11.9.09

O LEBLON, SEMPRE O LEBLON

(ou "E SEGUE O GLOBO EM SUA TRAJETÓRIA PERNICIOSA")

Estréia, na segunda-feira, a nova novela de Manoel Carlos, o Papai Noel do Leblon (e das construtoras e imobiliárias do bairro, na zona sul da cidade). Para o Maneco só há o Leblon, nada mais que o Leblon, nada além do Leblon em São Sebastião do Rio de Janeiro, infinitamente maior, em todos os sentidos possíveis e imaginários, que o bairro mais caro da cidade.

E a revista RIO SHOW, de O GLOBO de hoje, faz sua parte para fomentar esse sentimento asqueroso que é injetado, como droga, nas veias do povo carioca (há, evidentemente, os que são imunes a isso tudo).

Em matéria assinada por Jefferson Lessa e Lívia Breves (ele, reincidente), a revista - vão tomando nota das barbaridades!!!!! - sugere que "tem sempre alguém tomando o café da manhã no Leblon". Senhores, confesso-me estupefato. Onde mais, não é mesmo?, alguém pode tomar café da manhã na cidade? Hein?! A dupla de repórteres (e como O GLOBO anda bem nesse quesito!) diz, na abertura da matéria (péssima, como de hábito), que no Leblon "dá para ir andando de um breakfast para o outro". Que maravilha, não?

capa da revista RIO SHOW de O GLOBO de 11 de setembro de 2009

Daí começa o festival de jabá.

A dupla sugere o LE BRONX (vão tomando nota dos preços, dos preços!!!!!) e seu "suco de abacaxi com lichia e manjericão" por R$ 6,30!!!!! Sugere também o FOCACCIA e seu café da manhã batizado de New York, que serve bagel de cream cheese e salmão defumado, ovos mexidos e uma taça de prosecco por R$ 32,00!!!!! Com R$ 32,00 você almoça na zona norte com fartura. Pigarreio e volto. Os dois sugerem também o VANILLA CAFÉ, marca paulista que chegou ao Leblon para "sorte dos cariocas" (?????). Por R$ 49,00 serve café da manhã para duas pessoas com pão de queijo, café, frutas, iogurte, bolo e pães variados. Demais, não? Acabou? Não! Não! Não! Tem mais jabá.

Eles indicam ainda o DELI 43 - PAVELKA (que nome, que nome, que nome!). No TALHO CAPIXABA eles sugerem uma xícara de café orgânico por R$ 3,10! Acabou? Não! Tem mais - muito mais! - jabá.

Indicam o ALESSANDRO & FREDERICO onde moradores "batem ponto com suas bicicletas e cachorrinhos no varandão". Entrevistando (pausa para golfada) uma frequentadora, nos contam que a publicitária Beatriz Sant´anna "gaba-se (...) deliciando-se com o Café Bianco". Grande informação! Grande!

Lembrei-me de Gabriel Mascarenhas (entendam aqui o por quê). Vamos em frente.

Contam-nos, os repórteres, que no SANTA SATISFAÇÃO o "espaço fica lotado de pessoas querendo um pão quentinho e otras cositas más para começar bem o dia.".

Sobre a próxima dica, prefiro pôr a imagem. Se eu fosse transcrever o diálogo entre dois bacanas que foram entrevistados pela dupla de repórteres eu, franca e sinceramente, quebraria o teclado, tamanho o nojo. Vamos lá.

publicado na revista RIO SHOW de O GLOBO de 11 de setembro de 2009

Tal diálogo, altamente dignificante, deu-se entre um "editor de vídeos" e um "videomaker". Não são a mesma coisa, pô? Que tal, hein?

Acabou?!

Nããããão! Jabá forte, jabá forte!

Citam o GARCIA E RODRIGUES, onde o café da manhã sai a R$ 38,00 por pessoa "com direito a repetir". O ARMAZÉM DO CAFÉ, com "ótimo blend".

E fecham a matéria (?????) recomendando uma padaria!

A RIO LISBOA, onde o café da manhã custa R$ 20,00. Eu disse - agora por extenso - vinte reais: sanduíche, média, suco de laranja, pão com geléia, mamãe* e ovos mexidos.

Esses caras, esse jornal, só podem estar de sacanagem.

