30.11.09

DO DOSADOR

* não tenho a menor paciência para discutir política aqui no BUTECO. Terreno fértil para discussões sempre muito acaloradas, a política, quando discutida pela internet (valhacouto para covardes de plantão e anônimos cheios de falsa coragem) é extremamente cansativa, razão pela qual nunca (ou quase nunca) falo de política por aqui, salvo quando para defender, com veemência, o governo de Luís Inácio Lula da Silva, um grande estadista, ainda que digam o contrário por aí. Na sexta-feira, conversando com Leo Boechat, o assunto - política - veio à mesa e chegamos a conclusões que, sei, serão motivo de muita controvérsia. Mas quero dizer a vocês, meus poucos mas fiéis leitores, que muito me orgulha a posição que alcançamos diante do mundo, muito por conta do carisma e da competência do Lula e de seus homens de confiança no terreno da diplomacia, e refiro-me notadamente a Marco Aurélio Garcia e Celso Amorim. E que não entendi, sinceramente, a grita em torno da recente visita de Estado do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ao Brasil. Os mesmos que espernearam por conta da visita esperneavam quando o governo brasileiro, comandado pelos porcos militares que nos subjugaram por mais de 25 anos, era recebido pelo mundo afora? Os Estados Unidos da América, que além de tudo financiaram e coordenaram muitas das ações do governo ditatorial brasileiro, deveria repelir qualquer aproximação com o Brasil por conta da vergonha que eram as torturas e os assassinatos aqui cometidos? A mesma falta de paciência eu tenho, agora, com relação a Honduras. Estou, sem parar muito pra pensar, com Lula: "Então, minha opinião é que o Brasil não tem que reconhecer (a eleição). O Brasil manterá a posição porque não é possível a gente aceitar um golpe, seja ele militar, seja ele disfarçado de civil, como foi o golpe de Honduras.";

* já li hoje diversas pessoas, na imprensa e mesmo na blogosfera, dizendo que o nível do Campeonato Brasileiro é baixíssimo, que o futebol jogado pelos clubes brasileiros é sonífero e medíocre, que isso, que aquilo, que aquil´outro, blá-blá-blá. Isso pouco importa. É o Campeonato que temos, são os clubes que temos com os jogadores que temos e o que importa é que no próximo final de semana conheceremos, todos, o campeão de 2009. Uma das coisas que sempre mais me importou, mesmo, no futebol, foi o componente da emoção. E emoção não tem nos faltado. Emoção que é, diga-se, diametralmente oposta à frieza dos números que a imprensa insiste em divulgar. Alguém realmente se interessa por saber quais (e se fia nas) possibilidades matemáticas vira-e-mexe divulgadas pelo matemático Tristão Garcia? O Flamengo tinha, há algumas semanas, 1% de chance de ser o campeão. O Fluminense, 99% de chance de ser rebaixado. Ou seja, uma besteira olímpica e extremamente irritante. Quando é que vão parar com isso?;

* conforme o esperado, a rodada de ontem foi teste para cardíaco, literalmente. Vamos a algumas palavras sobre ela. Em primeiro lugar, loas para Diego Souza, do Palmeiras. Seu gol já está inscrito na galeria dos mais impressionantes que já vi (vejam os gols aqui). Vencendo o Atlético Mineiro por 3 a 1, o Palmeiras ocupa hoje a terceira posição e tem, ainda, condições de sagrar-se campeão no domingo que vem, quando o país vai parar para ver e ouvir a eletrizante última rodada do Campeonato Brasileiro;

* o Goiás derrotou o São Paulo (que ocupa hoje a quarta colocação) por 4 a 2 pondo por terra, de vez, a papagaiada sobre a "mala branca" que teria recebido pra fazer jogo duro contra o Flamengo na semana passada (vejam aqui os gols da partida);

