31.8.09

FASCISTAS NA TIJUCA - PARTE II

Eis que depois de ter escrito FASCISTAS NA TIJUCA na noite de sexta-feira, leiam aqui, criticando veementemente um grupelho que se debate odiosamente contra uma mais-que-louvável iniciativa da Secretaria Municipal de Habitação, a de transferir 400 famílias de uma favela na Tijuca para um conjunto habitacional a ser construído numa área abandonada pelo supermercador Carrefour, na rua Conde de Bonfim, na Usina, o Pian, por mim convocado informalmente, manifestou-se. O Pian, de quem guardo aguda distância, digamos, ideológica (o que não impede que travemos debates os mais diversos dentro da maior urbanidade), tem se mostrado um sujeito capaz de vestir, com denodo, a armadura do homem público. E digo "armadura do homem público" pois o homem público é, mais que todos, alvo permanente de tiros, bordunadas, pancadas oriundas de todas as direções, razão pela qual é desejável o uso da armadura. Vamos ao que disse o Pian:

"Se essa discussão fosse na zona sul, a histeria seria bem maior, podem ter certeza. As pessoas querem soluções para os problemas sociais que assolam a cidade e, ao mesmo tempo, não conseguem enxergá-las (principalmente) quando estão diante delas. Um dos desafios mais difíceis de qualquer gestão pública de habitação é a realocação (decente!) de pessoas que perdem suas casas em comunidades por conta de intervenções do poder público. E que se faça um registro rápido: por mais cruéis e desumanos que esses desalojamentos em favelas possam parecer, é importante conter o crescimento de construções irregulares em áreas de proteção ambiental (APA). Importante para o município e para a própria família que ali se instala, já que está mais do que sujeita a deslizes, desabamentos e outros incidentes naturais. Volto. A possibilidade de se conseguir um terreno para a construção de um complexo habitacional é louvável. Deixe que reclamem, deixe que falem. A Tijuca jamais deixará de ser nobre por conta de uma construção desta natureza. Muito pelo contrário. Vou tentar voltar com novidades."

Anseio, pois, pelas novidades que há de nos trazer o Pian, administrador regional da 4a. Região Administrativa e leitor ferrenho do BUTECO. A coisa, meus pouco mas fiéis leitores, é grave e é gravíssima.

Comandado por um cidadão que bradou "quem estão chocados somos nós" (vejam aqui, numa demonstração de equívoco muito além do simples equívoco de concordância verbal) esse grupelho destila ódio contra uma proposta séria e saudável (salubérrima, eu diria) do Secretário Municipal de Habitação, Jorge Bittar.

Peço ao Pian que faça chegar ao Subprefeito da Grande Tijuca, Luiz Gustavo Martins Trotta, e mesmo ao Secretário Municipal de Habitação, Jorge Bittar, o que vem ocorrendo com relação a esse caso.

Com bandeiras-chavões as mais repugnantes (tomem nota!) como "(...) moro exatamente em frente ao Carrefour, da janela da minha sala vejo o interior do mercado e da janela do meu quarto vejo o Morro do Borel (de camarote). Então as duas vistas mais usadas por mim dentro da minha residência vão ter vista pra favela?? Isso é errado, isso não é normal.", "Tá com pena? Leve para morar com você!!", essa gente não há de ter êxito.

Falam mal do bairro (como falam mal do bairro...) simplesmente porque só têm olhos para o próprio umbigo. A Tijuca, suas esquinas e seus bares (tão perseguidos pelo mesmo grupelho), seus bares e sua gente, sua gente mais simples, é infinitamente maior que esse pernicioso conjunto de pessoas que se vale do título GRUPO GRANDE TIJUCA.

Deram agora de mentir a meu respeito dizendo que eu ataquei "pessoalmente membros do grupo de forma grotesca, sem educação, sem respeito". Muitas mentiras, aliás, numa única frase: não conheço nenhum deles pessoalmente (razão pela qual o ataque é fruto da fantasia persecutória típica de fascistas); não agi, conseqüentemente, nem de forma grotesca nem sem educação (não saio de casa sem ela). Agora, respeito, francamente... não tenho NENHUM (com a ênfase szegeriana) respeito por gente dessa laia.

Não passarão!

Até.

ps: todo e qualquer comentário anônimo será ignorado e evidentemente não publicado.

29.8.09

FASCISTAS NA TIJUCA

Vou aqui, hoje, finalzinho de sábado, lançar luzes (e dar a eles a possibilidade da assistência que jamais tiveram) sobre um blog que nada mais é do que a reunião histérica de quatro chatos olímpicos adulados pelo jornal O GLOBO (por quem mais, além desse que é o mais podre dos jornais cariocas?????) - vejam aqui - que vêm, sob o pretexto do exercício da cidadania, perseguindo a Tijuca e sua gente, a Tijuca e seu povo, a Tijuca e seus moradores, a Tijuca e seus hábitos, a Tijuca - enfim.

Trata-se do inacreditável (tirem as crianças da sala) - o nome já é repugnante - CITY TOUR DA DESORDEM URBANA.

Como se não bastasse a perseguição aos bares mais simples (e por isso mesmo fundamentais), como se não bastasse o exercício perigoso da denúncia pela denúncia, como se não bastasse o incentivo à prática repugnante do preconceito mais odioso, como se não bastasse a propagação da filosofia-porca que reza que "no capitalismo quem paga manda", os quatro deram de bolar (como se gênios fossem) um abaixo-assinado contra uma mais-que-louvável iniciativa da Secretaria Municipal de Habitação de criar, na Tijuca, um conjunto habitacional onde hoje fica o esqueleto em que se transformou um supermercado que fechou as portas na rua Conde de Bonfim, na altura da Usina.

Por puro preconceito, os quatro - que se dizem "envolvidos e comprometidos com o desenvolvimento do nosso município, e partidários de uma melhor qualidade de vida na Grande Tijuca" - vão percebendo o tom do troço!!!!! - pretendem impedir a transferência de 400 famílias de uma favela da região para o que seria (será, há de ser!!!!!) um futuro conjunto habitacional (que ali se pretende construir).

Se rebelam, os fascistas, contra a criação do "possível lar de uma das favelas da Tijuca". Gritando que são "pagadores de altos impostos" (argumento corriqueiro da canalha), preocupados (apenas) com seus "bens sendo cada vez mais desvalorizados", esses chatos (que fazem mais mal à Tijuca do que imaginam fazer bem) não terão êxito.

Daqui, do balcão imaginário do BUTECO, deixo todo o meu apoio ao Secretário Municipal de Habitação e à Prefeitura nesta empreitada (alô, Pian!). Não dêem ouvidos a essa gente preconceituosa, recalcada, desumana e infeliz.

O abaixo-assinado (um atentado) - para vocês verem que não é mentira e que existe gente capaz de torcer contra a melhor qualidade de vida dos mais humildes - está aqui.

Até.

PS: não percam seu tempo tentando fazer qualquer comentário nesse blog-canalha. Como de se esperar, se for contrário às barbaridades ali proferidas (e defendidas) será excluído imediatamente.

