20.4.10

FASCISTAS PONDO AS MANGAS DE FORA

Quem me lê sabe que já há algum tempo eu denuncio a presença, na grande rede, de um grupelho de natureza fascista que se denomina GRUPO GRANDE TIJUCA. A desonestidade da canalha parte daí, da adoção de um nome a sugerir que são eles, conservadores preconceituosos da pior espécie, os representantes e as vozes do bairro onde nasci, cresci, fui criado e no qual pretendo morrer. Mas prestem atenção ao que vou lhes dizer (antes, se quiserem, leiam aqui o que eu já disse sobre essa gente). E percebam a utilidade que têm as chamadas redes sociais (blogs, TWITTER, FACEBOOK etc) na medida em que elas servem, muitíssimas vezes, para que saibamos, de primeira, quem é quem no meio em que vivemos.

O Rio de Janeiro, como se sabe, foi vítima, recentemente, de chuvas capazes de matar mais de 250 pessoas, a grande maioria delas moradoras de áreas de risco, favelas, e gente como esse gente que forma o grupelho citado foi capaz, cinicamente, como sempre, de fingir dor e solidariedade. Pois bem. Passadas duas semanas, eis que me deparo com coisas que, franca e sinceramente, me dão um misto de nojo e medo. Nojo porque é repugnante saber que há gente, vivendo ao seu lado, capaz de dizer o que essa corja diz, sempre sob o manto covarde do anonimato pusilânime. E medo porque a História está aí para nos lembrar que muitos dos movimentos organizados mais odiosos no seio da sociedade nasceram da iniciativa desse tipo de gente, rigorosamente dispensável. Prestem atenção (sei que vou, a partir de agora, lançar luzes sobre a canalha, que vive como planta de estufa, num mundinho que não reúne mais do que meia-dúzia de gatos pingados, mas é importante que vocês que me lêem, e cada vez mais gente - graças aos deuses -, saibam o que é que anda rolando por aí).

Em 15 de abril de 2010 ou seja, menos de dez dias depois da tragédia que assolou a cidade, a canalha comemorou a notícia CARREFOUR NÃO SERÁ MAIS CONJUNTO. Vamos a elucidativos comentários (com grifos meus) lá deixados pelos porcos covardes que infestam a grande rede. Esse assina DEFENSOR DO RIO (notem o caráter grandioso e heróico do apelido) e seu perfil aponta tratar-se de um economista de 36 anos, sem identificação, é claro:

"Sempre achei o deputado Bittar um demagogo... Não dá para ter diálogo com um sujeito assim... Ele propôs isto, porque mora em Copacabana. A favela deve ser transferida sim e sem esta demagogia de que TEM que ficar próxima a "SUA ORIGEM"(?) Que origem? A origem desta comunidade é uma ocupação ilegal e indesejada, incentivada por políticos demagogos e "curralistas" como este Bittar, o Gilberto Palmares e tantas outras turbas da ALERJ e da Câmara Municipal, vinculadas também ao famélico PDT e ao banditista DEM, do igual Cesar Maia. Remoção sim! E para bem longe! A Tijuca não comporta estes guetos. Esta mistura não funciona pelo abismo sócio-econômico existente. Onde já se viu, nós pagamos os impostos e os favelados fazem a exigência(!!!!) de onde querem ficar!!! Absurdo! Bittar, leva os favelados para morarem na sua casa!"

Perceberam aí a figura nefasta do classe-média profissional? O troço continua. Um outro anônimo, que assina PMOURA, emenda:

"O pior é que essa lei orgânica safada diz que tem que reassentar invasores próximos ao local de onde estão sendo retirados. Vou invadir a Vieira Souto e quero ver se ao me retirar vão me reassentar lá perto. Qual é??? O pessoal da Indiana não quer ir para o carrefou porque é "longe da comunidade"? Fala sério, eu pego dois ônibus por dia para trabalhar!!! Onde é que nós estamos?"

