1.2.08

DO DOSADOR

O BUTECO DO EDU, é evidente, não poderia agir diferente: fechamos hoje e só voltamos a erguer a porta imaginária de ferro depois do Carnaval.

* Cora Rónai, a colunista de O GLOBO que mantém, freqüentemente, conversas absurdas com uma capivara de pelúcia (obrigou-nos a agüentar isso durante a Copa do Mundo da Alemanha, lembram-se?, vejam aqui), escreveu em sua coluna no lamentável SEGUNDO CADERNO do citado jornal, esta semana, sobre o Carnaval no Rio de Janeiro. Assim como não entende NADA (com a ênfase szegeriana) de futebol, o que fez com que sua cobertura direto da Alemanha soasse bizarra, não entende NADA de Carnaval. Vejam o que ela escreveu: "Finalmente, ainda que compreendendo a disparidade entre a quantidade de banheiros químicos disponibilizados pela prefeitura e a quantidade de cerveja vendida pelos ambulantes nos grandes ajuntamentos, não gosto de ver homens usando árvores ou pneus de automóveis como mictórios em plena via pública – e gosto menos ainda do cheiro com que amanhecem essas pobres áreas amaldiçoadas. Sempre me pergunto por quê os homens cariocas precisam ser tão grosseiros e indelicados. Afinal, ainda estou para ver as mulheres que os acompanham, na bebida inclusive, dando semelhante espetáculo de boçalidade.". E sabem por que ela está pra ver mulheres mijando no meio da rua durante, por exemplo, o monumental desfile do Cordão da Bola Preta, com mais de 400 mil pessoas? Simplesmente porque ela não vai, talvez nunca tenha ido. Simples. Ah, sim. Tem mais. Termina a dita coluna tirando "(...) o chapéu (metafórico) para Bruno Chateaubriand que, confesso, sempre me passou uma impressão de inconseqüência e futilidade, mas que, nas páginas amarelas da Veja dessa semana, com uma sensibilidade à toda prova, deu entrevista da maior dignidade e inteligência. Perdão, Bruno. Até aqui, ao ler sobre você, eu não sabia de quem estavam falando.". Que tal? Eu sei que meu irmão Luiz Antonio Simas lerá isso aqui e será tomado por uma vontade enorme de me dizer que cá estou acendendo cotoco de vela, o que é muito, pra pouco defunto. Mas eu não resisti.

* Eu sei que soará patético para a grande maioria de vocês... Mas eu também não resisto a fazer a confissão pública. Ano após ano, eu me divirto assistindo, pela TV, ao desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro. Eu gosto demais. É lamentável, é verdade, ter de ouvir Cléber Machado narrando o desfile, Ivo Meireles comentando sobre as baterias, Leci Brandão esbanjando intimidade com as comunidades, e as câmeras dispensando as mulatas em flor para exibir seus artistas, suas chamadas celebridades e o desfile patético dessa gente nos camarotes do Sambódromo. Ainda assim, sofá, cerveja gelada, o cafuné da minha menina e o desfile do Salgueiro (bastaria, o Salgueiro) fazem valer a pena.

* já há algo diferente dentro de mim, e até mesmo na cidade em que choveu durante os últimos quinze dias. Faz um sol tremendo, e um céu de um azul olímpico arromba minha vista e anuncia mais um desfile do Bola Preta para a manhã de sábado. Lá estarei, com minha Dani, ao lado de amigos queridos e de mais de 400 mil foliões que estão carecas de saber que lugar quente é na cama ou então no Bola Preta.

* A Grande Rio, essa escola detestável de Duque de Caxias, que não tem nada a ver com a Cartolinha de Caxias como alguns querem fazer crer, que não tem Velha Guarda mas tem A Velha, que atende pelo nome de Suzana Vieira, vai ganhar o título de Campeã do Grupo Especial graças a um arranjo entre sua subsidiária, a TV GLOBO, e a LIESA. Tomem nota. Se ganhar mesmo, ganho pontos. Se perder, eu arrumo uma desculpa em seguida.