28.8.09

DEBATE POLÍTICO DO PSOL

Atendi ao chamado de meu dileto amigo Luiz Carlos Fraga e fomos ao CAFÉ GAÚCHO para um café ainda há pouco. Hoje é sexta-feira e vocês sabem que às sextas-feiras o PSOL promove debates políticos (eles não fazem comício) no Buraco do Lume. Decidimos esperar uns poucos minutos depois do café para vermos pelo menos o começo do tal debate. Eu disse de mim para mim:

- Não é possível que seja sempre uma aridez de pessoas. Hoje vai encher!

O Fraga, que lê pensamentos, disse mexendo o café com a colherinha:

- Hoje vai encher! Vai encher! Está sol!

E eu filmei, meus poucos mas fiéis leitores, a abertura do debate político.

A assistência era formada pelos próprios militantes do PSOL, incluindo os parlamentares (um total de, o quê?!, 4 ou 5, e a grande maioria de costas, ignorando solenemente o discurso do homem que bradava contra tudo e todos.

Os passantes, os pedestres, os cidadãos, alvo principal da iniciativa do partido do socialismo e da liberdade, esses não prestavam NENHUMA (com a ênfase szegeriana) atenção ao troço.

E momento hilário - acompanhem! - é quando passa uma moça que dá um leve adeus para o vereador Eliomar Coelho (logo no começo do vídeo) e que é puxada, desbragadamente, pelo vereador. Eu, de onde estava, fiquei a imaginar o apelo:

- Fica, filha! Fica! Engrossa nossa fileira!

E ela, ó, nada. Foi-se.

Com vocês, o debate político do PSOL, cujo discurso é inaudível por conta da música tocada por um peruano, ao meu lado, que arregimentava centenas de pessoas à sua volta, causando tremenda inveja nos socialistas e libertários.



Até.

27.8.09

EGO DO BUTECO

Vamos pelo viés político hoje. O inacreditável e inconcebível site EGO (insuperável no que diz respeito a ser mais fútil a cada dia) nos mostra que "Valesca Popozuda compra biografia do presidente Lula" (vejam aqui). O EGO DO BUTECO, com suas lentes voltadas pra gente infinitamente mais interessante que as aduladas e incensadas pelo EGO, mostra hoje fotografias feitas por um de nossos paparazzi durante a cerimônia realizada na Cinelândia, no Rio de Janeiro, pela passagem dos 55 anos de morte do presidente Getúlio Vargas.

24/08/09 - 12h48min

Ministro Lupi comparece à cerimônia em homenagem à memória de Getúlio Vargas, que juntou multidão no centro do Rio de Janeiro, e é aplaudido por populares


foto de paparazzo contratado

Lupi discursa, emocionado, e exalta os grandes feitos de Getúlio Vargas.

foto de paparazzo contratado

Flagramos o artista plástico Leo Boechat, atento e comovido com as palavras do Ministro do Trabalho.

foto de paparazzo contratado

Militante, vestindo lenço de maragato, expõe sua paixão por Leonel Brizola durante discurso de Lupi. "Brizola vive", disse chorando, aos soluços.

26.8.09

EGO DO BUTECO

O EGO, essa excrescência inacreditável, exibe notícias como essa, que dá conta de que "o ator português Ricardo Pereira curte noite em botequim no Rio". Instruindo ainda mais seu público-leitor, relata que "ao lado da namorada, Francisca Pinto, Ricardo passou a noite de quarta-feira, 17, num programa tipicamente carioca." (vejam aqui).

Como a Tijuca é ainda mais tipicamente carioca, o BUTECO volta suas lentes para a esquina da Pardal Mallet com a Afonso Pena.

23/08/09 - 11h24min

Ao lado do sobrinho Felipe Quintans e do amigo Luiz Antonio Simas, o legendário Espanhol é flagrado por nossas câmeras numa manhã de domingo tipicamente tijucana


Felipe Quintans, Espanhol e Luiz Antonio Simas, foto de paparazzo contratado

Espanhol, ao lado do sobrinho Felipe Quintans (que aparece com um ovo cozido inteiro na boca), conversa descontraidamente com Luiz Antonio Simas (bebendo refrigerante). "Esse grupo é muito legal, adoro servi-los nas manhãs domingueiras!", brinca o garçom da casa, doutor Lauro.

BUTECO DO EDU também no TWITTER

25.8.09

EGO DO BUTECO

O instrutivo (e inacreditável acima de tudo) site EGO, nos mostra, para regozijo coletivo, "a vida simples e cheia de charme da chef Roberta Sudbrack" (aqui). O BUTECO DO EDU, infinitamente mais preocupado com a vida simples da zona norte da cidade, apresenta hoje a vida mais simples ainda da fabulosa Kátia Barbosa (irmã de Paulo Barbosa, do PETIT PAULETE), sócia de Rosa Ledo, com quem toca o ACONCHEGO CARIOCA.

22/08/09 - 16h

Kátia Barbosa, cercada de amigos e clientes, é flagrada e clicada em sábado de frio raríssimo no Rio de Janeiro, dia de festa na Praça da Bandeira


22 de agosto de 2009, foto de paparazzo contratado

Kátia Barbosa é flagrada saindo de seu botequim indo em direção ao bar do irmão para relaxar no meio da tarde.

22 de agosto de 2009, foto de paparazzo contratado

Kátia junta-se aos amigos do irmão, Paulo Barbosa (de vermelho), em animado churrasco diante do Petit Paulete.

22 de agosto de 2009, foto de paparazzo contratado

Percebendo-se seguida por nossa equipe, Kátia, bem humoradérrima, posa para nossas câmeras.

22 de agosto de 2009, foto de paparazzo contratado

Diante do Bar da Frente, Kátia sorri e brinca com clientes.

22 de agosto de 2009, foto de paparazzo contratado

Depois do relax, Kátia volta para o Aconchego Carioca e é clicada sentada à mesa com amigos.

24.8.09

O ARTISTA E A CRÍTICA

O artista plástico Daniel Toledo (é como a ele se refere a imprensa), que mantém um blog expondo suas obras e seus feitos, o mesmo que cometeu um crime contra a memória de Getúlio Vargas (como lhes contei aqui), retirou - de forma a demonstrar ser visivelmente incapaz de aceitar críticas engrossando a lista dos que são contrários à liberdade de de expressão - os comentários feitos por diversas pessoas que criticavam, de forma veemente, a "instalação" ou "interdição" (assim a imprensa referiu-se ao atentado à memória de Getúlio) de sua autoria. Vejam vocês mesmos, aqui, que não há mais registro de qualquer comentário e nem mesmo a possibilidade de fazê-lo mais. Nós, do BUTECO, antevendo o gesto covarde, publicamos pelo menos oito comentários, aqui (e quando pude lê-los, pela última vez, já eram doze!). Ou seja, o público não pode fazer suas interferências por lá. Tsc. Parabéns, Daniel Toledo. Essa é a sua arte.

Até.

55 ANOS SEM GETÚLIO VARGAS

No dia em que o Brasil deveria lembrar os 55 anos da morte de Getúlio Vargas, mais brasileiro que toda a corja que nos (des)governa hoje, salvo raríssimas exceções (e que não vêm ao caso hoje), os jornais que li não dão uma mísera nota sobre a data. Prova incontestável de que vivemos um tempo de mediocridade absoluta, a mesma mediocridade que a Secretaria de Cultura da Cidade do Rio de Janeiro, na pessoa de Jandira Feghali e de Eduardo Paes (que a nomeou), encarnou ao autorizar esse lixo (aqui) que desrepeita a memória de Getúlio.