E volta o DEFENSOR DO RIO (preparem o saco de vômito):

"Pois é, PMOURA... Há uma completa inversão de valores na nossa cidade: os "coitadinhos" e "pobrezinhos" da favela estão sempre sendo "injustiçados" pelos "ricos" da classe média que moram no asfalto. Para estes favelados, a culpa da pobreza deles, é nossa! Para eles, se nós temos um carro, é porque nós sempre fomos uma classe beneficiada em detrimento deles... Isto é amplamente divulgado por estas nojentas associações de moradores que são financiadas por políticos da ALERJ (a Comunidade da Formiga é ligada ao deputado Gilberto Palmares do PT), da Câmara dos Vereadores e pelas Empresas (desculpe, Igrejas!) Evangélicas que lá se instalam. É uma verdadeira lavagem cerebral é quem já está disposto à vagabundagem. Lá eles disseminam a idéia de que uma menina de 18 anos que não tem filho, é seca, infértil e ela é discriminada na sociedade favelada. Por quê? Veja quem são os grandes interessados nesta política de natalidade e ignorância crescente! Sim!!! São os políticos curralistas e as Igrejas Evangélicas! Surge quase uma teocracia paralela onde tudo se justifica e se realimenta! AS FAVELAS TEM QUE SER REMOVIDAS PARA BEM LONGE DA TIJUCA! Há enormes áreas próximas aos distritos industriais de Queimados e Santa Cruz. A cidade não tem mais para onde crescer neste miolo onde estamos... Investimentos em infraestrutura são caros, mas já deveriam ter sido feitos. A hora é esta! Não podemos aceitar passivamente o que estes políticos e secretários de ****** colocam para nós! Temos que colocar o dedo na cara deles! Chega! NÓS PAGAMOS IMPOSTOS ALTÍSSIMOS E NÃO TEMOS DIREITO A NADA! NEM DE RECLAMAR! CHEGA!"

Como uma histérica (notem a caixa alta e os gritinhos virtuais), o economista, ignorante a ponto de não me permitir sequer o rebate, insufla a escória que freqüenta o lamentável blog do grupelho. E continua:

"A respeito do Carrefour... Todos sabemos porque o Carrefour desistiu de ocupar este imóvel, né? Pois bem, para quem não sabe ou não se lembra, a maioria dos funcionários era composta de moradores das "comunidades" das adjacências (Borel, Indiana, Formiga, Casa Branca, etc.) em uma política de "boa vizinhança" a qual eu discordo veementemente. Segundo relatos, várias vezes as pessoas que faziam compras lá se deparavam com a bizarra cena de favelados (notadamente malandros) descendo a rampa de acesso externa com o carrinhos cheios de bebidas, carnes e salgadinhos. Detalhe: eles saíam sem pagar e levavam inclusive o carrinho embora! Tirando os furtos que aconteciam no interior do supermercado. Resultado? Todos sabemos! E vejam só! A associação de moradores ainda reclamou que o supermercado estava saindo do local! Vamos fazer campanha pelo retorno do Carrefour e pela remoção total do Borel e da Indiana! Para bem longe daqui!"

Que tal? Mas a coisa piora.

Em 18 de abril de 2010 o grupelho publicou um texto agredindo o deputado federal Brizola Neto pelo simples fato de que o mesmo é neto de Leonel Brizola. Texto pífio, como todos os que são ali publicados, mal escrito e odioso. Há um primeiro comentário feito por um tal de CAOS CARIOCA cujo perfil não está disponível. Diz o sujeito:

"O deputado, assim como seu avo, quer perpetuar a pobreza. pois manter as pessoas pobres e com educacao deficiente garante que promessas vazias se tornem em votos. É latente a demagogia e o populismo que infelizmente ainda estao intrinsecas na politica Fluminense e Brasileira. Para em 2050 ter uma cidade justa, sem separacao e segregacao Asfalto vs. Favela precisamos comecar com uma NOVA politica habitacional. Que impeca o crescimento das favelas ainda mais, e apresente novas alternativas de habitacao popular e de TRANSPORTE PUBLICO."

Não vou me ater aos crassos erros contidos no comentário. Mas somente uma besta, da cabeça aos sapatos, pode acusar Leonel Brizola de ter mantido uma "educação deficiente". Como não pretendo discutir aqui com quem nem sei quem é, vamos à resposta, em tom de euforia, dada pelo mesmíssimo DEFENSOR DO RIO (percebam no detalhe... este último chama seu colega CAOS CARIOCA de Ricardo, o que evidencia que a corriola vale-se, mesmo, de pseudônimos com o intuito de não exibir a cara diante de quem os lê).

