11.10.07

E O GLOBO NÃO SE CANSA...

Quem lê O GLOBO sabe mais?!

Mentira!

O GLOBO, que tem como editora uma plagiadora que nega-se terminantemente a dar uma explicação mínima que seja para o crime grosseiro que cometeu - vejam aqui -, que comete diariamente atentados praticamente terroristas contra a cidade, contra suas maiores instituições (trato, muitíssimo e sempre, do assunto), no dia 09 de outubro de 2007, anteontem portanto, cometeu mais um estupro contra a informação e o jornalismo maiúsculo.

publicado no jornal O GLOBO de 09 de outubro de 2007


Faço minhas as palavras do meu irmão Luiz Antonio Simas:

"Tem gente achando que eu implico com o jornal O GLOBO. É a pura verdade. Ultimamente, por exemplo, o periódico resolveu liderar uma campanha contra livros didáticos de História que são escritos sob, segundo o jornal, a ótica do socialismo. O articulista Ali Khamel, uma espécie de senador Joseph Mccarthy redivivo, diz que os livros deseducam milhões de jovens brasileiros e lamenta pela sorte dos nossos estudantes. Pode ser. Faltou, entretanto, ao Khamel, mencionar o papel d´O GLOBO nesse processo de deseducação cívica. Exemplifico.

Estava lendo a página de esportes d´O GLOBO de ontem, para saber das novas e inacreditáveis aventuras do Botafogo, quando botei os olhos no seguinte:

´Pré- Olímpico de basquete

(...) Além da Rússia, estão garantidos nos jogos: Austrália (campeã mundial), China (país sede), Estados Unidos (campeão do Pré-Olímpico das Américas) , Máli (Ásia)...´

Só pode ser sacanagem. O MÁLI NA ÁSIA????? MEUS DEUSES!!!!! Se o Máli está na Ásia, eu sou Napoleão Bonaparte, a Bolívia fica na Oceania e o México faz fronteira com o Complexo do Alemão. Eu já desconfiava que nós, brasileiros, ignoramos a história e a geografia africanas, mas isso é demais, um jornal de grande circulação escrevendo um troço desses.

O Máli foi um dos impérios mais importantes da África subsaariana. Três cidades malinesas, Tombuctu, Jené e Gaô, foram centros comerciais de tremenda importância no período anterior à chegada dos europeus ao continente negro. Todo o fluxo mercantil que envolveu a região da curva do Niger teve o Máli como maior referência. Há vestígios arqueológicos que indicam a presença de relações de troca e formação de cidades naquela região desde os anos 800 da era cristã.

Sobre a história do Máli, há páginas belíssimas n´ A ENXADA E A LANÇA, obra monumental do embaixador Alberto da Costa e Silva, o maior africanista da língua portuguesa. Há, também, o testemunho de Ibn Batuta, um aventureiro nascido no Tânger que esteve na região malinesa por volta de 1350, e que produziu saboroso relato sobre os costumes do grande império.

Será que O GLOBO não lembrou que, recentemente, naquele concurso sobre as sete novas maravilhas do mundo, uma das concorrentes foi Tombuctu - a impressionante cidade malinesa? Aliás, a cidade só não teve o meu voto porque não me manifestei na disputa. Tá feia a coisa na grande imprensa.

Amigos, eu lamento profundamente pela sorte de milhares de jovens brasileiros que lêem O GLOBO. O jornal anda oferecendo aos leitores sonrisal com prazo de validade vencida, com a empáfia de quem serve champanhe."


Pode ser lido, também, aqui, no monumental HISTÓRIAS DO BRASIL.

Até.

Um comentário:

Craudio disse...

Eu falo pros estagiários daqui que qualquer dia eles matam Cristo enforcado...

Tá feia a coisa.

Abraços e bom feriado, que já deve ter começado por terras cariocas nessa quinta de tarde!