Eu tinha firme intenção, gerada e manifestada ontem na esquina da Pardal Mallet com Afonso Pena, de hoje pela manhã arrancar as faixas que o artista plástico (cáspite!, apud Luiz Carlos Fraga) Daniel Toledo, autorizado pelas autoridades incompetentes que deveriam cuidar da cidade, pôs em volta do busto de Getúlio Vargas. Um imprevisto que acometeu quem me acompanharia na empreitada somado à notícia de que o lixo seria removido hoje pela manhã, me desestimulou.

E por que eu faria isso? - é o que eu imagino que vocês estejam se perguntando, meus poucos mas fiéis leitores. São várias as razões, e quero decliná-las, ainda que em apertada síntese.

Em primeiro lugar, a todo cidadão é dado o direito do protesto. O que esse rapaz (chamado de "artista plástico" pela mídia que reproduz o que recebe em forma de release) fez com o busto de um homem da envergadura de Getúlio Vargas é inadmissível, e digo que seria inadmissível ainda que o busto, a estátua, a placa, fosse em homenagem ao mais indigno dos homens. Sob o argumento de fazer uma "instalação" ou um "interdição", o rapaz desrespeitou a memória de Getúlio Vargas e, não por acaso, na semana que antecedeu o quinquagésimo quinto aniversário de sua morte. Retirando aquele lixo dali, eu faria também - ou não? - uma desinstalação, o que me parece, sob a ótica dos idiotas que batem palma pra isso, uma inovação.

E por que eu não me valeria dos meios, digamos, mais formais, como e-mails, cartas ao jornal etc? Simples. Quem detém o poder da informação (como jornalistas), ou o poder administrativo (como os políticos eleitos), ignora, solenemente, aquilo que chega como forma de protesto ou crítica. Disponibilizam (fingem disponibilizar) canais de comunicação com o povo mas simplesmente não dão a mínima para a voz das ruas. Exemplo recente vê-se aqui.

Por isso, eu preferi o enfrentamento, como fiz aqui, gritando o nome de Leonel de Moura Brizola ao vivo (depois de enganar a repóter Renata Ceribeli) quando era proibido veicular o nome de meu saudoso e eterno Governador do Estado do Rio de Janeiro na TV GLOBO.

É preciso que essa gente, que pisa em tudo (ainda que em nome da arte), sinta o peso da nossa revolta.

Deixo com vocês, na voz da sempre grande Beth Carvalho e de João Nogueira, um pot-pourri de canções em homenagem ao ex-presidente, gravadas em um LP lançado durante a campanha de Leonel Brizola para as eleições presidenciais de 1989. Salve, Getúlio Vargas!


"Foi o chefe mais amado da nação
Desde o sucesso da revolução
Liderando os liberais
Foi o pai dos mais humildes brasileiros
Lutando contra grupos financeiros
E altos interesses internacionais
Deu início a um tempo de transformações
Guiado pelo anseio de justiça
E de liberdade social
E depois de compelido a se afastar
Voltou pelos braços do povo
Em campanha triunfal

Abram alas que Gegê vai passar
Olha a evolução da história
Abram alas pra Gegê desfilar
Na memória popular

Foi o chefe mais amado da nação
A nós ele entregou seu coração
Que não largaremos mais
Não, pois nossos corações hão de ser nossos
A terra, o nosso sangue, os nossos poços
O petróleo é nosso, os nossos carnavais
Sim, puniu os traidores com o perdão
E encheu de brios todo o nosso povo
Povo que a ninguém será servil
E partindo nos deixou uma lição
A Pátria, afinal, ficar livre
Ou morrer pelo Brasil
Abram alas que Gegê vai passar
Olha a evolução da história
Abram alas pra Gegê desfilar
Na memória popular"


Até.

ps: leiam também artigo de Christopher Goulart, neto de Jango, sobre a data de hoje, aqui.

23.8.09

BOSTA (SUPOSTA ARTE)

Leiam isso e vejam isso.

sem comentários

Às 23h de hoje, pau na canalha! (proteste contra essa merda, aqui)

comentários ao gesto sem comentárioscomentários ao gesto sem comentários Até.

21.8.09

VAMOS VER SE GENTE BOA RESPONDE

e-mail enviado em 21 de agosto de 2009 para a coluna GENTE BOA de O GLOBOSoube, por fonte segura, que o e-mail disponibilizado na coluna (e para o qual foi remetido a mensagem acima) não é lido (que honesto, não?). Encaminhei a mensagem para joaquim.santos@oglobo.com.br

Vamos ver se ele responde.

Até.

PERNICIOSO

Joaquim Ferreira dos Santos é incansável (e pernicioso, cada vez mais, em sua coluneta GENTE BOA no SEGUNDO CADERNO de O GLOBO). Passou desapercebido por nós, mas não por Luiz Antonio Simas (que fez o alerta aqui), mais essa notinha imunda que incita a canalha a menosprezar o povo.

nota publicada na coluna GENTE BOA do jornal O GLOBO em 20 de agosto de 2009

Só mesmo um editor como Artur Xexéo pra permitir, dia após dia, barbaridades como essa publicadas no jornal.

Até.

O FIM DA CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL

Mais uma contribuição de Joaquim Ferreira dos Santos e suas três colaboradoras.

notas publicadas na coluna GENTE BOA do jornal O GLOBO de 21 de agosto de 2009

Até.

20.8.09

PEQUENO ESCLARECIMENTO PÚBLICO

Recebi, hoje pela manhã, simpático e-mail (é inegável) de um "consultor em estratégia" (qualificação dada pelo remetente) que trabalha para o deputado João Pedro, do inconcebível DEM, e que disse ter encontrado o BUTECO DO EDU em razão de pesquisas feitas a trabalho. Disse, mais, ter lido e gostado muito do que leu, "principalmente dos comentários que você faz, com insistência, sobre os comícios do PSOL.". Fecha a mensagem com dois elogios e um anúncio: "Fantástico! Belo trabalho. Vou acompanhar.".

Quero dizer, de pé diante do balcão imaginário, para que me ouçam o consultor e todos os que, porventura, tenham a mesma idéia que seguramente o encorajou para o envio do e-mail, que o PSOL é meu alvo permanente por conta das trapalhadas que protagoniza.

O DEM, meus poucos mas fiéis leitores, essa excrescência política, esse lodaçal infecto em forma de partido político, não é citado aqui - NUNCA! - por razões de higiene, decência e apuro.

O patrão do remetente, deputado João Pedro, a quem conheci pessoalmente por obra e graça de compromissos profissionais, é um filhote de César Maia (igual no todo, do gesto à entonação de voz, como a não menos repugnante Solange Amaral), entusiasta suspeito da obra que enricou a canalha - a Cidade da Música - e persona non grata neste humílimo blog.

Até.