* o Fluminense, responsável pela mais impressionante campanha do Campeonato Brasileiro - é, de fato, emocionante a reação do tricolor das Laranjeiras! - goleou o Vitória por 4 a 0 (vejam aqui os gols da partida) e manteve mais-que-acesa a chama da esperança de fugir do rebaixamento. Mais que isso, contrariando minhas expectativas, demonstrou uma gigantesca capacidade de superação depois da derrota sofrida em Quito, na quarta-feira passada, fazendo com que seja possível sonhar com a conquista da inexpressiva Copa Sul-Americana na próxima quarta-feira no Maracanã. Precisando golear a LDU, duvido que alguém seja capaz de dizer, hoje, que o Fluminense não conquista a Copa. Teremos, todos, um belíssimo aperitivo na quarta-feira que antecede a rodada final do Campeonato Brasileiro;

* o Internacional venceu o Sport na Ilha do Retiro por 2 a 1 e chegou à vice-liderança, atrás do Flamengo, dependendo de um tropeço do rubro-negro que enfrentará seu histórico rival, o Grêmio, no Maracanã, pela última rodada. Fabrício Carpinejar escreveu interessantíssimo texto sobre os eventuais papéis que o Grêmio desempenhará no próximo domingo (leiam aqui). Eu, particularmente, não acredito que vá haver corpo mole por parte do tricolor gaúcho. A conferir;

* o Botafogo, perdendo pro Atlético Paranaense na Arena da Baixada entrou na área da degola (vejam aqui os gols da partida). Os dois clubes eram adversário diretos na luta contra o rebaixamento e fizeram um jogo desesperado. Pensei muito em Luiz Antonio Simas, que lá de São Paulo (na casa do homem da barba amazônica), sofria como sofrem todos os botafoguenses. Quero dizer aqui, de público, a ele, ao Marechal, ao Fernando Molica, ao Carlinhos do AL-FÁRÁBI, a todos os botafoguenses, que torcerei olimpicamente por uma vitória do Botafogo, contra o Palmeiras, no domingo que vem. Vai ser difícil, mas esse Campeonato Brasileiro de 2009 já mostrou que NADA (com a ênfase szegeriana) é impossível;

* vamos ao Flamengo. Protagonista de uma campanha heróica no segundo turno da competição, o Flamengo chegou ao topo da tabela depois de improváveis resultados nas últimas rodadas. Vencendo o Corinthians em Campinas (no estádio do Guarani, do meu mano Bruno Ribeiro, ele também na casa do homem da barba amazônica, ontem) por 2 a 0, e graças à derrota do São Paulo para o Goiás, o Flamengo está, agora, a uma vitória do título que persegue desde 1992, quando conquistou o pentacampeonato (vejam aqui os gols da partida, com absoluto destaque para o lançamento preciso de Toró para Zé Roberto que resultou no primeiro gol). Eu, escoladíssimo, ainda não comemoro nada, salvo a liderança por uma semana. Espero que o time tenha cabeça fria e que a torcida tome vergonha e apóie o Flamengo como sempre fez, preocupada com o jogo e com sua participação quase sempre decisiva. Nada de oba-oba durante a semana, nada de mosaico-viado, nada de gritos de guerra que nada tem com a tradição do maior clube do planeta. Lamento profundamente a ausência de Álvaro (um guerreiro suspenso pelo terceiro cartão amarelo) e torço pela franca recuperação de Adriano, que disputa uma batalha particular pela artilharia. Acho, mesmo, que o Flamengo deve ter muito os pés no chão. São muitos os exemplos (recentes) de frustrações retumbantes em pleno Maracanã em jogos extremamente decisivos. Todo cuidado é pouco. Está em jogo o hexacampeonato, do Flamengo e do Andrade, ele, na minha modestíssima opinião, o craque do Campeonato Brasileiro de 2009.

Até.

10 comentários:

Marcelo Moutinho disse...

Para que o Flu fique na Primeira, coroando sua bela reação, e o Botafogo se salve, mantendo-se os dois times cariocas na "elite", talvez Glorioso nem precise vencer.
Caso o tricolor ganhe do Coritiba, um empate com o Palmeiras garante o Bota.

Daniel A. de Andrade disse...

Edu, parabéns ao Flamengo, será campeão, com méritos de ter sido o time mais regular, e de ter jogadores decisivos (craque, craque, só tem um: o Pet). Não acredito que o Grêmio fará qualquer esforço no próximo domingo. A rivalidade entre os dois times de Porto Alegre, é muito maior do que qualquer outra, dentro do Brasil.

