20.9.10

AS CAPAS DA REVISTA VEJA

As capas da revista VEJA há muito viraram verdadeiras obras de ficção científica. Dei-me ao trabalho de selecionar algumas das capas das edições da revista entre o ano de 1979 e 2006. Um período, portanto, de mais de 25 anos nos quais a pútrida revista jamais escondeu a quem serve, a que interesses defende e de que lado está. Abaixo, as capas, e abaixo das capas meus brevíssimos comentários - e vocês hão de rir, seguramente.

Nessa capa de março de 1979, a revista anunciou a "queda de Lula". Pouco depois depois Lula fundaria o Partido dos Trabalhadores.

Nesta, de setembro do mesmo ano, a imagem de Leonel de Moura Brizola com a tarja (recurso recorrente e modorrento) indagando, com aquela moral dos Civita, que a gente bem conhece, se estaria, o velho caudilho, voltando do exílio para buscar "conciliação ou confronto" "com seu PTB". Menos de três anos depois, Brizola seria eleito governador do Rio de Janeiro com seu PDT, partido que fundaria com o apoio - viva a roda da História! - de Dilma Rousseff. E para o bem do Brasil, buscou sempre a conciliação em prol dos interesses do povo. E o confronto com a chusma da revista VEJA.

Em setembro de 1983, rezando a mesma cartilha do conglomerado GLOBO, valendo-se da mesma filosofia do medo de Regina Duarte, a VEJA associou a hercúlea imagem de Brizola à violência no Rio de Janeiro, governado por ele pela segunda vez - sempre através do voto. Todos sabem como Brizola respondia a esses ataques. O ápice da luta de Brizola contra os meios de comunicação deu-se quando Cid Moreira, a "voz do Jornal Nacional", leu, por força de sentença judicial transitada em julgado, sua resposta à TV GLOBO. E é evidente que aquela resposta soou, também, como um murro no estômago da revista que revira o estômago do brasileiro bem informado. Relembrem o episódio, marcante na história da TV brasileira e na luta contra o monopólio da informação, aqui.

Dezembro de 2005. Lula - o tal que sofrera a "queda" anunciada em 1979 - está na capa vermelha que anuncia uma matéria sobre o crescimento do PT. O PT, que "cresce a agita". Você já ouviu essa associação - PT e agitação - quantas vezes?

Agora já estamos em novembro de 1989, diante do segundo turno das eleições entre Lula e Collor. A VEJA, fazendo o dever de casa, lançava mais medo sobre a população brasileira. Interessante notar que, sem a força da internet e das alternativas de informação, uma capa dessas, da VEJA, de fato fazia alguma diferença. Hoje, como sabemos todos, suas empreitadas são risíveis.

Dezembro de 1989. Eis a última capa antes da votação que elegeu Fernando Collor. É engraçado, convenhamos, ler "o que pode ocorrer com Lula". Está lá, em tom de deboche: "A crença no papel do governo para melhorar a vida dos pobres". Onze anos depois, com Lula presidente, mais de 30 milhões de "pobres" melhoraram de vida. A VEJA engole?

Essa, de setembro de 2002, é uma das minhas preferidas: antes da primeira eleição de Lula, a VEJA lança mão, de novo, do expediente reginaduartiano: "O PT ESTÁ PREPARADO PARA A PRESIDÊNCIA?". Oito anos depois...

Demos um salto e estamos em agosto de 2004. De mãos dadas com o medo de novo - só que agora cuidando de proteger seus próprios interesses, estes confrontados com mão firme, como deve ser, por um governo popular - a VEJA esperneia diante da política de Lula visando um equilíbrio saudável entre os órgãos da imprensa brasileira. Hoje, seis anos depois, vocês acham que foi à toa a recentíssima investida da Dra. Cureau contra a revista CARTA CAPITAL? Esta última, uma revista séria. A VEJA, coitada, cada vez mais ficção-científica.

Essa é demais, essa é demais! Segundo a VEJA em junho de 2005 "Lula tenta salvar o governo e sua biografia". Lula (que foi reeleito no ano seguinte com mais de 60% dos votos válidos) está a um passo de entregar a faixa presidencial à sua sucessora com 80% (oitenta por cento) de aprovação de seu governo. É um líder respeitado mundialmente. Seguramente o mais atacado pela chusma da imprensa golpista. É - convenhamos - de rolar de rir.

Esta capa, também de junho de 2005, parece ter antecipado o slogan de José Serra - o fake "Zé Serra" de 2010. A "República Federativa do Zé" - implantada em "primeiro de janeiro de 2003", o primeiro dia do governo Lula - diz muito sobre o alto teor de preconceito que infesta a redação da revista. Ali, em 2005, "Zé" era pejorativo. Hoje, "Zé" é só um carinho, tentativa desesperada de ver um moribundo identificado com o povo.