EGO DO BUTECO

O cada vez mais inacreditável EGO "divulga fotos do casamento de Alyssa Milano" (aqui). Como nós, do BUTECO, NUNCA (com a ênfase szegeriana) ouvimos falar da atriz (atriz?!) e como nosso foco é em gente mais interessante, recebemos, aceitamos e ora publicamos a fotografia da advogada Joanna Farah Cataldi, minutos depois de seu próprio casamento, realizado na manhã de hoje.

20/08/09 - 10h03min

Joanna Farah Cataldi, ao lado de seu pai, o jornalista, radialista e advogado José Carlos Cataldi, é flagrada comemorando seu casamento com o também advogado Giovane, realizado em um Cartório na Praça Saens Pena, em uma lanchonete na Tijuca


José Carlos Cataldi e Joanna Farah Cataldi numa lanchonete da Tijuca, foto de paparazzo contratado

"Estamos adorando receber os noivos aqui, isso é mega diferente!", disse saltitando a gerente da lanchonete, na esquina da General Roca com a Praça Saens Pena.

19.8.09

O PSOL E O MUNDO

O PSOL, que não reúne mais do que meia dúzia de gatos pingados no Buraco do Lume às sextas-feiras, que não consegue, por isso mesmo, decidir o destino da esquerda no Largo da Carioca (se seguem pela contramão ou não da avenida Rio Branco), dá, com a realização do Seminário Internacional cujo cartaz está abaixo, prova de sua megalomania histérica.

Querem, os partidários do PSOL, decidir o destino das esquerdas no mundo.

Até.

ps: marchará o PSOL, durante o seminário, mais uma vez pela maconha?

ALÔ, CARIOCAS!

A pior, a mais nefasta e perniciosa coluna dos jornais cariocas, que atende pelo antisugestivo nome de GENTE BOA, encabeçada por Joaquim Ferreira dos Santos (auxiliado por três moças), cumpre seu papel de alcaguete publicando nota canalha dirigida a um ocupante da Prefeitura do Rio de Janeiro, chamado pela imprensa de "xerife do choque de ordem" (ou coisa que o valha).

nota publicada na coluna GENTE BOA do jornal O GLOBO de 19 de agosto de 2009

A coluna (a pior, a mais nefesta e perniciosa - repita-se) preocupa-se, como se vê, única e exclusivamente com a zona sul, a única que enxerga na cidade.

Lamentável, como de hábito.

Até.

EGO DO BUTECO

O site EGO é incansável em sua missão. Descobrimos, graças aos profissionais que se dedicam a ele, que "de vestido curto, Luana Piovani é clicada passeando no Leblon" (vejam aqui).

EGO DO BUTECO, sempre inspirado por esse portento da internet brasileira, mostra hoje um personagem clássico do bairro da Tijuca (conheça seu Vavá aqui).

18/08/09 - 08h11min

De calça comprida, seu Vavá é clicado passeando na Tijuca, onde encontra amigos em um bar na rua Haddock Lobo


seu Vavá passeia pela Haddock Lobo, na Tijuca, fotografia de paparazzo contratado
seu Vavá encontra amigos no DIVINO, botequim na esquina da rua Haddock Lobo com Barão de Ubá, fotografia de paparazzo contratado

Seu Vavá passeia descontraidamente pelas ruas da Tijuca e encontra com amigos em um botequim da esquina. "Ele é o diretor da área, pode publicar isso aí", gritou um de seus amigos, bebendo cerveja já pela manhã.

18.8.09

EGO DO BUTECO

O bizarro site EGO instrui a humanidade revelando que "affair de Madonna, Jesus Luz toma chope com amigos em pizzaria carioca" (vejam aqui). O EGO DO BUTECO, anos-luz à frente e muito mais interessante, faz mais por você.

17/08/09 - 20h15min

Os empresários Marcelo Miranda e Thaís Pacheco são flagrados bebendo chope com o professor Dalton Cunha em botequim no Centro do Rio de Janeiro


Marcelo Miranda, Thaís Pacheco e Dalton Cunha, em botequim no Centro do Rio de Janeiro, fotografia de paparazzo contratado

"É sempre um prazer servir gente inteligente como esses três, que me foram apresentados por Zinedine Zidane", brinca o garçom Bira, ao fundo.

A TRUCULÊNCIA EM FORMA DE DECRETO

Andei pesquisando, indignadíssimo, depois do ataque que uma amiga sofreu por parte de um guarda municipal no Maracanã (leiam aqui), a íntegra do Decreto 30.417, de 22 de janeiro de 2009, da lavra de Eduardo Paes, prefeito da cidade do Rio de Janeiro.

Eis a íntegra do Decreto:

"DECRETO Nº 30417 DE 22 DE JANEIRO DE 2009.

Dispõe sobre a proibição de consumo e comercialização de bebidas alcoólicas no entorno do Estádio Mário Filho (Maracanã), em dias de jogos.

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

considerando ser a Secretaria Especial da Ordem Pública - SEOP o órgão público municipal com competência, atribuída pelo Decreto n.º 30.339, de 01 de janeiro de 2009, especificamente em seu artigo 5.º, inciso X, para formular e implementar políticas públicas que garantam a manutenção da ordem pública;

considerando os atos de vandalismo que, frequentemente, em dias de jogos no estádio Mário Filho (Maracanã), perturbando a ordem pública;

considerando que é recorrente a prática de atos de violência, sob a influência de bebida alcoólica, em dias de jogos no Maracanã;

DECRETA

Art.1.º Fica proibida toda e qualquer comercialização de bebidas alcoólicas no entorno do Estádio Mário Filho (Maracanã) em dias de jogos, no período compreendido entre duas horas anteriores ao início do evento e duas horas posteriores ao término do evento naquela praça esportiva.

Parágrafo único. Considera-se entorno do estádio referido no caput, o cinturão formado pelas seguintes ruas:

I - Rua Conselheiro Olegário, em toda a sua extensão;

II - Rua Arthur Menezes, em toda a sua extensão;

III - Rua Isidoro de Figueiredo, em toda a sua extensão;

IV - Rua Professor Eurico Rabelo, em toda a sua extensão;

V - Av. Paula Sousa, em toda a sua extensão;

VI - Rua Mata Machado esquina com Av. Presidente Castelo Branco até a esquina com Av. Paula Sousa;

VII - Rua Visconde de Itamarati esquina com Av. São Francisco Xavier até a esquina com Professor Eurico Rabelo;

VIII - Rua São Francisco Xavier esquina com Av. Professor Manoel de Abreu até a esquina com Av. Paula Sousa;

IX - Av. Maracanã esquina com Rua São Francisco Xavier até a esquina com Rua Mata Machado;

X - Av. Maracanã pista lateral esquina com Rua São Francisco Xavier até a pista lateral esquina com Rua Mata Machado;

XI - Praça Presidente Emiliano Garrastazu Médice, em todo seu contorno;

XII - Av. Presidente Castelo Branco da altura do viaduto Oduvaldo Cozzi até a estação do metrô Maracanã, inclusive.

Art. 2.º Fica proibido o consumo de bebida alcoólica, nas áreas públicas, no período estabelecidos no artigo primeiro.

Art.3.º Este Decreto entra em vigor na data da sua publicação.

