4.9.09

ELES PENSAM ASSIM

Continua fervendo a polêmica sobre a iniciativa da Secretaria Municipal de Habitação de construir, na rua Conde de Bonfim, onde há um imenso terreno outrora ocupado por um grande supermercado e hoje rigorosamente abandonado, um conjunto habitacional para 400 famílias. A grita da classe média rancorosa e covarde não cessa. Basta ler isso aqui, isso aqui, isso aqui, isso aqui e isso aqui.

Ontem à noite fui procurado, por telefone, pelo jornalista Gabriel Mascarenhas, de O GLOBO, responsável pelo blog BAIRROS.COM, do jornal O GLOBO, seção GRANDE TIJUCA (vejam aqui). Como antes do telefonema eu recebi um e-mail do Gabriel, fui atrás de informações sobre seu trabalho. Pareceu-me - eu disse pareceu-me - que o blog GRANDE TIJUCA é pautado pelo inacreditável CITY TOUR DA DESORDEM URBANA (vejam aqui), mantido por um grupo que se intitula, assim mesmo, com maiúsuculas, "Grupo Grande Tijuca", ou "GGT" (adoram siglas, adoram siglas...).

Mesmo assim concedi a entrevista.

Não sei se será, nem onde será, publicada (se no jornal de bairro ou no blog). Curioso mesmo, durante a conversa, foi quando o Gabriel me disse:

- E se eu te disser que entrevistei moradores da favela Indiana que me disseram que não querem ser removidos, quer dizer, transferidos, para o terreno do Carrefour?

Eu respondi:

- Não muda nada minha posição. Eu não sou exatamente a favor da construção de um conjunto habitacional para os moradores da favela Indiana. Eu sou a favor da construção de um conjunto habitacional para 400 famílias e rigorosamente contra a grita fascista de quem é contra a iniciativa por conta de um odioso e rancoroso preconceito. Aposto, Gabriel, que se a Prefeitura construir o conjunto e abrir inscrições para entrega das chaves, em menos de 24 horas não haverá uma única vaga disponível.

Vamos ver se a entrevista sai, como sai e aonde sai.

O Gabriel, 27 anos, pareceu-me disposto, mesmo, a ouvir uma opinião agudamente oposta à opinião dos "homens de bem" que são contra o troço. "Homens de bem" - são como eles se intitulam - capazes de escrever o que se segue (comentário feito aqui). Os grifos são meus. O e-mail que aparece no final do comentário é do comentarista e parece não existir. Tirem as crianças da sala e leiam. É tudo muito triste.

"Totalmente apoiado o NÃO A REMOÇÃO DA FAVELA. Chega de favelas na cidade! Não adianta urbanizar, nem criar favela bairro, nem dar condições de moradia decente aos favelados, pois a "comunidade" (não se pode chamar de favela pois é preconceito!), não vai cuidar, principalmente porque estão acostumados a serem "coitadinhos" e protegidos pelo poder público. A verdade é que quanto mais se dá a eles mais eles querem e se acham no direito de invadir nossos espaços com uma pseudo cultura chamada funk, e outros comportamentos de péssimo gosto e típicos de um povo sem educação. E o pior, tudo isso com a conivência prostituida dos governo federal, estadual e municipal. Se querem remover favela, que as removam e as mandem para uma zona rural, de modo que se possa criar, pelo menos uma comunidade sustentável. Não ficaremos sem nossos porteiros, domésticas e faxineiras pois essa mão de obra não mora em favelas próximas e sim na baixada ou em comunidades distantes. Já não chega termos nossos imóveis desvalorizados, convivermos com a sujeira e desordem das kombis, bailes, e moto-taxis, etc, aspectos típicos da beira de uma favela. Por que o Bittar não leva o pessoal da favela para frente da casa dele!!!!

umberto_enrico@yahoo.com.br"


Que tal?

Sugiro ao Pian que faça chegar tal mensagem ao Bittar.

E outra coisa: o vereador Eliomar Coelho... será que teria algo a dizer sobre isso? Eu gostaria muitíssimo de saber.