Nesse campeonato, sempre estive certo de uma coisa: o São Paulo, enquanto tiver o W9 (não ouso nem escrever o nome desse encosto), jamais ganhará títulos.

A luta do Fluminense passa, ainda, por mais dois jogos dramáticos, duas finais. E, mesmo jogando bem, nada será tranqüilo. Nosso presidente não é um cardiologista por acaso (espero que seja melhor médico, do que presidente).

Abs.,

Daniel A.

alexandre disse...

Estive neste final de semana nesta cidade Maravilhosa e fui ao Maracana acompanhando minhas sobrinhas (ir ao estadio era uma parte do presente de 15 anos).

Edu, Passando as vistas no "grobo" de 29/11/2009 ví uma nota que dizia que o PSTU e o PSOL perderam uma eleição estudantil/Universitaria para a cahapa "anti-esquerda universitaria" pelo fato de concorrerem com chapas separadas.

Qual delas? disse...

Perguntei ao Evaristo Uczar, gremista de nascimento, se ele torceria pela vitória do Flamengo no domingo. Respondeu: Sou Grêmio, e por ele torcerei, não importam as circunstâncias.

caique disse...

"Eu, escoladíssimo, ainda não comemoro nada, salvo a liderança por uma semana." sábias palavras, Edu. Sábias palavras. A gente torce, acredita, mas comemorar, só a liderança por uma semana. Semana que vem ainda não chegou.
Saudações rubronegras.
Caíque.

Felipinho disse...

Parabéns ao Andrade, que calou muita gente. Mas essa atitude do Grêmio e do Corinthians de entregarem o jogo acaba com o futebol nacional.

Alfredo disse...

Caro Edu,
Essas pitonisas que vivem a palpitar ( e a errar) no futebol são, na verdade, proxenetas do esporte bretão. Não tem assunto, é sempre a mesma lenga-lenga: "Diretorias incompetentes, mata-mata", e o carvalho a quatro.
Passaram a vida inteira sonhando com um campeonato equilibrado, agora que o tem, chamam-no de entediante.
Já faz algumas semanas que confidenciei aos amigos que o Fogão seria o fiel da balança. Acho que, para sua sorte, vou acertar.

Eduardo Carvalho disse...

Eduardo Goldenberg, meu caro:

sábias e certeiras palavras, com as quais concordo inteiramente, do início ao fim. Permita-me: viva Luiz Inácio Lula da Silva, digam o que disserem.

O Flamengo e essa rodada passada quase me mataram do coração, eu que, terminado o jogo, chorava feito uma criança.

Desde então, e como sempre em outras vésperas de jogos decisivos, não admito aqui em casa nem onde circulo que se fale em "já ganhou", em "entrega" de jogo, essa bobajada que não se sustenta. Nada de favorito. Nada de comemorar o que não tem que ser comemorado.

Vamos com calma, o Maracanã será pequeno e a ansiedade é tanta que à uma da tarde deste domingo já estarei, se Deus quiser, nos arredores do Mário Filho, como, aliás, em 92 e, sobretudo, em 87, nas duas ocasiões braços dados com o meu saudoso avô. Ele que, lá do alto, me olha agora e se concentra para que o Flamengo jogue tudo o que puder e, quem sabe, erga essa taça - que, repito, ainda está longe e na qual não estamos com uma mão, não senhor. Foquemo-nos no dificílimo jogo que faremos contra o Grêmio!

Um grande e nervoso abraço.

José disse...

Cadê o matemático Tristão, que alardeava que o Mengão tinha 1% de chance de ser campeão? Ele não conhece a força do manto sagrado, que desestabiliza qualquer ciência exata. Domingo é dia SEIS, dia de HEXA. Abraços.JRSC

Victor disse...

E a rivalidade Flamengo e Grêmio, desapareceu?
Esqueceram-se todos que há um campeonato brasileiro para o primeiro e uma copa do Brasil entalados aí nessa história? Duvido muito do corpo mole do Grêmio. Acho isso papo de jornalista do Globo Esporte e de recalcados com a chance de vitória do Mais Querido. Graças a Deus temos o Andrade lá na Gávea! Esse não se deixa levar por essas palhaçadas. Venha o Grêmio com o time que vier... Encontrará o Flamengo, cacete! O Flamengo!!!
Abraço.