24.11.07

UM APELO PATÉTICO

Na segunda-feira passada, dia em que o Jota escreve, além da coluneta GENTE BOA, uma crônica de meia página também no SEGUNDO CADERNO de O GLOBO, o homúnculo publicou, como se vê abaixo (o título é indicativo de seu caradurismo), um texto de uma desfaçatez impressionante. E se não salta, ou não saltou aos olhos do leitor médio a desfaçatez olímpica do patético apelo feito pelo colunista, foi por falta de atenção ou por excesso de condescendência com o autor do troço.

crônica publicada no jornal O GLOBO de 19 de novembro de 2007

Não custa repetir uma vez mais: desde que passou a ser publicada a coluna GENTE BOA (que é a antítese disso) que eu, daqui do balcão, marco em cima a coluneta que representa o que há de pior e de mais destrutivo, o que há de mais anti-carioca na imprensa escrita aqui no Rio de Janeiro. Até onde cataloguei, apontei 34 atentados contra a cidade, contra nossa gente, contra nossas mais caras tradições. 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32, 33, 34 atentados que podem ser lidos, um a um, bastando clicar sobre cada um dos números! São radiografias nítidas, límpidas, que prescindem de laudo para que emerja, de cada uma delas, a podridão putrefata (a redundância é proposital) da tal coluna.

E veio, o homúnculo, na segunda-feira passada, fazer um apelo patético (os destinatários do apelo são os jurados do prêmio RIOSHOW de gastronomia, promovido pelo jornal O GLOBO, como se eles pudessem salvar os butecos, os restaurantes mais simples, as biroscas, os pés-sujos...!!!!!!!!!!), implorando pela manutenção de tudo aquilo que é destruído pelos investidores e pelos predadores que são, diuturnamente, exaltados, bajulados e festejados no espaço que ele próprio mantém no jornal.

Como diria uma amigo meu: que nojo!!!

Até.

Um comentário:

fraga disse...

E, ainda por cima, conseguiu ressuscitar o Bico Doce, que fechou este ano.