Até.

ps: não deixem de ler o texto do Cesar Tartaglia e os comentários deixados pelos leitores (respondidos à altura pelo bardo tijucano!), aqui.

14 comentários:

Fábio disse...

Bom dia, caro Edu
Peço licença para postar junto ao meu comentário um poema do grande Sérgio Vaz, da Cooperifa de Sampa, pra contrastar com todo esse esgoto que sai da mente dessa troça predadora que se acha o suprassumo da raça humana:

COISAS DA VIDA (TERRA EM TRANSE)
.
Hoje
Eu vi uma criança acordada
comendo pão dormido.
Um homem desempregado
empregando uma arma.
Uma mulher vestida em trapos
lavando roupa cara.
Um policial desalmado
separando um corpo da alma.
Uma menina desnutrida
com a barriga cheia.
Uma bala perdida
procurando uma veia.
Senhoras de joelhos
andando sem destino.
Velhos com olhos vermelhos
chorando como menino.
Poetas loucos
cuspindo razão.
Anjos e demônios
na mesma religião.
A miséria na coleira da fartura
a vida fácil
às custas da vida dura.
Gente sorrindo
com o coração em pranto
surdos ouvindo
a canção dos falsos santos.
Vi mãos calejadas
beijando mãos macias
José nas enxadas
no cabo delas, Maria.
Com mansos olhos de fel
E a boca dura de fera
vi um país no céu
E o inferno na terra.
.
Sérgio Vaz

Lucio Lemos disse...

"Não ficaremos sem nossos porteiros, domésticas e faxineiras."
Edu, dá pra ter diálogo com gente assim?

Espero que todos gentilmente repousem suas nefastas cabeças no travesseiro a noite, ao som do pancadão da "Comunidade Carrefour".

Luiz Antonio Simas disse...

É...ainda não conseguimos superar a velha síndrome da Casa Grande e da Senzala. Cada vez mais, mano velho, preciso estar junto aos meus - bem longe desse povo preconceituoso dos infernos. Eu acho que a prefeitura deveria mudar de estratégia. Que tal construir condomínios cercados em Vargem Grande [New Barra poderia ser um nome bacana] e remover essa gente de bem pra lá? A condição é que os sujeitos não saiam de lá, por questões de segurança [nossa, é claro], nunca!

Eduardo Goldenberg disse...

Fábio: maravilha, rapaz! Mas a canalha - como de se esperar - não terá, nunca (com a ênfase szegeriana), capacidade para compreender isso tudo. Abraço.

Não, Lucio, não dá pra discutir com gente assim. Não passarão!

Seria fabuloso, Simas. É uma gente nojenta que se vale dos mesmos chavões nojentos de sempre... "nós, cidadãos de bem...", "nós, pagadores de impostos...", um nojo, um nojo. Beijo.

Carlos Andreazza disse...

Este Buteco vive dias grandiosos... Pra cima da canalha!

Eduardo Goldenberg disse...

Valeu, Andreazza! Pra cima da canalha! Um forte abraço!

Eduardo Carvalho disse...

Meu caro Goldenberg.

As palavras desse absoluto cretino que você publicou são de um fascismo absoluto, um troço inominável, abjeto e, com gente assim, como dizia o meu saudosíssimo avô Durval Tavares, o Pará, "só bala"!

Lembrei-me da época em que houve um movimento de moradores da Barra da Tijuca para fechar as entradas do bairro, fechar o túnel ou sei lá que bosta parecida com essa, "para evitar os farofeiros que invadiam a praia" (ou algo assim).

É tudo farinha do mesmo saco, uma certa classe mé(r)dia que sempre atrapalhou e atrapalhará o Rio e o Brasil. Estou enojado...

Pau na canalha, pau na canalha!

Grande abraço.

Diego Moreira disse...

Quase vomitei de tanto enjoo ao ler o comentário desse bosta. Que nojo! Pra cima da canalha!

Rodrigo Pian disse...

Goldenberg,

Estive hoje na Secretaria de Habitação conversando com o mui prestativo Subsecretário Pierre Batista.

