5.1.10

DO DOSADOR

* notícias que me chegam dão conta de que entidades sindicais e populares já analisam a possibilidade de ingressar com representação junto à Procuradoria Geral da República contra o energúmeno Boris Casoy. Outras entidades, dizem as notícias, pretendem acionar o Ministério Público Federal, que tem a função de defender os direitos constitucionais do cidadão junto aos concessionários e permissionários de serviço público. Torço, profundamente emocionado - manifestações de ódio como a que protagonizou o dono da boquinha mais nojenta da TV brasileira mexem muito comigo -, para que tudo isso não fique apenas na intenção. O que o vagabundo merece é muito mais que isso. Mas essas ações, dentro da esfera da legalidade, já me dariam um incomensurável alento;

* li, estarrecido, hoje em O GLOBO, que a SEBASTIANA, liga composta por 12 blocos de carnaval do Rio de Janeiro - "não põe corda no meu bloco, não vem com teu carro-chefe, não dá ordem ao pessoal", apud João Bosco e Aldir Blanc - vai contar com o patrocínio da REDE GLOBO DE TELEVISÃO. Li, ainda mais estarrecido, que a presidente da inconcebível liga, Rita Fernandes, topou o patrocínio em troca de um acordo rigorosamente inaceitável se levarmos em conta que estamos falando de carnaval de rua: os tais 12 blocos não poderão exibir (como controlar o povo, meu Deus?!?!?!?!?!) nem divulgar nenhuma marca. Eu já decidi: vou ao desfile dos 12 blocos com um estandarte gigantesco exibindo e divulgando o maior número possível de marcas, slogans e que tais: DILMA 2010, ABAIXO A REDE GLOBO, SBT, BBC - BORIS BABACA CASOY, BRIZOLA PRESIDENTE, por aí. Aceito sugestões e adesões. Ao sinal da primeira repreensão durante os desfiles, a cuíca - como convém na festa momesca - vai roncar;

* sobre esse lixo, sobre essa nojeira em forma de patrocínio sob o manto mentiroso do apoio puro e simples, escreveu o filósofo Fernando Szegeri, meu irmão siamês, em dezembro de 2008: "Ante o poder avassalador daquela música que vinha dos morros, a cultura oficial não poderia ficar como mera espectadora. Logo tratou-se de organizar os desfiles, tornar oficiais os concursos. Surgiram as colunas especializadas na imprensa, os grandes jornais chegaram a patrocinar e organizar desfiles. E o poder estatal, apercebendo-se da grande força criativa e mobilizadora desencadeada pelas escolas de samba nos dias de carnaval tratou logo de dar o seu jeito: se não podemos proibir, se não dá pra impedir, vamos organizar, disciplinar, normatizar.". Leiam seu texto, na íntegra, aqui;

* se os deuses assim permitirem, no próximo sábado a Terra vai tremer, os barris vão secar, os engradados vão esvaziar e os tira-gostos vão sumir dos balcões dos botequins mais vagabundos na cidade de Campinas. Pela primeira vez em solo campineiro, juntos à mesma mesa, este que vos escreve, Arthur Tirone, Bruno Ribeiro, Fernando Szegeri e Luiz Antonio Simas. Convoco daqui, de pé diante do balcão imaginário do BUTECO, meu fraterno amigo Marcelo Coelho, exilado e já radicadíssimo em Campinas, a quem não vejo há exatos 4 anos e de quem tenho aguda saudade. Sai de baixo que a cobra vai fumar e beber como nunca dantes;

* na quinta-feira à noite, em cadeia nacional de rádio e TV, um imperdível programa de humor. O PSOL apresentará à nação brasileira seus planos para o ano de 2010 às 20h30min. Como consta do site do partideco, "a executiva nacional do PSOL está debatendo acerca da sua tática eleitoral sobre 2010. Até agora não existe nenhuma decisão em torno deste tema, porém, o debate está em curso e o PSOL realizará reunião da sua direção nacional em dezembro e uma conferencia eleitoral em março de 2010 para tomar uma decisão definitiva sobre o tema.". Ou seja, debatem segunda-feira, debatem terça-feira, debatem quarta-feira, debatem quinta-feira, almoçam na rua do Rosário na sexta-feira depois do debate no Buraco do Lume, descansam sábado e domingo, debatem segunda-feira, debatem terça-feira, debatem quarta-feira, debatem quinta-feira, almoçam na rua do Rosário na sexta-feira depois do debate no Buraco do Lume, descansam sábado e domingo ... A julgar pelo anúncio do programa de TV no site, o troço será imperdível e de fazer o Oscarito parecer um bocó diante da telinha.

Até.

14 comentários:

CRAQUE DA GEMA!!! disse...

Goldenberg,

Surpreendente mesmo esse apoio da Globo a Sebastiana...

Surpreendente porque, assim como você, acho tarefa das mais hercúleas evitar a exposição de marcas em um desfile de bloco.

Principalmente de marcas de cervejarias, tradicionais apoiadoras dos blocos carnavalescos.

Conheço pessoalmente a Rita Fernandes e sei que esse tipo de apoio se traduz (ou deve se traduzir) em um bom suporte financeiro, o que é de mais valia para qualquer bloco.

Apesar de representar apenas 12 blocos, a Sebastiana se destaca por ser uma liga que sempre se antecipa na organização do carnaval, além de ser composta por membros da "grande imprensa", o que invariavelmente resulta em uma pressão, de certa maneira positiva, no poder público.

Não domino a pasta das leis como você e outros advogados que bebericam aqui no teu balcão, mas acho muito difícil que alguém te impeça de expor a marca que for em um desfile de rua.

