12.12.09

ROBERTA SUDBRACK NA ZONA NORTE

A vida me reserva mesmo muitas surpresas quando o assunto é trazer assuntos aqui pro balcão do BUTECO!!!!!

Acabo de chegar do SALETE, portentoso restaurante na rua Afonso Pena, onde bebi chopes em quantidade industrial e comi um filé à francesa perfeito, como sempre.

Estou eu lá, mandando mais um chope pra dentro, quando vejo quem entrar no SALETE? Quem? Quem?

A cozinheira que me bloqueou no TWITTER (vejam aqui). Ela mesmo, Roberta Sudbrack! Entrou de boné, passou por mim e eu a cumprimentei:

- Boa tarde, Roberta!

Resposta?

Não.

A cozinheira passou direto e enterrou mais fundo o boné na cabeça. E não foi por ter me reconhecido (sabendo de minhas ressalvas poderia ter feito o que faz o Moacyr Luz quando me encontra, ele que finge que não me vê ou vira a cara mesmo). Não. Foi antipatia aguda e absoluta. Ouvir, ela ouviu.

Daí pensei. Vou ao TWITTER. Vai que não é ela.

Mas era. Vejam aí.

A cozinheira foi, hoje pela manhã, conhecer o MERCADÃO DE MADUREIRA (e é evidente que seguindo as dicas babacas de O GLOBO, como eu lhes disse ontem aqui), achou tudo parecido com a Jordânia (meu Deus...) e depois esticou no SALETE.



Até.

8 comentários:

Diego Moreira disse...

Bom, Madureira, que se assemelha à África para a maioria dos pobres de espírito que vivem o mundo descolado da Zona Sul, lembrou a Jordânia para a Sudbrack. Será que ela acha que a Jordânia fica na África?

Andrea disse...

Acho que não é o caso. A Jordânia tem muita erva (humm), temperos, mas nada crioulo assim.

Hans disse...

Tivesse você latido, talvez a cozinheira boa pra cachorro teria dado atenção…

Felipe Millem disse...

Pelos comentários "outro mundo" e "surreal", parece que, para a "chef", uma visita à Zona Norte se assemelha a um safari...
Passou um atestado de miséria cultural e preconceito.
Lamentável!
Um fraterno abraço!

Bruno Ribeiro disse...

Ela achou surreal ouvir El dia en que me quieras num táxi... Meus Deus, como essa gente carece de rua!

Claudio Renato disse...

Bruno Ribeiro, você chegou primeiro e arrematou meu comentário. É isso que eu ia dizer. O que tem de surreal nisso, no Mercadão ou no Salete? Caralho!

Bezerra disse...

A Roberta tem razão, mesmo, quando diz que o Mercadão é um outro mundo.

Só que ela não se deu conta de que, ao ir à Madureira (ê, saudade!), teve a grande oportunidade - a única de sua vida, quem sabe - de conhecer um pouco do mundo real, onde existem pessoas de verdade, no sentido mais completo (e belo) da palavra.

O triste é saber que a surrealidade do mundo de Roberta jamais a fará perceber isso...

caique disse...

o salete fica um pouco longe de niterói, e mais ainda de itaipú, onde eu me escondo. mas só de ouvir o nome eu - e meu filho também - fico com água na boca pensando nas empadas...
abração.
caíque