10.2.10

SAUDADE DE ARTHUR TIRONE

O caboclo está pra chegar a fim de passar o Carnaval no Rio de Janeiro, e vai daí que me bateu, ainda há pouco, uma tremenda e doída saudade do malandro. Nada como a fotografia, que chapa os momentos que vivemos a fim de aplacar a saudade quando a distância dói mais.

Eduardo Goldenberg e Arthur Tirone, 24 de janeiro de 2009

A ele, Arthur Tirone, o Favela, a quem vira-e-mexe chamo de Salgueiro (minha favela favorita), ergo o copo cheio de chope com espessa espuma a fim de brindar ao momento que se aproxima.

Sexta-feira ele chega, baixa na aldeia de Luiz Antonio Simas, outro irmão que a vida me deu de presente, e seremos três, quatro, cinco, mais!, misturados na turba do BOLA PRETA em busca da sacrossanta redenção do tríduo momesco.

Até.

5 comentários:

Felipinho disse...

Saudades do Favela e da Mi. Que chegue logo a sexta-feira!

Arthur Tirone disse...

Ah, querido, logo estaremos aí. Muita saudade de ti, também. Beijo, irmão.

leo boechat disse...

Gostaria de encontrar o Tirone na cidade. Mantenha-me informado!

Eduardo Goldenberg disse...

Boechaaaaat: quem poderá melhor lhe dar a agenda do bardo da Barra Funda, um dos nossos, tremenda figura humana, é nosso Simas, que hospedará o huno paulistano.

Felipinho disse...

O Favela é um cara dos nossos. Já veio no Rio outras vezes e nunca passou para o lado de lá do túnel. Ele sabe que o Rio que interresa fica aqui, na zona norte.