Rio de Janeiro, 22 de janeiro de 2009 - 444.º ano da fundação da Cidade.

EDUARDO PAES"


Como se não bastasse minha curiosidade acerca da redação do Decreto, fui ao site do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Queria saber se houve, por parte dos estabelecimentos comerciais evidentemente prejudicados pela boçal regra municipal, alguma atitude contra a arbitrariedade. Houve. Dei de cara com o Mandado de Segurança 2009.004.00093. Fiquei sabendo que foi negada, pelo Relator do Mandado de Segurança, a liminar pleiteada pelos impetrantes (alguns bares da região). E fui à íntegra da decisão que, em sede de Agravo Regimental, negou provimento ao recurso, ficando mantida a estúpida proibição. A decisão é de uma insensibilidade assombrosa (leiam aqui). Basta dizer que assim conclui-se o voto que negou provimento ao Agravo Regimental: "Ressalte-se, outrossim, que os estabelecimentos comerciais que impetraram o mandado de segurança não têm como atividade apenas o comércio de bebidas alcoólicas, como se vê dos alvarás acostados por cópia às fls. 27/33, não se vislumbrando, assim, o dano irreparável por eles invocado.".

É de uma insensibilidade atroz ou não?

É evidente que os alvarás devem mencionar as palavras bar, botequim, restaurante, lanchonete, pastelaria etc, o que não significa dizer que a venda de bebida alcoólica nesses estabelecimentos, em dias de jogo, não seja sua grande razão de ser, não seja sua maior (ou única) fonte de lucro.

E é preciso ser muito insensível, lunático até, viver noutro mundo, para não enxergar o óbvio.

Vou acompanhar de perto o andamento do Mandado de Segurança e mantenho vocês informados.

Antes, uma pergunta: nos camarotes dos bacanas também é proibido o consumo de bebida alcoólica? Não. O leitor Daniel A., assíduo freqüentador do BUTECO, já nos contou que não, aqui e aqui.

Até.

ps1: no Engenhão e em seu entorno, em São Januário e em seu entorno, em todos os demais estádios de futebol da cidade do Rio de Janeiro, ao contrário do Maracanã, é permitida a venda e o consumo de bebida alcóolica?

ps2: se há uma unidade do JECRIM (Juizado Especial Criminal) instalada nas dependências do Maracanã, por que não permitir e venda e o consumo de bebida alcoólica e punir aquele que "perturba a ordem pública" sob o efeito do álcool ou não?

17.8.09

O BÊBADO E A EQUILIBRISTA

No dia 06 de setembro de 2009 - daqui a 20 dias, portanto - desembarcam no Rio de Janeiro os Inimigos do Batente para apresentação única no TRAPICHE GAMBOA (e a presença é obrigatória, tomem nota!).

Hoje, disposto a expor a vaidade (e o ridículo, como canto mal...) no balcão do BUTECO, deixo com vocês um vídeo gravado no dia 17 de dezembro de 2005, dia em que lancei meu livro em São Paulo (leiam sobre o lançamento aqui).

Bacana mesmo, no vídeo, é ver (pela ordem de aparição) Denise, Aninha, Ju e Maria Elisa - presenças surpreendentes no lançamento, cabendo ressaltar (estou velho, estou velho!) que Aninha e Ju eu peguei no colo, ainda bebês!

Notem, também, a nuca do homem da barba amazônica, o homem que comanda, há cinco anos, a mais bacana roda de samba do Brasil.

Até.

16.8.09

15.8.09

DO DOSADOR

* o fabuloso Hans (ou Ha-aaaaaans!, na interpretação lírica de Luiz Carlos Fraga) lança garrafas pelo TWITTER, de São Paulo, vejam aqui, dando conta de seu roteiro na cidade. Eu, através do mesmíssimo viciante mecanismo, dou a indicação certeira para a tarde de sábado - e cheio de salubérrima inveja: Inimigos do Batete no Ó DO BOROGODÓ comemorando cinco anos da portentosa roda de samba na Horário Lane 21, na Vila Madalena, a partir das 15h;

* Luiz Antonio Simas, esse brasileiro máximo (merecidamente homenageado por meu mano Bruno Ribeiro aqui) expôs ao ridículo (no que fez muito bem!) um de seus leitores publicando o texto O ESTILO DOS RONALDOS (aqui). A leitura do texto (na verdade, a leitura do comentário de seu leitor, exposto como frango em televisão de cachorro) e dos comentários dá a exata medida que expõe a que ponto chegamos também no futebol. É ler e chorar;

* o site EGO prossegue insuperável (veja e vomite, aqui). Estou pra ver - juro!, juro! - troço mais podre. Para combater, à nossa moda, essa babaquice olímpica (a visita ao site deixará você, meu leitor, constrangidíssimo), lançamos a série EGO DO BUTECO, infinitamente mais divertido. Já flagramos em momentos íntimos a estudante Flávia Calé e os aposentados seu Brasil e seu Cláudio (aqui, aqui e aqui). A partir de hoje, meus poucos mas fiéis leitores, vocês podem colaborar com a série EGO DO BUTECO (que vem sendo elogiadíssima!) enviando seus flagrantes para a redação, através deste e-mail. As fotografias têm de ser rigorosamente espontâneas (proibidas a pose e o prévio consentimento do elemento fotografado) e é necessário que venha, junto com os arquivos, uma sinopse do instantâneo;

* como eu já lhes contei aqui há, entre os meus, os incendiários que adoram me fazer de bucha. Ontem, sexta-feira, deu-se uma cena recorrente. Passava eu pela rua do Rosário quando um amigo me acenou como náufrago em mar bravio (parecia um daqueles bonecos infláveis de posto de gasolina). Disse-me, excitadíssimo, que se eu chegasse dez minutos antes toparia com a cúpula do PSOL (a expressão é dele) comendo feijoada numa mesa comprida no meio da rua. E daí?, eu perguntei; e daí?, repito agora. Não é dado aos membros do PSOL o direito à feijoada? Ri, apenas, quando ele passou a declinar o nome dos membros da cúpula. Foi quando eu disse: mas eles são o PSOL! Cúpula é apenas uma figura de linguagem que soa como deboche.

Até.

14.8.09

O MANIFESTO DE ARROMBA DO PSOL

O PSOL é, de fato, um partido surpreendente. Surpreendente e permanentemente sem-público. Eu digo há tempos que nos debates políticos do PSOL (eles são, em tudo, diferentes, não fazem comícios, mas promovem debates políticos) não há mais do que - o quê?! - cinco, seis, sete pessoas. Engolidores de fogo, no centro da cidade, reúnem em torno de si uma platéia de fazer corar de inveja o militante do PSOL. Cães malabaristas, na rua Uruguaiana, chamam a atenção de centenas de passantes. E como ninguém levava fé no que eu dizia publiquei em 16 de julho de 2009 um texto provando, com uma fotografia, o fiasco olímpico de um debate político promovido por eles (aqui).

Vai daí que anteontem o jornal O GLOBO noticiou o sucesso retumbante de uma manifestação patética do PSOL, em Brasília, com um "grupo de cerca de 10 pessoas" (recorde!, recorde!). Chamei a atenção de vocês com o texto PLANTÃO DO BUTECO (aqui).