* A Feijoada da Apuração, tradicionalíssimo evento do Carnaval na Tijuca que acontece na Quarta-Feira de Cinzas na mansão da Manguassônia, vai acontecer de novo em 2008. Lá estarão, como no ano passado, Luiz Antonio Simas e meu pai, imperianos de fé. Quero, muito, que brindemos, os três juntos, à vitória do Império Serrano, de volta ao Grupo Especial em 2009.

* Bom Carnaval a todos, e até a volta.

16 comentários:

Craudio disse...

Depois dos mesmos 15 dias, em que essa "cidade esquecida por Deus" - como diz o Borgonovi - ressucitou a garoa em pleno verão, por aqui saiu um sol. Bons preságios...

Tô chegando!

Eduardo Goldenberg disse...

Craudio: o Rio e São Paulo são, de fato, cidades antagônicas. Muito, mas muito diferentes. Inclusive gramaticalmente, sabe? Bons presságios, aqui no Rio, têm dois esses. Abração, malandro! Vemo-nos amanhã, no glorioso Bola Preta, que te aguardará, em sua primeira vez, de braços abertos.

Louise disse...

Nossa Edu, como vc é grosso!

Eduardo Goldenberg disse...

É, Louise? Obrigado pelo alerta. Eu não sabia disso.

Casé disse...

Só quero ver as notas do Gugu do Rio.

Eduardo Goldenberg disse...

Casé: quem é Gugu do Rio????? Abração.

Marcelo disse...

Que Deus te ouça sobre o Império. Passaremos com tudo na Avenida amanhã, com as bençãos de São Jorge. E que nós dois estejamos errados sobre esse nojo que é a Grande Rio. BOm carnaval, Edu!

Eduardo Goldenberg disse...

Moutinho: São Jorge, que é santo guerreiro, começou a trabalhar pelo Império Serrano desde essa madrugada, meu caro. O encosto do Império, o cadáver insepulto de há mais de duas décadas, ó... foi oló!

Eduardo Goldenberg disse...

Ah, sim! Esqueci! Comentava-se hoje cedo na Tijuca (ouvi durante o café da manhã, de pé, no balcão) que foi Luiz Antonio Simas o responsável direto pela morte do cara. E parece que até a mãe do caboclo tem essa certeza. Melhor dirá o próprio. Abraço.

Marcelo disse...

(rs) O Andreazza me mandou email hoje cedo comentando a mesma coisa! E que Deus nos perdoe

Casé disse...

A Bruninha Chateaubriand

Pedro Monteiro disse...

Na boa cumpádi Edu!
Essa Cora Ronai é uma piada! não manda bem em nada!

Deixa ela falando sozinha pq só a fundação globo aguenta ela!

Abração!

4rthur disse...

Ela não entende patavina de carnaval mesmo. Ignora que existe um artefato que é vendido em vários blocos de carnaval aqui no Rio para as mulheres mijarem na rua: trata-se de uma espécie de funil descartável, que as mulheres encaixam debaixo da saia (mulher que é malandra vai pro bloco de saia, pra facilitar as coisas) pra que o líquido não espirre nos calçados ou coisa parecida. Uma maravilha da engenharia.


Sobre o Chateaubriand, nada, mesmo, a declarar.


E espero, assim como o Marcelo, que você esteja errado quanto à Grande Rio.

Finalmente, quanto a você ter sido chamado de grosso, lembrei de um professor de História que respondia a tal comentário dessa forma: "Obrigado pelo elogio, querida, mas meu diâmetro está dentro da média do brasileiro".

Craudio disse...

Presságios, presságios...

E foram bons presságios que se comprovaram. Fantásticos dias no Rio de Janeiro. Além do Bola Preta, o Cordão do Boitatá foi algo igualmente incrível, só que em menores proporções.

Chego em SP já pensando em 2009. Abraços a todos e uma exaltação ao Rio!

evaodocaminhao disse...

muita alegria mijar escoltada por Dani e Betinha

Eugenia disse...

IMPÉRIO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!