Prestem atenção!

"Ricardo, como você sou admirador de Carlos Lacerda e, principalmente, de Sandra Cavalcanti. Eu, sinceramente, não me sinto muito a vontade para falar da gestão de Negrão de Lima pois, por ignorância, não associo grandes feitos a sua gestão.. Era um período conturbado, de atos institucionais, etc (me desculpe pela minha ignorância em relação a tal período). A gestão de Carlos Lacerda é bem mais visível. Tirando a sua falta de escrúpulos em sua jornada política com o objetivo de se tornar Presidente da República, Carlos Lacerda foi um administrador de inteligência singular porque soube se cercar de pessoas fiéis e tecnicamente capazes. Sandra Cavalcanti foi uma delas. Pela sua capacidade de gestão e execução. Recebeu muitas críticas sim, mas de quem? É só analisar... Eram críticas exatamente das pessoas que transformaram esta cidade em um gueto. Eua a admiro também por, já naquela época, ter empreendido esforços pela remoção das favelas, até então bem pequenas, do Borel é da Formiga, por estarem em áreas de risco. Concordo que precisamos de políticos natos... Mas NATOS na nossa classe média... Na conservadora classe média tijucana! Que defendam os nossos princípios ligados a família. Que sejam avessos a qualquer tipo de apologia a cultura do gueto (drogas, samba, funk, malandragem, etc.). Impossível? Espero que não! Atualmente, não há... Mas quem sabe um de nós no futuro?"

Que tal?

O DEFENSOR DO RIO é admirador de Carlos Lacerda e de Sandra Cavalcanti! Diz que precisa (precisa?!) de "políticos natos". E frisa: "NATOS na nossa classe média... Na conservadora classe média tijucana! Que defendam os nossos princípios ligados a família. Que sejam avessos a qualquer tipo de apologia a cultura do gueto (drogas, samba, funk, malandragem, etc.). Impossível? Espero que não! Atualmente, não há... Mas quem sabe um de nós no futuro?"

Eis aí, meus pouco mas fiéis leitores, o perigo a que me referi. A vara pretende abrir a porteira do chiqueiro para lançar "um de nós" candidato a algum cargo político no futuro. O que há de pior, na mesma linha, nasceu assim. Olho na canalha. Estamos em 2010. Vocês que me lêem têm alguma dúvida de pra quem vai o voto dessa escória?

Ah, sim. A nojeira está toda aqui e aqui.

Até.

7 comentários:

Bruno Ribeiro disse...

Sobrou até para o samba, essa pobre cultura do gueto. Falam tanto em civilidade e são uns inquisidores. Não tenho dúvidas de que, se pudessem, colocariam os pobres num campo de concentração.

Mônica Machado disse...

Edu, quanto ao "um de nós" no poder, há um livrinho interessante e esclarecedor, 'Viena fin-de-siécle', do historiador Carl Schorske, sobre os acontecimentos culturais e políticos entre os anos de 1840 e 1920 (por aí). Rapaz, é leitura indispensável; há lá o prenúncio do pensamento finissecular, de como o isolamento militar mudou para o insulamento sociológico. É a mesminha situação que temos hoje e ninguém pode saber onde isso vai dar.
Ainda sobre fascistas: você assistiu 'A fita branca'?
Beijo, Mônica.

CRAQUE DA GEMA!!! disse...

Pra quem vai o voto dessa escória?

R.Pian

Eduardo Goldenberg disse...

Pergunte à escória, Pian, os links pro blog deles estão aí. Um abraço.

Cordão do Prata Preta disse...

um bando de fanfarrões! entretanto, perigosos!!!

Renata Werneck disse...

Corja odiosa! Não duvido nada, Edu, que num futuro próximo esses vermes se mostrem em algum tipo de manifestação no melhor estilo TFP. Mas deixe estar... o que é deles está mais do que guardado! Para mim, são os óbvios "primeiros da fila". Bjs.

Cazé disse...

Blergh!!!