13.7.10

BELMONTE: A CASA CAIU

Janir Jr., o Guevera da imprensa esportiva carioca, é quem dá a notícia: IMPÉRIO EM DECADÊNCIA, que pode ser lido aqui, publicado ontem em seu blog, RIO DE CHINELO, noticia em primeiríssima mão o início da derrocada dos investidores da nefasta rede BELMONTE, há muitos anos - muitos, muitos! - acusada, aqui no BUTECO, de ser uma praga terrível atentando contra uma de nossas mais caras tradições, o verdadeiro buteco, o botequim mais simples, o pé-sujo autêntico. Basta ler isso aqui, dá pra ter uma vaga noção do quanto batemos nessa nojeira que agora beira a falência.

Sempre incensado por gente que surfa na onda dos modismos que atentam contra a inteligência do mais distraído observador das coisas do dia-a-dia - leiam isso aqui - o BELMONTE nunca me enganou. Disse, um dos entrevistados da VEJA RIO (uma das maiores propagadoras da praga), sobre a rede e seu proprietário:

"Ficamos amigos. Ele faz sucesso porque descobriu a tempo que aquele boteco com banheiro sujo e croquete de anteontem já era."

O erro ("a tempo" em vez de "há tempo") é deles.

Fazendo jogo sujo de palavras, o entrevistado tentou reduzir todo pé-sujo (que só uma besta do alto da caixa craniana à sola do calçado confunde com um bar sujo) à categoria de insalubre. E aproveitou pra exaltar o sucesso que hoje vira pó.

Pequena pausa.

Vocês devem estar lembrados do que vou lhes contar (e que lhes adiantei aqui). Eulália, uma das organizadoras do COMIDA DI BUTECO, de fato nunca me procurou conforme havia dito que faria. Pois no domingo, depois da feira, atraquei no ACONCHEGO CARIOCA, por volta das 11h, pra primeira do dia. E lá, de papo com uma amiga, fiquei sabendo de um troço que é, franca e sinceramente, lamentável. Segundo minha amiga - em que ponho fé - a dona Eulália teria sido orientada (por quem, não sei) a não me procurar (a razão também não sei). E notem vocês que assim prossegue minha sina plantada por meus detratores, conforme lhes disse aqui, em maio de 2010. Eulália é só mais uma que não gosta de mim - o que, a bem da verdade, não me incomoda - sem nem ao menos me conhecer. Fiando-se nos conselhos de não-sei-quem, foge do debate que ela mesmo me propôs. Voltando ao tema de hoje.

Resta dizer, por fim, que o estrago causado por esse lixo que é a rede BELMONTE vai ficar. Bares bacanas foram comprados e destruídos pelos investidores que agora assistem à própria bancarrota. Pontos fabulosos, como o da Praça São Salvador, já foram maquiados e transformados em monstrengos insuportáveis.

A moda BELMONTE passou, a onda baixou, e os surfistas-de-plantão, com a pranchinha imaginária, já fazem suas acrobacias noutras plagas.

Até.

7 comentários:

Bruno Chagas disse...

A bancarrota do Mc Donald's de bêbado não me impressiona.
Esse comentário de 2006 já nos avisava; "...esse castelo é de areia..." http://butecodoedu.blogspot.com/2006/12/tsc.html?showComment=1165329503230#c116532950322835130

Edu, a moda muda a cada estação, o que fica são as tradições.

Eduardo Goldenberg disse...

Verdade, Bruno: o Kadu mandou a nota em 2006... Os investidores - disso tenho certeza - não devem estar nada tristes com o fim do troço. Foi só mais uma ciranda. Abração.

Reynaldo Carvalho disse...

Creio que a tempo esteja correto. Possui o sentido de "sanou o problema a tempo de criar dúvidas".
Seria há tempos, se fosse "sanou o problema há tempos,desde uma década atrás".

Eduardo Goldenberg disse...

Reynaldo: a revista a que me refiro está sempre errada. E de mais a mais, se sua teoria estiver certa - no que não creio - pior pro declarante. Vamos ver se os investidores se safam a tempo de evitar a falência. E se o declarante se retrata a tempo de salvar sua biografia relacionada ao tema. Um abraço.

AOS QUARENTA A MIL disse...

Eduardo, esse negócio de "Comida di Buteco" está parecendo encosto. Meu amigo, foi trocar a tradicional feijoada nos eventos que organiza por "Comidas di Buteco" e se ferrou, tomou o maior prejuízo, pra piorar levou Dudu Nobre (desculpe-me os que são fãs).

Abração!

Reynaldo Carvalho disse...

Prezado Edu, é evidente que este é um assunto menor mas,como é para salvar minha biografia (rsrsrs), digo que entrei em contato com uma consultora da área (do jornal Correio Braziliense). Transcrevo o diálogo.
Prezada Dad. Digo que a frase "Ficamos amigos. Ele faz sucesso porque descobriu a tempo que aquele boteco com banheiro sujo e croquete de anteontem já era." está correta.
Um amigo insiste que o certo é: "Ficamos amigos. Ele faz sucesso porque descobriu há tempo que aquele boteco com banheiro sujo e croquete de anteontem já era."
Quem está com a razão? Obrigado.
A resposta: Reynaldo, ambos estão corretos. Mas os recados mudam. Descobri a tempo (= em tempo hábil, dentro do prazo). Há tempo = faz tempo. Abração
http://stat.correioweb.com.br/blogs/perfildad2.pdf
http://www.dzai.com.br/blogdadad/blog/blogdaddad
Como a frase em questão possui o claro sentido de tempo hábil,está correto o que disse anteriormente.
Abraços.

leo boechat disse...

Falando em Belmonte…
Uma das últimas tradições do Rio destruídas por esse processo, que chamo de belmontização estética, foram as duas lojas da Laranjada Americana, que agora parecem lanchonetes genéricas, sem NENHUMA personalidade.