Vinícius disse...

Parenteses rápido.

Sexta-feira, na saída do trabalho, o pessoal daqui se dividiu em 2 grupos, uns mais sofisticados e "hypados" em direção ao Belmonte, e outros mais tradicionais, eu junto, para as mesinhas em pé do famoso ZIG ZAG.

Os 2 bares se situam às margens da Praça General Osório, um de cada lado.

Tomamos 24 garrafas de Skol, comemos queijo coalho na chapa, presunto acebolado com limão, batatinhas portuguesas e pernil.

Conta : 15 reais para cada (6 pessoas).

O pessoal do Belmonte tomou 4,5 chopps cada um e uma empadinha de siri (rsrsrsrsrsrsrs) famélica.

Conta: 23 reais pra cada, no mínimo.

Lembrando que a comanda do Belmonte é individual, evitando mais uma das tradições de bebedores de boteco... A porradaria na hora de pagar a conta!!! rsrsrs


Fiquei o fim de semana todo esperando a sua manifestação sobre o consurso de O Globo, manifestação deliciosa e totalmente correta!!

Um abraço.

Caio