Debatemos uma série de questões referentes ao meu espectro de atuação, a área da IV Região Administrativa, e, logicamente, dialogamos a respeito da questão Indiana.

Pano rápido: não me faço nem um pouco necessário no que tange a levar sua palavra escrita ao Secretário Bittar. O primeiro ponto de minha conversa com o Sr. Pierre foi justamente seu blog, lido por boa parte das lideranças da SMH, incluindo - evidentemente - o próprio Bittar.

Volto.

A posição da SMH parece se manter. São favoráveis sim ao complexo haitacional para as 400 famílias. Porém, querem fazer a cousa toda com o devido planejamento. Colocar abaixo aquela estrutura imensa do hipermercado, retirar os consequentes entulhos e edificar algo de grande porte são atividades que exigem custos grandiosos. Todo o estudo e planejamento se faz necessário, palavras do Subsecretário. Mais do que certo!

O que posso adiantar é que a SMH está recheada de pessoas mais do que experientes no quesito habitação. Digo isso sem nenhum medo de errar.

Quanto a um ou outro morador se recusar a ser deslocado, isso é mais do que natural. Porém, pode ter certeza que essa posição não reflete, de maneira nenhuma, o sentimento da grande maioria de quem passa por esse tipo de situação.

Já com relação aos comentários por você exibidos, não tenho muito o que falar.

Cada um tem a sua posição e o poder público sabe que agradar a todos de maneira absoluta é exercício irracional e impossível!

Continuemos a bebericar nesse balcão de diálogo inestimável!

R.Pian

Blog do Ernestão disse...

Caro Edu

Aqui destas Campinas, tenho acompanhado esta batalha perpetuada por você e todos os amigos ou não que concordam com seu pensamento, que por sinal é perfeito.
Puxa vida, aqui nesta cidade,temos CIDADÃOS, mas faltam CIDADÃOS, como você que dão a CARA pra bater, de peito e cabeça centrada contra estes desmandos destes hipócritas, que se dizem BASTIÕES DA MORALIDADE e da SOCIEDADE.
Fiquem com minha humilde solidariedade, mesmo acompanhando a mais de 500 km.

Como vocês dizem: " NÃO PASSARÃO".

Forte abraço à todos.

Ernestão

Caio Vinícius disse...

Edu,

Se eles se dizem Homens de Bem, pelo menos nisso eles aparentam certa coerência.
E digo mais : eu tenho medo dos Homens de Bem.

Veja se o discurso dos Homens de Bem não é alinhado :

http://www.ordemhdb.com/

Abç,

Caio

Anônimo disse...

Edu, os textos foram publicados nos comentários das matérias deles. Você não pode responsabilizá-los pelos comentários que os outros escreveram lá! Imagina se escrevem uma besteira aqui também?

Beijos,
Lucinha

Eduardo Goldenberg disse...

Lucia (não a conheço, seu comentário não é feito com login, então permita-me o distanciamento necessário): não responsabilizei ninguém por nada. Reproduzi, apenas, um comentário feito lá. Comentário que não foi, diga-se, rechaçado por nenhum dos admnistradores do troço. Como seria se feito aqui. Aquele abraço.

Monica Araujo disse...

Desde a primeira publicação destes comentários , só consigo imaginar que tipos como os skinheads , podem estar na esquina da minha casa sem que eu saiba. Estou realmente muito impressionada. É aquela velha história , nós sempre achamos que a violência está distante de nós e na verdade ela está disfarçada,ali ... camuflada... muito mais próxima do que imaginamos. Se fosse pra ter medo de alguém provavelmente teria de um cara destes , com um discurso tão rídiculo. O blog fala sobre a MUDANÇA dos moradores de Indiana os caras falam em tráfico de drogas , @#*¨¨#@" !!!! Vão trazer os moradores ou a boca para o Raio do Carrefour ????? As 400 familias que estão por vir são do tráfico ???? Na boa , nunca em 43 anos de vida li tanta merda de uma vez só !!!!