26.2.10

PREPARANDO-LHES O ESPÍRITO

Meus poucos mas fiéis leitores: hoje à tarde, provavelmente depois do almoço, para que lhes seja suave a digestão, vou publicar o texto que será, até que novas novidades (é de propósito) apareçam, o epílogo do imbróglio nojento que envolve Roberto Chalita, o plagiador de Vinhedo. Trata-se de uma bomba, e não estou aqui fazendo sensacionalismo barato. Um bomba atômica preparada - estou imaginativo hoje - com urânio enriquecido no Irã. Como ontem publiquei, aqui, todos os enfadonhos e-mails que nos foram enviados pelo indigitado, e como eles foram muitos, faço agora pela manhã - uma espécie de breakfast de horror - uma seleção das mais interessantes frases de autoria (até prova em contrário) de Roberto Chalita. É muito importante que você, atento leitor, guarde-as na mente até o momento do lançamento dos explosivos. Elas, as frases - tomem nota! - ganharão outras cores, outros contornos, outros significados. E vocês verão que, no fundo, Roberto Chalita é um homem que quando escreve sozinho, um verdadeiro estilista, é pródigo em mensagens subliminares. Vamos às frases:

* "Sou uma pessoa que teve, ao longo dos meus 43 anos, muita dificuldade para lidar com muitas coisas, e a depressão, vira e mexe consegue se apossar de mim... Nada a ver com drogas ou coisas do tipo. É algo que me domina e me mina as forças, força de trabalhar, principalmente e infelizmente... e o pior, que faço um grande teatro de mim mesmo a todos também, ninguém nem de longe, ao longo desses anos todos, imagina que há uma pessao triste, deprimida."

* "Apesar de bem casado, uma filha linda de 8 anos, venho enfrentando esse tipo de ferida psicológica há uns 5 anos, desde que fiquei desempregado pela primeira vez na vida... de lá para cá não consegui me firmar..."

* "Choro em silêncio, durmo mal, coisas do tipo..."

* "Nunca fiz mal a uma formiga, ao longo dos meus 43 anos, só a mim mesmo."

* "Nunca usei drogas, não fumo, bebo pouco. Meu problema é psicológico, e este acontecimento está me servindo para eu definitivamente por na minha cabeça que preciso me tratar, buscar ajuda de profissionais e por aí vai. Meus medos são com relação à sociedade, às amizades, uma vez que minha família já me conhece muito bem, e sabe desses distúrbios."

* "Tenho 43 anos, duas faculdades, moro em Vinhedo num condomínio, sou casado há 23 anos e tenho uma filha de 8. Trabalho como autônomo fazendo auditorias contábeis, e nunca prejudiquei ninguém na vida, nunca fiz mal, só a mim mesmo com esse mundo de mentiras e inseguranças."

* "Estou sendo sincero, gostaria da compreensão de vocês, o perdão, uma segunda chance, com a promessa para mim mesmo de que vou pedir ajuda a profissionais e tentar acabar com essa ferida que não me faz nada bem."

* "Tem muitas coisas que ocorreram em minha vida que só aprendi assim, na bordoada, e quando eu pensava estar livre disso, veio o desemprego, a depressão, fiquei em casa..."

* "Me dêem essa oportunidade, será minha motivação para buscar ajuda e sanar essa ferida psicológica que me acompanha há anos..."

* "Faço coisas e atuo como uma pessoa que eu não sou, ou gostaria que fosse..."

* "Fui ás lágrimas pela covardia que tive e tenho de não assumir a pessoa que sou perante os outros - e essa pessoa não é nenhuma marginal, rouba, mata, cheira ou tem desvios sexuais."

* "Já falei que sou católico praticante, casado há 23, tenho uma filha de 8, amigos aos montes, nunca usei drogas um fumei cigarro, sou diplomado em administração e contabilidade, trabalhei por 22 anos em uma multinacional francesa - o Carrefour - e estou maculando toda essa trajetória com algo que eu nem sei, que nasceu em mim, como já disse, quando fui mandado embora do Carrefour, há 5 anos, até então a única empresa em que eu havia trabalhado na vida, e me dedicado, e dado tranquilidade a minha família."

* "Pior do que tudo o que estou passando é não poder ser visto como uma pessoa de bem, apesar de tudo, e não ter minhas desculpas aceitas..."

* "Essa ferida psicológica apareceu de uns 5 anos para cá..."

* "Se eu fosse um filho da puta profissional, jamais teria criado um blog e deixado meu nome, criaria um apelido, iniciais somente, sei lá, um nome falso, coisas do tipo - o que não impediria de ser descoberto - mas é aí que quero que vejam que o que fiz foi imprudente sim, mas anormal, devido a meus distúrbios, e não por maldade."

Tomaram nota?

Até.

11 comentários:

Cazé disse...

Esse cara apregoa que é católico, não fuma e bebe pouco pra se defender? Ferrou! Processo nele e - depois - a lata de lixo da história.

Alfredo disse...

Não sei não, Edu. Mas parece que o odor é mais fétido do que imaginávamos.Teria a ver com alguém que tu conheces?

Mandy Ressaca disse...

Será que ele não plagiou a carta de alguém? Brincadeira à parte, estou ansiosa para saber a verdade, pois, como mulher e pisciana, fico logo impressionada com uma historinha triste, como a que ele contou. (coração mais mole que meu fígado)
Mas, enfim, nada justifica ele fazer o que ele fez. E, se tiver mentira, vou ficar p... arteira da vida

Casé disse...

Nossos políticos estão fazendo escola.

Marcus disse...

Conta, conta, conta!!!!!

Caio Vinícius disse...

cade???cade???cade???

Renata Werneck disse...

PELAMORDEDEUS!!!!! Publica logo esse post, Edu!!!!!!!!!!!!

brunoapx disse...

Putz, fujo do trabalho e da pilha de execuções fiscais para ver o que o suspense Hitchcockiano (digo, Goldebenguiano - risos) nos reservou e........nada.

Cadê o post Edu.........????

Tem gente sem conseguir domir...(risos)

Mafuá do HPA disse...

Pô, Eduardo, já ouvi a trilha sonora umas três vezes (adorei, posso indicá-la no meu blog - com citação da fonte, viu!), esperei até de manhã e agora, releio trechos selecionados à dedo. Mais de 15h30 e nada. Preciso sair para ir a um banco. Qual a surpresa...

Henrique Perazzi de Aquino
(www.mafuadohpa.blogspot.com)

Renata Werneck disse...

Edu, não sei se você já leu o último comentário de uma leitora do Comunique-se no post dele sobre o caso Chalita. Ela notou que o nome do blog do picareta (hospedado no site do tal Jornal) é o mesmo do blog de um dos editores da Veja SP, Miguel Icassati - Boteclando (até isso o cara copiou).

Mandy Ressaca disse...

O andré, que te criticou, também errou na palavra mau educado. É mal-educado!! Deslizes... que são com z. Cumprimentando-o, que é com "u". Socorro