Agosto de 2005. Mais uma obra-prima nonsense do revistão. Há cinco anos - e a pouco mais de um ano de sua reeleição - Lula estava "em uma situação que já lembra a agonia da era Collor". Será que os caras, lá na redação da VEJA, não têm um pingo de vergonha?

Também agosto de 2005. Lula, segundo a VEJA, não convenceu... Sem comentários.

Vou parar de rir pra continuar. (...). Pronto. Para o revistão, o "PT ERA VIDRO E SE QUEBROU". Nesta edição, de setembro de 2005, VEJA conta "a história de uma tragédia política". Peraí que eu voltei a gargalhar. (...). Pronto. O PT, cinco anos depois, está prestes a eleger a maior bancada da Câmara e aumentar, de forma expressiva, sua bancada no Senado Federal. Mas a VEJA não dá uma dentro?!

2005 foi o "ano em que a estrela se partiu". 2010 será o ano em que a VEJA vai, definitivamente, pra-não-perder-a-rima?

Abril de 2006. Ano de eleições. Para a VEJA, Lula é "o sujeito oculto da organização criminosa que tinha como objetivo garantir a continuidade do projeto de poder do PT". Deixando de lado a premissa, tudo aponta para o êxito do projeto avalizado por mais da metade, com folga, do eleitorado brasileiro. Agora é Dilma, pô!

Uma das mais desrespeitosas capas, de maio de 2006, com a Presidência da República. Chamado de "bobo da corte", o "grande guia" - nosso Lula! -, mais de 4 anos depois, mantém-se como um grande líder, não apenas no Brasil mas no mundo. O pé - ignomínia só possível por conta da liberdade de imprensa - na bunda hoje é na bunda dessa imprensa golpista, e é o povo que dá!

Essa aí, de junho de 2006, deve ter servido para José Serra se inspirar quando criou a expressão "blogs sujos". Seremos nós membro de "um dos grupos que se comportam como o braço armado do PT"?

Capa de setembro, a um mês de sua reeleição. Vamos à seqüência.

Outra de fazer você rolar de rir!!!!! "O DESAFIANTE" Geraldo Alckmin é anunciado como o homem que teve 40 milhões de votos no primeiro turno. Isso em outubro de 2006, logo após a apuração que levou a eleição para o segundo turno. "Agora" - comemorava a VEJA - "ele é uma ameaça real à reeleição do presidente Lula". Não foi bem o que se viu. O tucano conseguiu a proeza de ter, no segundo turno, menos votos do que no primeiro. Bacana, né? Os caras são visionários...

A "operação para encobrir a origem do dinheiro" - ainda estamos em outubro de 2006 - "pode ser ainda mais devastadora para o governo". Não foi. Hoje, quatro anos depois, a VEJA continua tentando: quebra do sigilo fiscal, criminoso condenado como fonte de informações, uma capa surreal como a dessa semana... o quê mais vem por aí?

Essa capa de novembro de 2006 - com Lula já reeleito - mostra um presidente tristinho (a expressão seguramente inspirada na cara de tacho dos diretores e editores da revista. Diz a douta publicação: "(...) e agora ele tem mais quadro anos para deixar um legado de grandeza". O legado está aí. 80% de brasileiros reconhecem isso e o mundo tece loas a Lula. A VEJA, é claro, nada vê. É mesmo a ÓIA, como disse Lula em Campinas no sábado passado.

Lula fez o Brasil funcionar? Funcionando ele está. E "dividido" também: apenas 4% reprovam seu governo.

Esta última é de dezembro de 2006. Como a classe média hoje está inchada por milhões de brasileiros que subiram um degrau graças ao "descaso dos políticos" e libertando "seus ímpetos de riqueza e progresso" - a chusma odeia dividir saguão de aeroporto com essa gente, por exemplo - encerro por aqui a exibição dessas capas, desses lixos, na vitrine virtual do BUTECO. Sufoco mesmo está passando a chusma, que não sabe mais de onde tirar escândalo, bala de prata e outros bichos.

Até.

15 comentários:

Danilo disse...

GENIO.

Mônica Machado disse...

Edu, acabei de assistir ao vídeo da entrevista de nosso presidente ao Portal Ig. Entre outros interessantíssimos temas, Lula falou sobre o desejo de que a dona Dilma não sofra as sacanagens que ele sofreu, todas as que foram preparadas pela mídia.

Lula exaltou a felicidade que é ter a internet a serviço das vozes blogueiras, do debate e da opinião nas coisas políticas.

É pois; eu, na continuidade das leituras diárias, vim aqui olhar as novidades... E encontro sua alegre, pachorrenta e corajosa caneta trabahando nessa certeira seleção das tais sacanagens. E o destaque é sempre seu bom humor. Parabéns, rapaz.

Ah, uma das belezas da entrevista era o presidente falando sobre a saída do Governo. Sempre que ouço o Lula parece papai falando e não é só porque os dois são nordestinos. Dessa vez não foi diferente. Certa feita (a propósito de uma cagada minha) escutei papai dizer, "Minha filha, a gente, para subir escada, vai com cuidado, coragem e tem que ter vontade, força e olhar para cima; para descer, é tudo em dobro."