Nos blocos aqui da IV RA, podes ter certeza que nas suas faixas ninguém mexe.

Um abraço,

R.Pian

Paulo Rogerio disse...

quer dizer que se eu por acaso estiver com uma camisa digamos da hering com o logo estampado, serei expulso do bloco?? mas o bloco não é de rua? vão me expulsar pra onde??

Eduardo Goldenberg disse...

Pô, Pian! E eu doido pra você tentar me expulsar de um bloco desses com colete do choque de ordem! Seria delirante! Abraço.

Paulo Rogério: entre no site da tal liga e pergunte a eles. E faça a pergunta logo com ameaças, pô! Ou perde-se a graça. Abraço.

Tande Biar disse...

Edu, fica já o convite para você desfilar nas terras imperiais de São Cristóvão no dia 07 de Fevereiro - o domingo antes do carnaval - com o B.C.Perereca Imperial.
Nosso bloco aceita tudo e a todos, de braços abertos.
Bloco de carnaval não pode ter regras e proibições em seus desfiles.

Carlos Andreazza disse...

Caro Tande, me diz, desfilando em São Cristóvão, com o nome Perereca Imperial - o bloco tem de ser uma homenagem à gloriosa Marquesa de Santos?

Eduardo Goldenberg disse...

Adendo: segundo o site da tal liga, "Sebastiana é a Associação Independente dos Blocos de Carnaval de Rua da Zona Sul, Santa Teresa e Centro da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro". Zona Sul... Santa Teresa... tá, tá. Vamos em frente (e como cresce a sensação de coerência!). Ainda segundo o site, "(...) a Sebastiana tornou-se um importante agente no resgate da tradição do Carnaval de rua do Rio e também um local de discussão de políticas culturais". Sei, sei... uma espécie de PSOL do carnaval de rua. Vamos em frente.

"Formam a Sebastiana os seguintes blocos: Bloco da Ansiedade (Laranjeiras), Bloco do Barbas (Botafogo), Bloco das Carmelitas (Santa Teresa), Bloco de Segunda (Botafogo), Bloco Virtual (Ipanema), Escravos da Mauá (Centro), Gigantes da Lira (Laranjeiras), Imprensa que eu gamo (Laranjeiras), Meu Bem,Volto já! (Leme), Que merda é essa? (Ipanema), Simpatia é Quase Amor (Ipanema) e Suvaco do Cristo (Jardim Botânico)."

Não desfilo em nenhum deles há muitos anos. Transformaram-se em... isso deixa para lá. Sigamos. Vamos agora a uma patética definição:

"Um bloco de rua, no conceito da Sebastiana é um tipo de cortejo carnavalesco em que pessoas de todas as idades seguem cantando e dançando ao som de um samba e no ritmo da bateria, por um trajeto previamente definido. Totalmente livres, os blocos têm suas características individuais, sua bandeira, suas cores, sua temática, sua camisa. Mas não exigem, em hipótese alguma, que os foliões vistam sua camisa ou qualquer outra fantasia para desfilar. Nos blocos vai quem quer e como pode."

Perceberam a idiotice da definição e a mentira no conceito? Totalmente livres? Vai quem quer e como pode?! E o patrocinador? Vai deixar? Mas vem mais mentira e mais incoerência por aí:

"A Ditadura bem que tentou calar o samba que de marginalizado passou a estar presente em todas as classes sociais e mídias. O Rio de Janeiro foi um dos locais de maior luta e resistência à ditadura. Os blocos resistiram também."

E a ditadura do patrocinador? Tsc.

Prosseguem mentindo:

"Sem cordas de isolamento e sem a exigência de compra de fantasias e camisetas, brinca quem quiser, como quiser e com quem quiser."

Vou fingir que acredito nisso. Como eu disse, vou sair de outdoor ambulante. Vou como quero - não é isso?

Eduardo Goldenberg disse...

Novo adendo:

mandei um e-mail (mais provocativo que curioso) para o "contato" indicado no site da tal liga, para contato@sebastiana.org.br

Voltou, é claro, como e-mail inválido.

Como são previsíveis.

Luiz Antonio Simas disse...

E o carnaval, como festa da inversão, vai pro beleléu tocando bumbo...

Tande Biar disse...

Andreazza, estás certíssimo.
A nossa querida Domitila foi a verdadeira "Perereca Imperial" !!!
Esse ano vou mandar fazer um estandarte para homenageá-la.

Olga disse...

Estranho mesmo esse acordo.

Ainda mais quando me lembro que nos bons tempos do Carnaval, a gente saía às ruas e entrava nos blocos aleatoriamente. Com a única intenção de brincar, pular, saltitar. Os blocos não entravam e nem estavam na moda. O folião (este, sim, sempre na moda) se preocupava em "pular carnaval". E vestido livremente, com um único compromisso: se esbaldar!

Pra mim, na verdade, "egoisticamente" falando, pouco se me dá, porque no "Se me der eu como", acho que ainda posso ir do jeito que desejar.

Marcelo disse...

Convocação aceita!

Grande abraço

Coelho

Vania disse...

Por isso fico por aqui no "Vai Tomar no Grajaú". Não há condições para a diversão e posso beber até cair (se bem que nunca caí) pq estou perto de casa!

Cazé disse...

Vale sacanagem? Se valer, aí vai: "Sebastiana, segura na minha corda e enfia na sua plataforma!"
Abraços.

vovoique disse...

Pra segurar o cartaz BRIZOLA PRESIDENTE conte comigo. Vou levar teu pai junto comigo. Forte abraço
Henrique Zetttel