Tomei um senhor café da manhã hoje, na Tijuca (vocês sabiam que na Tijuca também se toma café da manhã?! Surpreendente, não?) - café preto coado no saco, fresco e sem frescura, um pão abarrotado de manteiga e uma garrafa de água com gás por R$ 3,50. E acho, franca e sinceramente, que só um otário, mas muuuuuito otário mesmo, acredita nessa papagaiada toda que a RIO SHOW (e que a nova novela da GLOBO fomentará) propaga.

Até.

*mantido o "mamãe" (erro meu de digitação, o correto, evidentemente, é "mamão"!) para que faça sentido o comentário bem-humorado do Rodrigo!

22 comentários:

Felipinho disse...

E como tem otário por aí, quero dizer... otários! Aos montes, Edu, aos montes! Acham chique ficar pagando cinqüenta pratas no café da manhã que o jornal manda, em vez de 3 pratas no mesmo café em outros locais.

Vania disse...

Ah, Edu, mas eu prefiro muito que eles continuem lendo o Globo, pagando uma fortuna para tomar café da manhã no Leblon e pensando do jeito que a mídia quer... Já pensou se descobrem o café da manhã da Padaria Caprichosa, em pleno Grajaú??? Que fiquem por lá!
beijo

Eduardo Goldenberg disse...

Felipinho e Vania: sei bem das "vantagens" dessas matérias. Manter esse povo longe do que é bom e barato (que passa a ser caro se eles chegam...) é uma delas. Mas isso não me impede de espancar, com força, um cocô desses publicado no jornal. Viva a Caprichosa, a Milu, a Trigus... Beijo nos dois.

Anônimo disse...

"Esse é o costume do Leblon, onde o povo é mais rico e tem tempo de tomar café na rua". Pqp aqui na central próximo de onde eu trabalho milhares de pessoas também tomam café na rua.
Alex Carneiro

Eduardo Goldenberg disse...

Alex: isso só prova que essa gente, da mesma laia dos que vêm fazendo a grita na Tijuca contra a ocupação do terreno do Carrefour, não conhece o povo da terra em que vive. São, meu caro, uns tristes de tarja preta. Abraço.

Bruno Ribeiro disse...

Querido, tome nota! Hoje, antes de entrar no trabalho, parei na vendinha da Mocica e do Seu Pedro, um casal de japoneses que estão no mesmo ponto há mais de 50 anos. Tome nota: um café preto de coador; um pão francês com muito queijo Minas; uma suco de laranja feito na hora; e uma banana dulcíssima. Tudo isso por apenas R$ 3,70. A banana foi de graça, de graça! E o bate-papo que tive com os velhinhos no balcão... esse não tem preço!

Rodrigo disse...

Pô Edu, tomar café com "MAMÃE e ovos mexidos" por VINTÃO no Rio Lisboa deve valer a pena só pela MAMÃE, né não?!
Abraços

Eduardo Goldenberg disse...

Bruno, querido: e esse povo sabe lá o que é conversa, bate-papo? Eles só sabem o que é pose, mano, só pose. Beijo.

Grande, Rodrigo! Mantive o erro em sua homenagem! Abraço.

Cesar Tartaglia disse...

Edu, e na Milu ainda tem, obviamente que digrátis, a insuperável trilha sonora como pano de fundo do café da manhã: os maiores sucessos de Paulo Sérgio, Antonio Marcos, Golden Boys, Leno e Lílian, Waldirene, Jerry Adriani... mó timaço!

Rodrigo disse...

Edu, obrigado pela consideração em minhas colocações (de fato, com intuito de brincar e ignorar esse lixo de reportagem).
Peço a licença de também expressar meu nojo pela FRESCURA explícita no "Rio Show" que não tem nada de Show e muito menos de RIO.
Forte abraço.

Bezerra disse...

Edu, é numa hora dessas que eu sinto saudades do bom e velho café da manhã servido no Bar Andorinha, que ficava próximo à faculdade onde eu estudava, na Vinícius de Moraes, em Ipanema.

Só R$ 2,50, meu amigo, um digno pão na chapa e uma média. Detalhe: eu era o único daquela faculdade a tomar café no Andorinha.

Diego Moreira disse...

Edu, eu sei que você é preciso do início ao fim, e respeita até os erros de digitação (mamãe é exemplo disso) quando se faz necessário.

O único detalhe que eu somaria a esse texto que com R$ 32,00 você E SUA FAMÍLIA almoçam na zona norte com fartura.

Pau na canalha! Abraços!

FELIPE DRUMOND disse...