Fui atrás das imagens que comprovariam o êxito numérico. Contem vocês mesmos. São 12 os gatos pingados na fotografia, incluindo o segurança e o policial à esquerda e a moçoila que a tudo assiste do gramado.

fotografia retirada do site do PSOL

Até.

13.8.09

EGO DO BUTECO

Enquanto o insuperável EGO nos conta que "Deborah Secco quer engravidar" (aqui), o BUTECO segue nas sendas de gente importante e interessante para que permaneçamos vivos, cariocas e bem-humorados.

13/08/09 - 10h16min

Seu Cláudio, sócio remido de quase todos os botequins da Tijuca, é flagrado bebendo sua cervejinha da manhã na companhia de um amigo de longa data


seu Cláudio e um amigo num boteco na Tijuca, 13 de agosto de 2009, foto de paparazzo contratado

Sentado à mesa de um botequim numa calçada tijucana, seu Cláudio (de camisa pólo listrada) aproveita a aposentadoria bebendo cerveja com um amigo de infância. "Ele é um grande praça, bebemos sempre por aí, e já pela manhã!", brinca o amigo.

12.8.09

HORTO GRAFIA

E depois de um bom tempo, mais uma da série HORTO GRAFIA (aqui).

Salve a última flor do Lácio, inculta e bela...

cartaz anunciando queijo coalho em um buteco na rua Alcindo Guanabara, Cinelândia, centro do Rio de Janeiro, foto de Eduardo Goldenberg, direção de Leo Boechat, 12 de agosto de 2009

Até.

PLANTÃO DO BUTECO

Acaba de sair publicado no GLOBO ON LINE.

Você não leu errado.

10 pessoas.

Eis o manifesto do PSOL.

E diziam que eu mentia (leiam OS DEBATES POLÍTICOS DO PSOL, aqui).

Até.

EGO DO BUTECO

Enquanto o inacreditável EGO nos conta que "Fernanda Torres escolhe filmes com o filho em locadora" (aqui), o BUTECO mostra mais (e melhor, e melhor!).

11/08/09 - 20h30min

Seu Brasil, freqüentador histórico do Bar do Marreco, um clássico tijucano, degusta ovos cozidos assistindo ao jogo Vasco e América de Natal


seu Brasil no Bar do Marreco, na Tijuca, 11 de agosto de 2009, foto de papparazi contratado
seu Brasil no Bar do Marreco, na Tijuca, 11 de agosto de 2009, foto de papparazi contratado

Sem esconder o nervosismo, e sem perder o bom humor, seu Brasil torceu muito para o Vasco da Gama, que não passou do empate com o América de Natal na noite desta terça-feira. "Ele está todo dia aqui, esse cantinho do balcão é a cadeira cativa do seu Brasil", brinca o garçom Danilo.

11.8.09

EGO DO BUTECO

Eu não sei se vocês conhecem o site EGO, hospedado na GLOBO.COM (onde mais, hein?!) - fui alertado para a existência do troço no domingo, por um casal de amigos! - onde você pode ficar por dentro de notícias rigorosamente sensacionais e impressionantes, capazes de mudar nossas vidas. Você fica sabendo, por exemplo, que "Luana Piovani não larga o celular durante entrevista" (aqui) ou que "mãe coruja, Nívea Stelmann diz que momentos com o filho são os melhores" (aqui). A coisa não tem limites, e é realmente inacreditável que o EGO exista (leia o lixo todo, aqui).

Por conta disso, os editores do BUTECO (em breve com ações na BOVESPA!!!!!) não pensaram duas vezes. Lançamos hoje a seção EGO DO BUTECO. Entramos em contato com uma rede de paparazzis amadores e com um foco diferente. Por aqui, nada de Dias Ferreira, Avenida Atlântica, Borges de Medeiros, nada disso. Nosso foco é na zona norte! Aproveitem!

11/08/09 - 07h41min

Flávia Calé, recém-eleita presidente da UEE-RJ com mais de 79% dos votos, relaxa em academia na Tijuca lendo a FOLHA DE SÃO PAULO


Flávia Calé, na PITBULLGYM, 11 de agosto de 2009, foto de paparazzo contratado

Lendo as notícias durante o treinamento no spinning, Flávia Calé prepara-se para mais um dia de lutas. "Ela é uma aluna muito aplicada", disse o professor de educação física que preferiu não se identificar.

10.8.09

MIS EM COPA, CIDADE DA MÚSICA 2

(cliquem na imagem abaixo, leiam e revoltem-se, desde já)

Aguardem.

Até.

JOÃO & ALDIR

Quando lhes contei, na semana passada, sobre a tarde/noite passada na Garibaldi, na companhia de Leo Boechat, com Aldir Blanc e João Bosco (aqui), fiz menção à matéria que sairia no domingo seguinte (ontem), no JB ou no jornal O GLOBO. Pois a entrevista, ótima!, foi publicada ontem na REVISTA DOMINGO, encartada no JB.

Taí a capa!

Até.

9.8.09

OS MILITANTES DO PSOL

Leiam a mensagem abaixo (cliquem para ver a mensagem ampliada), enviada para o BUTECO provavelmente por um militante do PSOL às 11h19min de ontem, sábado, 08 de agosto. Digo provavelmente pois o comentarista (eis aí um elogio) valeu-se do covarde expediente do anonimato.

comentário anônimo feito no BUTECO DO EDU, não publicado

Militante ou não do PSOL, trata-se de um covarde. E de um covarde desinformado. Embora eu tenha o GOLDENBERG no nome, não sou judeu. Não sou judeu mas tenho um tremendo orgulho de meus antepassados e de meus ascedentes, eles sim, judeus. A frase (frase?) "PSOL é muito partido" mostra, também, que o comentarista além de covarde é semi-analfabeto. Assim como o "toma consciência política primeiro", por conta do tempo do verbo, escancara a ignorância do dito cujo (ou dita cuja, o anonimato tem desses problemas). Cursei Direito na PUC - o que não me consta ser um "cursinho burguês" - o que me deu condições de saber que medidas tomar diante de um ataque desse nível.

De resto, meus poucos mas fiéis leitores, deixo a bola com vocês.

Estampando o texto de hoje com essa imagem, catapulto o covarde a um outdoor virtual, coisa que o PSOL adora.

Tivesse a coragem de dizer o que disse olho no olho, assinando a ignomínia que lança de forma torpe e vil, e me encontraria diante da Justiça. Mas essa gente, essa escumalha, essa escória, não tem o mínimo para tal: coragem.

E desde já lanço o alerta à corja: os comentários anônimos da mesma laia serão lidos e deixados na mesma cova rasa na qual se debate o partido do socialismo e da liberdade.

Até.

8.8.09

VÃO MORAR EM NY, PÔ!!!!!

O mundo anda, meus poucos mas fiéis leitores, difícil. Não bastassem todas as dificuldades (a desigualdade social, a fome e um infinito et cetera de problemas) temos ainda de conviver com um troço rigorosamente insuportável que vai minando, aos poucos e truculentamente, nossa vida mais comezinha, nossos hábitos, nosso modus vivendi, nossa cultura, nossas liberdades e nosso prazer, puro e simples prazer de estar vivo.

