28.1.11

O VASCO NÃO PODE EURICAR

(pra meu pai, Isaac, pra Aldir Blanc, Mariana Blanc e Milena Blanc)

Sou, vocês estão cansados de saber, Flamengo há não sei quantas encarnações. Nasci, dessa vez, em 69, em ninho de vascaínos. Vô paterno vascaíno, o velho Oizer (aqui), pai vascaíno, o velho Isaac (que passou pela tristeza de assistir, in loco, à minha conversão, aqui), um irmão que seguiu pela trilha cruzmaltina, amigos mais-que-queridos que dividem a mesma crença, uma comadre que tem ataques apopléticos a cada jogo do time da colina e uma afilhada que tem surtos de ai-meu-Deus a cada derrota. Como se não bastasse, tenho pelo Vasco (e me é evidente que a raiz disso tudo está nas incansáveis tentativas empreitadas por meu pai para me ver vascaíno como ele), intensa admiração (aqui, falo sobre isso). Sou - e já disse isso reiteradas vezes - um homem em estado de profunda admiração diante da torcida cruzmaltina. É, de longe, a mais carioca de todas. A mais cafona - e tenho, pela cafonice, uma atração indizível. E a fase pela qual passa o clube de São Januário (eis o que quero lhes dizer) tem me deixado, saquem a ironia, em estado de profunda preocupação.

Dividi, durante anos, com meus mais-chegados, a indignação por conta da direção do clube, nas mãos sujas do sujo Eurico Miranda. Trocava telefonemas extensos com o Aldir, por exemplo, que tinha ataques de cólera por conta do modus operandi do canalha. Até que, muitos anos depois, muitos anos depois de intenso locupletamento, assume o clube o ídolo Roberto Dinamite.

Por não ser vascaíno, desconheço o que se passa em São Januário. Não sei a quê atribuir a má-fase do Vasco, que ainda não pontuou no Campeonato Carioca de 2011. Sinto, entretanto, o cheiro do enxofre, a proximidade do dedo sujo do ex-dirigente que - quem duvida? - gargalha, com um de seus fétidos charutos entre os dedos, a cada derrota do Vasco da Gama.

É o que queria lhes dizer: solidarizo-me com os vascaínos. Torço pela recuperação do clube, desde que ela não comece no próximo domingo, quando teremos o primeiro Flamengo e Vasco do ano! Torço para ver de novo a cafonalhada em festa, a portuguesada eufórica, Dulce Rosalina balançando suas pulseiras no Orum, meu avô Oizer podendo dizer de novo que o Vasco é "o melhor time do mundo", e o Roberto Dinamite tendo êxito na condução dessa virada.

Até.  

5 comentários:

Diego Moreira disse...

Meu velho avô do coração e pai de Santo, o Vieira, era Vasco. Gastou a grana da indenização que ganhou por um acidente de trabalho que sofreu - ele ficou 6 horas pendurado por uma corda na cintura naquele velho gasômetro da zona portuária - num título de sócio do clube no final dos anos 40, quando o Vasco ganhou tudo. Mais tarde, quando o Calçada e o Miranda tomaram o trono, ele bateu no ombro dos dois e disse:

- Enquanto vocês mandarem no Vasco, não ponho mais meus pés aqui.

Morreu em 2008 tendo cumprido sua promessa. Foi a única pessoa que me fez ter alguma simpatia pelo Vasco.

Leonardo Azevedo disse...

vc é vascaino e não sabe...nuna li um texto de tamanha elegância escrito por flamenguesta! rsrsrsr

cara, sou vascaino e tampouco sei o que passa em SJ...pra mim não é coisa do eurico não...

Claudio Renato disse...

Parabéns pelo texto brilhante, Edu...Ouço pessoas dizerem que o Vasco é time de pobre, de suburbano...É nessas horas que eu quase me converto à bendita cafonice alegre cruzmaltina!

Renata Werneck disse...

Edu querido, admiro sua grandeza de espírito.

CRAQUE DA GEMA!!! disse...

Depois eu que sou o vaselina...

r.pian