A melhor parte da matéria é a afirmação: "tem sempre alguém tomando o café da manhã no Leblon".
Fiquei pensando em como essa é uma característica "fascinante" do bairro. Afinal, em que outro lugar desta cidade ou do Brasil as pessoas tomam café da manhã? Inimaginável, não? rs
Quanta babaquice! O pior é que tem gente que compra essas ideias vendidas nesses poços de bosta que são essas porcarias dessas novelas, p. exemplo.
Abraços

Cazé disse...

Fala sério! Esses caras são mesmo muito babacas! Saudades que tenho dos cafés da manhã nas padarias da Mariz e Barros, com tudo a que tinha direito, inclusive uns (e umas) atendentes com a simpatia e a receptividade que só existem no nosso lado do túnel.
Hoje, tijucano de coração exilado em Volta Redonda, tenho vontade de ir até aí e pegar um "mané" desses pela gola e mostrar o quanto eles são otários! abraços.

Rodrigo Pian disse...

Vocês não sabem de nada!

Saio todas as manhãs daqui do Flamengo só para tomar meu desjejum no Talho Capixaba.

Meu sanduíche de presunto parma com salame, mostarda preta e mel faz valer a pena os módicos 29 reais que gasto todos os dias neste nobre estabelecimento.

E para não me chamarem de elitista, ressalto que vou e volto de 571!

(Estou ansiosíssimo para o início de mais uma saga lebloniana do Maneco)!

Um abraço debochado,

R.Pian

Allan disse...

Tá certo, tá certo. Aproveitando a rabeira, tenho que confessar que entrar na Pavelka da Gonçalves Dias me deixa triste, apesar do Perec e do Drumond sempre irem lá. Ô lugar triste...

Mas voltando, confesso que o cinema do bairro vale a pena: é bem mais gostoso sair da sala de projeção e cair direto na calçada.

Luiz Antonio Simas disse...

Minha mulher, a fundamental Candinha, também está no aguardo de mais uma saga do Maneco. É mole?

AOS QUARENTA A MIL disse...

Ah, eu também estou ansiosa pela saga do Maneco. Mulheres adoram suas novelas pelo romantismo nem olham para o Leblon. Quando o cartão refeição recarrega, faço uma graça com os sanduíches do Paladino , no dia a dia , suco de "mamãe" com pão na chapa do "Deu La Deu" o cafezinho fica por conta da empresa que é grátis o resto tudo no ticket, tudo no ticket!!! Agora como alguém pode trocar um pãozinho de sal e café preto por salmão defumado e prosecco (?!) e pagar R$32,00 pratas ??? Tá doido !!!

Luiz Antonio Simas disse...

Como ninguém mencionou, faço eu: o melhor café da manhã do mundo fica na Rua Lúcio de Mendonça, esquina com Mariz e Barros, na doceria Sta. Rita de Cássia. Do bom e do melhor, ideal para as famílias, ótimo preço, em um bucólico reduto tijucano, cercado de verde, com pássaros cantando, brisa constante da Mata Atlântica, terceiro melhor clima do mundo e o diabo.

Andrea disse...

Eu também acho um absurdo como eles falam dessas coisas sem a menor noção de preço. Calma ai. Sei que o assunto é café da manhã. Mas é que me lembrou o que sinto quando leio os jornais e revistas e mostram aquelas coisas lindas e baratinhas... muito baratinhas, tudo a 10000 pra cima. Voltando ao assunto. Eu adoro tomar café da manhã domingo na rua. Aqui (eu moro perto da praça saens pena) vou ali na Conde de Bonfim e peço um pão frances sem nada, outro com queijo minas na chapa, 1 vitamina de mamão com banana e 1 café. Sai por menos de 10.

Vicky disse...

Eu daria TUDO por um café de coador e um pao quentinho cheio de manteiga. Nessa BOSTA desses EUA esse povo nao sabe nem o que é comida. Coloquei meu marido rodando a cidade para achar um pao frances pra mim outro dia. Só achou um velho, tive que fazer torradas. E o povo que endeusa essa porcaria de país é o mesmo que acha que só no Leblon se toma café da manha. PQP. E eu com fome!

caíque disse...

"Esse é o costume do Leblon, onde o povo é mais rico e tem tempo de tomar café na rua". Pô, Edu... como diz um amigo meu - tijucano, por sinal - "esses caras são cheios de 'pegar cocô com a mão, né não?'"
abração.
caíque.