Os exemplos são muitos.

Estão acabando, em nome de uma europeização canalha, com o nosso futebol. A cerveja com os amigos antes dos jogos, cotovelo no balcão dos butecos ao redor dos estádios, não é mais possível. O Coiso (apud Fausto Wolff) não permite mais bebida alcóolica num raio de sei lá quantos metros nos arredores dos campos de futebol. Cerveja dentro do estádio, então, só com camelô (e salve nosso jeito carioca, salve nossa alma-garrincha que transforma o Coiso em João até o último segundo - leiam aqui).

Nossos butecos estão se tranformando em bares de grife, e tome lounge, e tome loft, e tome soft open, e tome soft drink, e lá se vão, aos poucos, nossas igrejas pagãs e seus altares-estufa, nossas moelas, nossos joelhos, nossos torremos e nosso espaço sagrado, nossa concha marinha onde todas as vozes brasileiras ecoam, e salve Nelson Rodrigues.

Daí, e eu lhes disse que os exemplos são muitos, eu poderia aqui ficar escrevendo até cansar, deparo-me com essa notinha fétida no jornal O GLOBO de hoje, na coluna GENTE BOA - onde mais?

notga publicada na coluna GENTE BOA de O GLOBO de 08 de agosto de 2009

Por que? - eu me pergunto - a incomodada não vai morar em NY? Por que, meu Deus, por que, não é dado ao homem o direito de ganhar sua vida tocando seu instrumento no meio da rua? - que é do povo, a rua é do povo! O que é que temos a ver com as regras e leis da cidade de Nova York? Por que é que dão voz a uma leitora (elevada à categoria de colunista) tão - como dizer? - picuinha?

Pra dor de cabeça da dita cuja, dois remédios: Neosaldina ou uma passagem RJxNY. A primeira solução é infinitamente mais barata mas não garante o sossego do músico da Bartolomeu Mitre. A segunda, a segunda!

Deixem-nos em paz, pô!

Até.

ps: o BUTECO DO EDU está no TWITTER, aqui!

7.8.09

500 EXIBIÇÕES!!!!!

O filme REUNIÃO DE CÚPULA DO PSOL, o primeiro produzido pelo BUTECO DO EDU, sem contar as exibições diretamente do blog - veja aqui -, já atingiu a marca de 500 exibições em menos de um mês - o filme foi posto no ar em 16 de julho de 2009.

Clique na imagem abaixo, que registra a marca de 500 exibições, vá direto ao YouTube e engrosse a lista de espectadores!

filme REUNIÃO DE CÚPULA DO PSOL

Até.

6.8.09

DESNORTES

Eu, (des)equilibrado entre o amigo efusivo com o êxito dos amigos e o fã empolgadíssimo com o arrebatador êxito do ídolos (compondo novamente juntos), já lhes mostrei, do novo CD de João Bosco, duas faixas, e as duas em parceria com Aldir Blanc: SONHO DE CARAMUJO (aqui) e NAVALHA (aqui).

Exponho no balcão, hoje, nessa manhã de quinta-feira, véspera da sexta-feira em que serão retomadas as atividades do PSOL no Buraco do Lume, a faixa DESNORTES, obra-prima (obra-prima, obra-prima!) de João Bosco e Francisco Bosco, herdeiro do talento do pai e do padrinho (Chico é afilhado de Aldir, assim como Leo Boechat é afilhado de Milton Nascimento e Helena Boechat é afilhada de Eduardo Goldenberg).

Cravada de citações que remetem à paisagem da minha mui amada e leal cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, com referência e deferência à Caymmi, a canção, gravada em falsete pelo João (cantando como nunca, como nunca!), é forte, vigorosa e intensamente emocionante.


"Quando escurece e desce a lava
Sobre o morro Dois Irmãos
Brilha a montanha, cravejada
De uma estranha ilusão
No Corcovado, bóia o Cristo
Levitando contra o céu
Tudo é febril
Tudo quer ser
Tudo lateja

Todas as tardes, pouco antes
De se despedir o sol
O mar acende, prateado, quase glacial
Sou atraído pelo infinito, é doce, irmão, morrer no mar
Morrer no mar
Morrer no mar
Tenho vontade de esquecer de mim
E nesse instante me apagar
No branco sal do mar

Pela cidade erram almas
Procurando um coração
Tantos desejos travestindo
Sempre a mesma solidão
Em álcool forte
Em mil desnortes
Em sezão

Mas hoje em dia, a seu lado
Algo se aplacou em mim
Algo de novo, pouco a pouco
Pôde aparecer enfim
Tua beleza, tua intensa luz
Toda a alegria do teu corpo são
Que ao meu canto dizem “Nada foi
Em vão”"


Até.

5.8.09

PRA LEO BOECHAT

Acabo de chegar da casa de Aldir Blanc (na Tijuca), onde estive com Leo Boechat, o nosso Bemoreira, e onde desfrutamos da companhia de João Bosco. Foi assim... Depois de muito papo e de duas garrafas de uísque, uma de Chivas (levada pelo João) e uma de Dewar´s 12 (levada por mim, presente do Caio Ramos pro Aldir e que eu guardava há mais de ano esperando o encontro certo pra entrega da encomenda - entenda aqui o por quê do presente), João no vilão, Aldir acompanhando, e eu com a intenção precípua de oferecer ao Leo uma noite tão bonita e significativa quanto foi a noite no VILARINO, quando ele - com a anuência da Renata - deu-me a Helena como afilhada.

Ouvimos um João em plena forma - e cantando como nunca. A cantoria (se a memória me trair, Boechat, ajude-me!) começou com ILUSÃO À TOA, de Johnny Alf, depois LÍGIA, de Tom Jobim. Seguiu-se com uma inacreditável interpretação de TUDO SE TRANSFORMOU, do Paulinho da Viola. Ouvimos, ainda, de Bosco & Blanc, SONHO DE CARAMUJO (Boechat chorava e guinchava feito a Helena com fome) - ouçam aqui -, NAVALHA - ouçam aqui -, NAÇÃO, MENTIRAS DE VERDADE e DESNORTES, um (já) clássico em parceria com seu filho, Francisco Bosco. Seguramente uma ou outra me escapa nesse momento, mas não é a coisa mais importante diante do que quero lhes contar - que foi uma grande noite, que foi um grande momento, que vivemos ali, como numa corda-bamba, eu e Leo, o tremendo dilema entre o amigo diante do amigo e o fã diante do ídolo.

A conversa foi grande (como a noite), e relembramos a entrevista que fizemos com o João em 2007 (aqui), ouvimos histórias hilariantes contadas pelos dois e vividas durante as inúmeras viagens pelo Brasil afora quando Aldir acompanhava João nas turnês, falamos de futebol, de política, sobre as mulheres ("que sem elas a gente não vive", apud Aldir), música evidentemente, e quando partimos, pouco depois da meia-noite, aquilo tudo parecia não caber nas cinco horas vividas dentro do bunker blanquiano.

Prova - desnecessária, diga-se - de que os dois são bruxos.

Lembrei-me demais do que lhes contei aqui, em 2006.