Pois o nosso presidente, o nosso Lula, tomara que leia você, está com tudo em dobro.

Beijo,
Mônica.

implacavel disse...

Fiquei emocionado com esse comentário dessa menina de nome Monica...
Cada vez que me lembro que se aproxima a hora de o Lula sair, eu me emociono!!!

André disse...

Edu,
Já viu como vai ser a última, na semana que vem?
http://www.viomundo.com.br/humor/quanto-tempo-dura-antecipa-a-capa-da-veja.html

Eduardo Carvalho disse...

Edu, perfeito, perfeito.
Essa direita fétida não se emenda nunca.
Tenho orgulho de não ler a veja há 15 anos...
LULA!!!!!!!!
Abs.

Mafuá do HPA disse...

caro Edu:
Insuperável. Adorei. Já te peço permissão para utilizar como resposta toda vez que alguns beócios me enviarem um email contendo as capas da Veja que são contra o Lula. É claro, que uso citando a fonte.
Abraços bauruenses do
Henrique Perazzi de Aquino (www.mafuadohpa.blogspot.com)

Andre Martins disse...

Bahhh...

Os simpatizantes do PT não falam nada sobre a queda da Ministra da Casa Civil, o envolvimento de seu filho e etc...

Pq isso, Edu?

AOS QUARENTA A MIL disse...

Estava esperando ansiosamente por este post.

Uma semana depois de ter dito aqui que se o Buteco é sujo a revista VEJA é imunda, tive o desprazer de ler a coluna Carta ao Leitor, onde cinicamente eles dizem:

" A publicação da reportagem a vinte um dias do primeiro turno das eleições fará brotar as acusações de que o objetivo é prejudicar a candidata oficial, Dilma Rousseff. São especulações inevitáveis. Mais quais seriam as opções? Não publicar? Só publicar depois das eleições? Essas não são opções válidas no mundo do jornalismo responsável, a atividade dedicada à busca da verdade e sua revelação em benefício do país".

Fica bem claro o objetivo da revista de se esconder na capa de LIBERDADE DE IMPRENSA, para usá-la como veículo de campanha eleitoreira ao inverso, pois a VEJA não se preocupa em destacar, por exemplo, para que vem o Serra ou a Marina, não se preocupa em fazer um panorama do Senado ou do Governo do Estado, não se dá o trabalho de pesquisar e apresentar os motivos que levam os atuais eleitores brasileiros não se afetarem com notícias pseudo bombásticas que alterariam da noite para o dia a forma de pensar do povo.

Se acharam espertos por tantos anos com suas máquinas manipuladoras , que esqueceram de um principio básico, ninguém pode obrigar a quem quer que seja, ficar insatisfeito! Simples assim !!!

Filipe disse...

Caro Edu, obrigado!
Muito obrigado por este certeiro levantamento, abordado de forma resoluta e fundamental.
Grande abraço!

Érico Cordeiro disse...

Edu,
Na capa da revista postada (não digo o nome porque mamãe me ensinou a não falar palavrão) há uma afirmação desconcertante: de que a sufocada classe média "não vê a hora de libertar seus ímpetos de riqueza e progresso".
Exatamente o que significa isso?
Parece que o Índio já libertou seus ímpetos de riqueza e progresso e deu no que deu...
Cruz credo!!!!!

Capitão Óbvio disse...

Parabéns pelo excelente trabalho de pesquisa!!!

Alfredo disse...

O Brizola Neto colocou a tua postagem no "Tijolaço". Parabéns.

Patricia disse...

O pior disso tudo é saber que essa revista tem o melhor banco de dados, de edições anteriores, que existe na internete. E ainda por cima de graça ! Enfim... Ja disse e volto a repetir.. Não consigo mais ler essa porcaria ! Tenho preguiça...

Ali disse...

Fui durante muitos anos assinante da Revista Veja desde meus 16 anos, tenho hoje 47. E ela, confesso, ajudou na construção de meu pensamento. Suas reportagens eram interessantes e ansiosamente, toda semana, esperava por ela. E confesso, é com tristeza e decepção que há quase 10 anos não toco mais em nenhuma edição. É triste porque nosso país está crescendo, evoluindo, despontando no cenário internacional e seria interessante que tivéssemos uma imprensa ou uma revista de prestígio com pensamento focado neste novo país, não servindo à interesses apenas, com pensamentos retrógrados, mas com gente de bem e séria, não preconceituosa e desrespeitosa. É triste, porque a revista teve um papel inportante no combate à ditadura, quando ainda era editor Mino Carta, hoje no Carta Capital. mas hoje ela esta contaminada, corrompida, estuprada. É uma pena...

Miguel disse...

A última vez que li Veja foi em 1970. Foi suficiente para mim. Acho até que levei tempo demais, mas creio que nos 40 anos subsequentes me purifiquei.

Abraço a todos vocês, mais jovens