Quando amigos se encontram começam a cantar a paixão, são línguas de fogo, promessas e jogo, são vícios do coração. São horas perdidas que o relógio não marca.

Até.

ps1: não lhes escrevi ontem (o BUTECO é de uma pontualidade implacável!) justo por conta da tensão (do Leo Boechat, que me contaminou, vejam aqui) e da expectativa que se desenhou desde o final de domingo, quando o João começou a tecer a noite de terça-feira.

ps2: nesse próximo domingo, ou no outro (esqueci de perguntar!), sai na revista de domingo (JB ou O GLOBO?, também esqueci de perguntar...), a entrevista feita ontem com Aldir, João e Francisco Bosco!

ps3: o BUTECO DO EDU também está no TWITTER, aqui.

3.8.09

APELO ABERTO A RODRIGO PIAN

Notem vocês, meus poucos mas fiéis leitores, que um dos mais assíduos freqüentadores deste BUTECO, Rodrigo Pian, vem travando, mais especificamente comigo e com meu dileto amigo Luiz Carlos Fraga, salubérrima discussão aqui. A coisa começou, como dá-se nos butecos mais autênticos, com uma troça que fiz com ele. Teria sido no TRIBUNEIROS, de Carlos Andreazza, que ele, Rodrigo Pian, declarou-se "cupincha do Eduardo Paes". Pois a certa altura da discussão no texto A INVASÃO PALESTRINA eu disse:

- Não respeito a opinião ou a impressão de quem se intitula "cupincha do Eduardo Paes".

E eis que o Pian, munido de um bom humor que anda rareando, chamou-me de um rabugento charmoso (ou um rabugento por puro charme, algo assim).

Feito o intróito, vamos aos fatos (e ao apelo público que farei).

Ontem houve mais uma manhã de domingo na Tijuca, e reuniu-se o que Carlos Andreazza tem chamado, dentro de um hiperbolismo que me comove, de "A Mesa". Éramos - o quê?! - uns quinze, vinte (vou contar, vou contar).

Em ordem alfabética para não ferir suscetibilidades: Betinha, Candinha, Carlos Andreazza, César Tartaglia, Eduardo Goldenberg, Flavinho, Fraga, Hanns, Isaac Goldenberg, Janir Junior, Leonardo Boechat, Luiz Antonio Simas, Marcelo Moutinho (gostaria de não estar esquecendo ninguém, e não cito, para não chocar a opinião pública, os menores presentes - mentira... é que não me lembro o nome de um dos menores, pelo que crio esse subterfúgio que me parece convincente).

Partimos para o Maracanã - Flamengo e Náutico.

Saímos da esquina de Afonso Pena com Pardal Mallet e tomamos o rumo do estádio, a pé.

Dobramos à esquerda na Mariz e Barros. O Andreazza (acho que foi o Andreazza), disse:

- Vamos comprar cerveja em lata naquele pipoqueiro! - e apontou para um velhinho de seus setenta anos.

Vou à descrição do cenário.

O velhinho vendia pipocas. E ao lado da pipoqueira, um carrinho de ferro com um isopor, gelo e bebida.

Comprávamos nossas latinhas quando estacionou, freando bruscamente, uma kombi da Guarda Municipal. Descem os guardas. E levam, quatro ou cinco funcionários municipais, o carrinho, o isopor, o gelo e as bebidas.

O velhinho geme. Chora. E os homens não cedem ao apelo do pipoqueiro.

Intervim (o Andreazza me pedia calma, e eu estava calmíssimo):

- Os senhores podem entregar a ele o auto de apreensão das mercadorias?

Silêncio.

Continuei:

- As mercadorias que os senhores estão apreendendo devem ser guardadas num recipiente lacrado que deverá permanecer inviolável.

Silêncio e alguns risos-escroques de ironia. Continuei:

- Os senhores têm de entregar a ele um TRM.

Um dos gorilões olhou-me mais sério. E eu disse, olhando em seus olhos:

- O termo de retenção de mercadorias tem que indicar o número do lacre em que os produtos apreendidos se encontram.

O funcionário da municipalidade gargalhou.

Não parei:

- Caso os senhores não possam lacrar agora, têm de entregar a ele a discriminação minuciosa do que estão apreendendo. Para onde vão essas mercadorias?

Sem me olhar nos olhos, ele disse:

- Portão 18. Manda teu amiguinho passar lá com a identidade dele pra buscar! - e riu.

- Portão 18? Não será entregue na Coordenação de Licenciamento e Fiscalização (CLF)?

Ele cutucou um colega, ambos riram ainda mais, a tropa entrou na kombi e partimos pro estádio, desolados.

Um dos argumentos do homem da lei, dito aos gritos já da janelinha da kombi:

- Não se pode vender bebida alcoólica num raio de 200 metros do estádio...

Estávamos a mais de um quilômetro (o mapa abaixo é claro) do Maracanã.

roteiro a pé até o Maracanã, partindo da Mariz e Barros

Mas penso que isso, que essa discussão geográfica, topográfica, é desinfluente.

A truculência, a ilegalidade, a arrogância e a postura de quem deveria zelar pelo bem público (que nosso Pian defende, eu sei) é que é a nota triste e mais importante da coisa toda.

Esse papo de choque de ordem não me convence.

Houvesse o choque, houvesse o choque de ordem, e começasse o tal choque pra cima dos homens públicos do Executivo, e não sobraria ninguém pra apagar a luz.

Peço, pois, ao Pian, duas coisas (e uma delas me parece impossível, mas pedirei assim mesmo).

A primeira: que ele tente me relatar exatamente o que é que foi apreendido no domingo ali na área da Mariz e Barros; que ele tente descobrir o nome dos gorilões da Guarda Municipal responsável pela apreensão das mercadorias do pipoqueiro e o destino dado a tudo o que levaram do velhinho trabalhador; e que ele aceite meu convite para, num desses domingos, conhecer o pipoqueiro, que deve fazer ponto ali, depois de umas cervejas no BAR DO CHICO.

A segunda: que ele batalhe, já que lida com a coisa pública, para a moralização dessa vergonha que é a atuação covarde da Guarda Municipal no que diz respeito à apreensão de mercadorias vendidas por ambulantes que estão ali trabalhando.

Pelo pouco que aprendi na vida, pelo que sei que deve nortear uma atuação como a que vi, o que houve ali, contra o pipoqueiro, foi roubo.

Ou não?

Isso, meus caros, para não falar no que Candinha ouviu de um outro guarda municipal, na entrada do estádio. Ela terminava sua latinha quando o brutamontes disse, sem sombra de educação:

- Dá esse último gole e joga fora! Você não pode beber aqui!

Tsc.

Até.

1.8.09

LÊNIN VAI AO SAMBA, NO JB

O JB reproduz na edição de hoje, no CADERNO IDÉIAS, o texto LÊNIN VAI AO SAMBA, publicado originalmente no BUTECO no dia 15 de julho, mês passado (aqui). Dessa vez, incrementado pelo traço do Stocker.

página 8 do CADERNO IDÉIAS do JORNAL DO BRASIL de primeiro de agosto de 2009

Aproveito para recomendar vivamente aos que ainda não viram o filminho REUNIÃO DE CÚPULA DO PSOL, aqui.

Até.